Pular para o conteúdo principal

Sons que Ecoam: Mad Monkees (CE).*


            Há umas duas semanas atrás, estava eu circulando pelo Festival DoSol aqui em Salvador e vi que uma ou duas pessoas seguravam em suas mãos um cd de capa laranja, com borda preta e com uma imagem no centro que não conseguia distinguir por conta da distância e da iluminação do local. Curioso que sou, fui até a banca montada no lugar e comecei a passar os cds disponíveis para venda, até chegar no tal disco. A figura no centro era a cabeça de um macaco, com olhos em espiral dentro de um capacete de astronauta e, do lado, o nome da banda: Mad Monkees.

            Essas características me deixaram intrigado, na dúvida, perguntei: "Big, qual é a dessa banda?". "Rapaz..." - ele respondeu -"...essa é uma banda cearense de stoner rock de se foder!!! Pode levar que você não vai se arrepender". Pronto, ouvi a palavra stoner e fechei a conta. Segui a minha intuição, a sugestão do Bigbross e cá estou eu trazendo mais uma banda de fora da Bahia para o Portal Soterorock. É uma feliz coincidência o fato desse grupo ser também do Ceará (a Thrunda, banda que inaugurou essa sessão, é de lá também) e, de fato, o som deles é muito bom.

            Formada neste ano de 2015, o quarteto composto por Felipe Cazaux (vocal/guitarra), Capoo Polacco (guitarra), Hamilton de Castro (baixo), PH Barcellos (bateria), já traz consigo este homônimo EP de estréia, que consta quatro músicas com o que o stoner tem de melhor a oferecer. Da pagada hard rock do balcão de um bar até as viagens mais psicodélicas em estradas desérticas, as canções são como um soco sonoro nos ouvidos. A primeira faixa, Roadkill, é um bom cartão de entrada e começa com viradas de bateria que imprimem uma velocidade a ela, lembrando bandas como Red Fang e traz elementos espaciais nos bons solos de guitarra bem presentes nessa vertente stoner. Raise Again desacelera um pouco, tendo uma levada mais blues e abre espaço para o teclado dentro dela, se aprofundando um pouco mais no sludge porém, não perde o gás. Lords of War é a canção que dá ao conjunto a face mais stoner e mais metal nesse debut, empolga e querer aumentar o volume é inevitável. Faces of Guilty encerra o EP com psicodelia lisérgica e peso, com baixo pulsante e solo ensandecido de guitarra duelando com a bateria, até chegar no climax explosivo digno de boas rodas de pogo. Essa faixa encerra o disco da mesma forma que começou: com velocidade e punch.


            Para quem gosta de stoner rock, a Mad Monkees é uma boa pedida. Os cearenses vão beber na fonte desse estilo, trazendo como referencia bandas como Kyuss e QOTSA (em seus primeiros trabalhos), sem se desprender de outros grupos mais recentes como o já citado Red Fang e até mesmo alguns nomes do casting da Relapse Records. Não foi uma aquisição perdida, muito pelo contrário. Sempre que posso corro atrás de novidades de fora e é boa a sensação de acertar na banda escolhida. Essa ocasião mostra também que a cena do estado do Ceará tem dado bons frutos musicais e é bom ficar atento. No mais, acesse o site dos caras para saber um pouco mais sobre eles.


*Matéria originalmente publicada em 26/11/2015.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...