Pular para o conteúdo principal

Sons que Ecoam: Thrunda (CE).*


            O "Sons que Ecoam" é um novo espaço dentro do Portal Soterorock que vai dar mais destaque para as bandas independentes de fora da Bahia. Um espaço mais efetivo, na verdade. Já falamos de algumas bandas de fora do estado por aqui, mas sempre dentro de resenhas de shows que acontecem na capital baiana e nada mais justo que dar uma atenção maior aos artistas de outras localidades do país.

            Para essa matéria de estréia, o Soterorock traz a banda cearense Thrunda, que está completando em 2015 quinze anos de existência e está lançando 15 Anos em 23 Minutos, o seu terceiro disco de inéditas. Atualmente como um trio, o grupo é formado por Rodrigo Monte (vocal/baixo), Otávio Medeiros (guitarra) e Hermes "Capone" (bateria) e fazem um punk e hard core com elementos de crossover, tendo referencias de bandas oitentistas e noventistas desse estilo. Para quem gosta de um bom trash na linha do Pantera provavelmente vai se bater com algo que agrade seus ouvidos escutando o som dos caras.

            O som é rápido e sem firulas, do jeito certo para formar rodas de pogo de tirar o fôlego e de bater cabeça. Nesse seu mais recente trabalho, a faixa que o abre já entrega essa veia dos caras com sua música e com o seu título. Introduzindo Sem Cuspe é uma porrada instrumental que por si só já fala bastante sobre a banda. Protesto é pesada e tem uma mensagem que chama o ouvinte para sair da inércia. Nuszeixo é mais rápida e mostra atitude e personalidade na sua letra, Vou de Bike é divertida e tem uma mensagem sustentavel, no sentido saudável e ecológico até, empolga pela sua pegada punk cadenciada. Sensacionalismo Verdade é um hardcore veloz com punch trash do seu meio para o fim. Punkada é mais um convite para que o ouvinte se toque e deixe de ser enganado por falsos moralismos e pelo velho sistema manipulador e ainda versa: "se encontrar isso tudo junto, não dê uma vacilada/pegue sua cabeça e deixe-a toda esmagada".

            É Proibido Distorcer é um hard core tão rápido que se você piscar já perdeu. Pornocore me fez lembrar a fase realmente boa do Raimundos em musica e letra. Muito bom! Umatchongabemmaislonganoteucumeter começa com um sarro dos bons e atenta para que você não acredite em tudo no que vê, lê, ou ouve por aí e depois os reproduz, senão... Rockeiro Reaça pisa no freio para criticar os roqueiros com discursos falsos, fingindo ser o que não são só para tirar vantagem quando aparece uma oportunidade. É uma boa faixa que já começa citando o bom e velho Raul Seixas. Poluição fecha o disco com um hard core desenfreado falando sobre o caos e a poluição que se impregnam cada vez mais no cotidiano da sociedade.

            A Thrunda é uma boa banda nordestina, sendo divertida e sisuda ao mesmo tempo, empolgando em alguns momentos e trazendo mensagens conscientizadoras em suas letras. Os cearenses também possuem um site muito bem organizado, onde você pode encontrar todo o seu trabalho, como os seus dois primeiros discos Punk Rock na Véia (2007) e As Aparências Enganam (2012), alem de agenda, fotos e novidades. Vale a pena a visita. Esse é apenas um dos grupos interessantes que está circulando na cena independente deste país. Logo mais traremos outros nomes por aqui.


Conheça a Trhunda: http://www.thrunda.com.br/#


*Matéria originalmente publicada em 10/11/2015.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo.
Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção.

Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava em um pouco mai…