Pular para o conteúdo principal

Soterorock Sessions 1.*


Sempre rola aquela máxima de que “crítico jornalista é um músico (ou qualquer artista) frustrado”. Ouço isso há tempos e sempre me enxerguei na contramão disso, porque eu sou um músico que é um jornalista frustrado. Amo ler resenhas, tanto de discos quanto de shows, filmes, programas de TV e etc. Pra mim, a resenha tem um papel extra na hora de gerar o interesse sobre uma obra e, por amar escrever, sempre procuro a oportunidade de fazer uma. Por isso estou aqui, me escalando para escrever sobre a primeira edição do festival Soterorock Sessions.

Antes, contudo, é importante deixar claro que é uma tarefa complicada, pois uma das atrações foi a minha banda e também é desafiador escrever uma resenha sobre o show da banda de um cara que faz as melhores resenhas do nosso cenário rocker. Mas vamos nessa!

A primeira atração da noite foi a ExoEsqueleto, banda na qual eu sou vocalista e guitarrista. Sem rodeios, foi uma boa apresentação, particularmente divertida. Apresentamos todas as músicas do nosso 1º disco e mais duas do próximo (que está em fase de pré-produção). Foi legal ver o interesse da galera pelo som da banda e, mais ainda, ver alguns Brothers berrando algumas letras. Aguardo ansiosamente pela visão do mestre Cima sobre essa apresentação.

O que veio a seguir foram os headliners Game Over Riverside e foi bonito de ver os caras no palco.  8 anos não fizeram diferença alguma pros caras. Parecia que eles haviam tocado no final de semana passado. Com um som cru e cheio de boas influências, algo marcante do cenário underground nos já saudosos anos 2000, os destaques vão para o nada frustrado crítico jornalista, Leonardo Cima com uma bateria segura e que empurra os riffs e melodias (outros destaques positivos da G.O.R.). Como guitarrista, o que enxergo como algo não tão positivo, foi o fato de as três guitarras não funcionarem tão bem na estrutura de som do Taverna, mas isso nada tem a ver com os caras da banda. No fim das contas foi a celebração de uma bela amizade e um retorno “sangue nos olhos”.

A cidade baixa dominou o Rio Vermelho de vez quando a Búfalos Vermelhos subiu no palco já na madrugada de sábado. Confesso que sou fã de todos os derivados dos irmãos Jende: Tentrio, Trônica e BVOE. Pra segurar a onda de um duo tem que ter qualidade técnica. E isso os caras tem de sobra. Com canções do EP lançado no ano passado, destacando a pedrada “Chão pisado”, e mais algumas que não conhecia, o que saltou aos ouvidos, além da execução perfeita dos irmãos, é o vocal incrivelmente bacana e diferente de Thiago. Definitivamente, a Búfalos é uma banda na qual sempre se aprende algo sobre música quando se ouve ou assiste.

Missão cumprida pelas bandas, cabe o elogio à produção do evento e ao público bastante interessado nas apresentações. No mais, foi voltar pra casa de madrugada com a sensação de ter tido uma noite de melhor qualidade. Que esta seja a primeira de muitas edições do Soterorock Sessions.


*Matéria originalmente publicada em 27/09/2015, por André Dias
(vocalista e guitarrista da banda Exoesqueleto).

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…