Pular para o conteúdo principal

Sons que Ecoam: Thrunda (CE).*


            O "Sons que Ecoam" é um novo espaço dentro do Portal Soterorock que vai dar mais destaque para as bandas independentes de fora da Bahia. Um espaço mais efetivo, na verdade. Já falamos de algumas bandas de fora do estado por aqui, mas sempre dentro de resenhas de shows que acontecem na capital baiana e nada mais justo que dar uma atenção maior aos artistas de outras localidades do país.

            Para essa matéria de estréia, o Soterorock traz a banda cearense Thrunda, que está completando em 2015 quinze anos de existência e está lançando 15 Anos em 23 Minutos, o seu terceiro disco de inéditas. Atualmente como um trio, o grupo é formado por Rodrigo Monte (vocal/baixo), Otávio Medeiros (guitarra) e Hermes "Capone" (bateria) e fazem um punk e hard core com elementos de crossover, tendo referencias de bandas oitentistas e noventistas desse estilo. Para quem gosta de um bom trash na linha do Pantera provavelmente vai se bater com algo que agrade seus ouvidos escutando o som dos caras.

            O som é rápido e sem firulas, do jeito certo para formar rodas de pogo de tirar o fôlego e de bater cabeça. Nesse seu mais recente trabalho, a faixa que o abre já entrega essa veia dos caras com sua música e com o seu título. Introduzindo Sem Cuspe é uma porrada instrumental que por si só já fala bastante sobre a banda. Protesto é pesada e tem uma mensagem que chama o ouvinte para sair da inércia. Nuszeixo é mais rápida e mostra atitude e personalidade na sua letra, Vou de Bike é divertida e tem uma mensagem sustentavel, no sentido saudável e ecológico até, empolga pela sua pegada punk cadenciada. Sensacionalismo Verdade é um hardcore veloz com punch trash do seu meio para o fim. Punkada é mais um convite para que o ouvinte se toque e deixe de ser enganado por falsos moralismos e pelo velho sistema manipulador e ainda versa: "se encontrar isso tudo junto, não dê uma vacilada/pegue sua cabeça e deixe-a toda esmagada".

            É Proibido Distorcer é um hard core tão rápido que se você piscar já perdeu. Pornocore me fez lembrar a fase realmente boa do Raimundos em musica e letra. Muito bom! Umatchongabemmaislonganoteucumeter começa com um sarro dos bons e atenta para que você não acredite em tudo no que vê, lê, ou ouve por aí e depois os reproduz, senão... Rockeiro Reaça pisa no freio para criticar os roqueiros com discursos falsos, fingindo ser o que não são só para tirar vantagem quando aparece uma oportunidade. É uma boa faixa que já começa citando o bom e velho Raul Seixas. Poluição fecha o disco com um hard core desenfreado falando sobre o caos e a poluição que se impregnam cada vez mais no cotidiano da sociedade.

            A Thrunda é uma boa banda nordestina, sendo divertida e sisuda ao mesmo tempo, empolgando em alguns momentos e trazendo mensagens conscientizadoras em suas letras. Os cearenses também possuem um site muito bem organizado, onde você pode encontrar todo o seu trabalho, como os seus dois primeiros discos Punk Rock na Véia (2007) e As Aparências Enganam (2012), alem de agenda, fotos e novidades. Vale a pena a visita. Esse é apenas um dos grupos interessantes que está circulando na cena independente deste país. Logo mais traremos outros nomes por aqui.


Conheça a Trhunda: http://www.thrunda.com.br/#


*Matéria originalmente publicada em 10/11/2015.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...