Pular para o conteúdo principal

Sons que Ecoam: Mad Monkees (CE).*


            Há umas duas semanas atrás, estava eu circulando pelo Festival DoSol aqui em Salvador e vi que uma ou duas pessoas seguravam em suas mãos um cd de capa laranja, com borda preta e com uma imagem no centro que não conseguia distinguir por conta da distância e da iluminação do local. Curioso que sou, fui até a banca montada no lugar e comecei a passar os cds disponíveis para venda, até chegar no tal disco. A figura no centro era a cabeça de um macaco, com olhos em espiral dentro de um capacete de astronauta e, do lado, o nome da banda: Mad Monkees.

            Essas características me deixaram intrigado, na dúvida, perguntei: "Big, qual é a dessa banda?". "Rapaz..." - ele respondeu -"...essa é uma banda cearense de stoner rock de se foder!!! Pode levar que você não vai se arrepender". Pronto, ouvi a palavra stoner e fechei a conta. Segui a minha intuição, a sugestão do Bigbross e cá estou eu trazendo mais uma banda de fora da Bahia para o Portal Soterorock. É uma feliz coincidência o fato desse grupo ser também do Ceará (a Thrunda, banda que inaugurou essa sessão, é de lá também) e, de fato, o som deles é muito bom.

            Formada neste ano de 2015, o quarteto composto por Felipe Cazaux (vocal/guitarra), Capoo Polacco (guitarra), Hamilton de Castro (baixo), PH Barcellos (bateria), já traz consigo este homônimo EP de estréia, que consta quatro músicas com o que o stoner tem de melhor a oferecer. Da pagada hard rock do balcão de um bar até as viagens mais psicodélicas em estradas desérticas, as canções são como um soco sonoro nos ouvidos. A primeira faixa, Roadkill, é um bom cartão de entrada e começa com viradas de bateria que imprimem uma velocidade a ela, lembrando bandas como Red Fang e traz elementos espaciais nos bons solos de guitarra bem presentes nessa vertente stoner. Raise Again desacelera um pouco, tendo uma levada mais blues e abre espaço para o teclado dentro dela, se aprofundando um pouco mais no sludge porém, não perde o gás. Lords of War é a canção que dá ao conjunto a face mais stoner e mais metal nesse debut, empolga e querer aumentar o volume é inevitável. Faces of Guilty encerra o EP com psicodelia lisérgica e peso, com baixo pulsante e solo ensandecido de guitarra duelando com a bateria, até chegar no climax explosivo digno de boas rodas de pogo. Essa faixa encerra o disco da mesma forma que começou: com velocidade e punch.


            Para quem gosta de stoner rock, a Mad Monkees é uma boa pedida. Os cearenses vão beber na fonte desse estilo, trazendo como referencia bandas como Kyuss e QOTSA (em seus primeiros trabalhos), sem se desprender de outros grupos mais recentes como o já citado Red Fang e até mesmo alguns nomes do casting da Relapse Records. Não foi uma aquisição perdida, muito pelo contrário. Sempre que posso corro atrás de novidades de fora e é boa a sensação de acertar na banda escolhida. Essa ocasião mostra também que a cena do estado do Ceará tem dado bons frutos musicais e é bom ficar atento. No mais, acesse o site dos caras para saber um pouco mais sobre eles.


*Matéria originalmente publicada em 26/11/2015.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida