Pular para o conteúdo principal

Sons que Ecoam: Thrunda (CE).*


            O "Sons que Ecoam" é um novo espaço dentro do Portal Soterorock que vai dar mais destaque para as bandas independentes de fora da Bahia. Um espaço mais efetivo, na verdade. Já falamos de algumas bandas de fora do estado por aqui, mas sempre dentro de resenhas de shows que acontecem na capital baiana e nada mais justo que dar uma atenção maior aos artistas de outras localidades do país.

            Para essa matéria de estréia, o Soterorock traz a banda cearense Thrunda, que está completando em 2015 quinze anos de existência e está lançando 15 Anos em 23 Minutos, o seu terceiro disco de inéditas. Atualmente como um trio, o grupo é formado por Rodrigo Monte (vocal/baixo), Otávio Medeiros (guitarra) e Hermes "Capone" (bateria) e fazem um punk e hard core com elementos de crossover, tendo referencias de bandas oitentistas e noventistas desse estilo. Para quem gosta de um bom trash na linha do Pantera provavelmente vai se bater com algo que agrade seus ouvidos escutando o som dos caras.

            O som é rápido e sem firulas, do jeito certo para formar rodas de pogo de tirar o fôlego e de bater cabeça. Nesse seu mais recente trabalho, a faixa que o abre já entrega essa veia dos caras com sua música e com o seu título. Introduzindo Sem Cuspe é uma porrada instrumental que por si só já fala bastante sobre a banda. Protesto é pesada e tem uma mensagem que chama o ouvinte para sair da inércia. Nuszeixo é mais rápida e mostra atitude e personalidade na sua letra, Vou de Bike é divertida e tem uma mensagem sustentavel, no sentido saudável e ecológico até, empolga pela sua pegada punk cadenciada. Sensacionalismo Verdade é um hardcore veloz com punch trash do seu meio para o fim. Punkada é mais um convite para que o ouvinte se toque e deixe de ser enganado por falsos moralismos e pelo velho sistema manipulador e ainda versa: "se encontrar isso tudo junto, não dê uma vacilada/pegue sua cabeça e deixe-a toda esmagada".

            É Proibido Distorcer é um hard core tão rápido que se você piscar já perdeu. Pornocore me fez lembrar a fase realmente boa do Raimundos em musica e letra. Muito bom! Umatchongabemmaislonganoteucumeter começa com um sarro dos bons e atenta para que você não acredite em tudo no que vê, lê, ou ouve por aí e depois os reproduz, senão... Rockeiro Reaça pisa no freio para criticar os roqueiros com discursos falsos, fingindo ser o que não são só para tirar vantagem quando aparece uma oportunidade. É uma boa faixa que já começa citando o bom e velho Raul Seixas. Poluição fecha o disco com um hard core desenfreado falando sobre o caos e a poluição que se impregnam cada vez mais no cotidiano da sociedade.

            A Thrunda é uma boa banda nordestina, sendo divertida e sisuda ao mesmo tempo, empolgando em alguns momentos e trazendo mensagens conscientizadoras em suas letras. Os cearenses também possuem um site muito bem organizado, onde você pode encontrar todo o seu trabalho, como os seus dois primeiros discos Punk Rock na Véia (2007) e As Aparências Enganam (2012), alem de agenda, fotos e novidades. Vale a pena a visita. Esse é apenas um dos grupos interessantes que está circulando na cena independente deste país. Logo mais traremos outros nomes por aqui.


Conheça a Trhunda: http://www.thrunda.com.br/#


*Matéria originalmente publicada em 10/11/2015.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso