Pular para o conteúdo principal

Sons que Ecoam: Mad Monkees (CE).*


            Há umas duas semanas atrás, estava eu circulando pelo Festival DoSol aqui em Salvador e vi que uma ou duas pessoas seguravam em suas mãos um cd de capa laranja, com borda preta e com uma imagem no centro que não conseguia distinguir por conta da distância e da iluminação do local. Curioso que sou, fui até a banca montada no lugar e comecei a passar os cds disponíveis para venda, até chegar no tal disco. A figura no centro era a cabeça de um macaco, com olhos em espiral dentro de um capacete de astronauta e, do lado, o nome da banda: Mad Monkees.

            Essas características me deixaram intrigado, na dúvida, perguntei: "Big, qual é a dessa banda?". "Rapaz..." - ele respondeu -"...essa é uma banda cearense de stoner rock de se foder!!! Pode levar que você não vai se arrepender". Pronto, ouvi a palavra stoner e fechei a conta. Segui a minha intuição, a sugestão do Bigbross e cá estou eu trazendo mais uma banda de fora da Bahia para o Portal Soterorock. É uma feliz coincidência o fato desse grupo ser também do Ceará (a Thrunda, banda que inaugurou essa sessão, é de lá também) e, de fato, o som deles é muito bom.

            Formada neste ano de 2015, o quarteto composto por Felipe Cazaux (vocal/guitarra), Capoo Polacco (guitarra), Hamilton de Castro (baixo), PH Barcellos (bateria), já traz consigo este homônimo EP de estréia, que consta quatro músicas com o que o stoner tem de melhor a oferecer. Da pagada hard rock do balcão de um bar até as viagens mais psicodélicas em estradas desérticas, as canções são como um soco sonoro nos ouvidos. A primeira faixa, Roadkill, é um bom cartão de entrada e começa com viradas de bateria que imprimem uma velocidade a ela, lembrando bandas como Red Fang e traz elementos espaciais nos bons solos de guitarra bem presentes nessa vertente stoner. Raise Again desacelera um pouco, tendo uma levada mais blues e abre espaço para o teclado dentro dela, se aprofundando um pouco mais no sludge porém, não perde o gás. Lords of War é a canção que dá ao conjunto a face mais stoner e mais metal nesse debut, empolga e querer aumentar o volume é inevitável. Faces of Guilty encerra o EP com psicodelia lisérgica e peso, com baixo pulsante e solo ensandecido de guitarra duelando com a bateria, até chegar no climax explosivo digno de boas rodas de pogo. Essa faixa encerra o disco da mesma forma que começou: com velocidade e punch.


            Para quem gosta de stoner rock, a Mad Monkees é uma boa pedida. Os cearenses vão beber na fonte desse estilo, trazendo como referencia bandas como Kyuss e QOTSA (em seus primeiros trabalhos), sem se desprender de outros grupos mais recentes como o já citado Red Fang e até mesmo alguns nomes do casting da Relapse Records. Não foi uma aquisição perdida, muito pelo contrário. Sempre que posso corro atrás de novidades de fora e é boa a sensação de acertar na banda escolhida. Essa ocasião mostra também que a cena do estado do Ceará tem dado bons frutos musicais e é bom ficar atento. No mais, acesse o site dos caras para saber um pouco mais sobre eles.


*Matéria originalmente publicada em 26/11/2015.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…