Pular para o conteúdo principal

Sons que Ecoam: Thrunda (CE).*


            O "Sons que Ecoam" é um novo espaço dentro do Portal Soterorock que vai dar mais destaque para as bandas independentes de fora da Bahia. Um espaço mais efetivo, na verdade. Já falamos de algumas bandas de fora do estado por aqui, mas sempre dentro de resenhas de shows que acontecem na capital baiana e nada mais justo que dar uma atenção maior aos artistas de outras localidades do país.

            Para essa matéria de estréia, o Soterorock traz a banda cearense Thrunda, que está completando em 2015 quinze anos de existência e está lançando 15 Anos em 23 Minutos, o seu terceiro disco de inéditas. Atualmente como um trio, o grupo é formado por Rodrigo Monte (vocal/baixo), Otávio Medeiros (guitarra) e Hermes "Capone" (bateria) e fazem um punk e hard core com elementos de crossover, tendo referencias de bandas oitentistas e noventistas desse estilo. Para quem gosta de um bom trash na linha do Pantera provavelmente vai se bater com algo que agrade seus ouvidos escutando o som dos caras.

            O som é rápido e sem firulas, do jeito certo para formar rodas de pogo de tirar o fôlego e de bater cabeça. Nesse seu mais recente trabalho, a faixa que o abre já entrega essa veia dos caras com sua música e com o seu título. Introduzindo Sem Cuspe é uma porrada instrumental que por si só já fala bastante sobre a banda. Protesto é pesada e tem uma mensagem que chama o ouvinte para sair da inércia. Nuszeixo é mais rápida e mostra atitude e personalidade na sua letra, Vou de Bike é divertida e tem uma mensagem sustentavel, no sentido saudável e ecológico até, empolga pela sua pegada punk cadenciada. Sensacionalismo Verdade é um hardcore veloz com punch trash do seu meio para o fim. Punkada é mais um convite para que o ouvinte se toque e deixe de ser enganado por falsos moralismos e pelo velho sistema manipulador e ainda versa: "se encontrar isso tudo junto, não dê uma vacilada/pegue sua cabeça e deixe-a toda esmagada".

            É Proibido Distorcer é um hard core tão rápido que se você piscar já perdeu. Pornocore me fez lembrar a fase realmente boa do Raimundos em musica e letra. Muito bom! Umatchongabemmaislonganoteucumeter começa com um sarro dos bons e atenta para que você não acredite em tudo no que vê, lê, ou ouve por aí e depois os reproduz, senão... Rockeiro Reaça pisa no freio para criticar os roqueiros com discursos falsos, fingindo ser o que não são só para tirar vantagem quando aparece uma oportunidade. É uma boa faixa que já começa citando o bom e velho Raul Seixas. Poluição fecha o disco com um hard core desenfreado falando sobre o caos e a poluição que se impregnam cada vez mais no cotidiano da sociedade.

            A Thrunda é uma boa banda nordestina, sendo divertida e sisuda ao mesmo tempo, empolgando em alguns momentos e trazendo mensagens conscientizadoras em suas letras. Os cearenses também possuem um site muito bem organizado, onde você pode encontrar todo o seu trabalho, como os seus dois primeiros discos Punk Rock na Véia (2007) e As Aparências Enganam (2012), alem de agenda, fotos e novidades. Vale a pena a visita. Esse é apenas um dos grupos interessantes que está circulando na cena independente deste país. Logo mais traremos outros nomes por aqui.


Conheça a Trhunda: http://www.thrunda.com.br/#


*Matéria originalmente publicada em 10/11/2015.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida