Pular para o conteúdo principal

SUNDAY ROCK - Alagoinhas, Bahia, Brasil. Por Artur W.*


"Sonho que se sonha junto é realidade"
(Raul Seixas)

Idealizado por Artur W (Organoclorados) e Daniel Barbosa (Universo Variante), o SUNDAY ROCK propõe a ocupação de um espaço-tempo alternativo para combater a monotonia das tardes de domingo. Ao reunir música, expressões artísticas diversas e atividades lúdicas, num ambiente de estímulo à criatividade, o evento também objetiva promover o encontro de amigos, artistas, agitadores culturais da cena alternativa e independente.

Sustentáculo do SUNDAY ROCK: não esperar, colaborar, buscar alternativas, agregar cabeças pensantes, planejar e fazer acontecer. Assim o evento nasceu em Alagoinhas, cidade a 120 km de Salvador, capital do estado da Bahia, Brasil.

Voltado para um público altamente diverso e de todas as idades, o SUNDAY ROCK figurou ainda como uma opção de lazer e cultura para as famílias, devido ao seu formato descontraído, preço acessível e horário vespertino.

A primeira edição do SUNDAY ROCK foi realizada em 26/03/2017, no Foyer do Centro de Cultura de Alagoinhas, das 15h às 21h. A produção do evento ficou a cargo da banda Organoclorados, com apoio do próprio Daniel Barbosa, e contou com cenário, estrutura de palco e som, cantina e bar, tudo montado e elaborado com recursos próprios (financeiros, materiais, logísticos, humanos, artísticos e intelectuais). Além do espaço em si, o Centro de Cultura disponibilizou equipe de apoio (portaria, vigilância, limpeza), estacionamento e iluminação de palco.

Foi um final de tarde muito especial, com famílias e crianças circulando e se divertindo à vontade pelo Centro de Cultura. O evento apresentou um varal de poesias, letras de música e pinturas expostas à visitação, num convite à reflexão e à contemplação. Para as crianças (e adultos também, por que não?), cama elástica na área externa. Destaque ainda para a cerveja artesanal produzida na cidade e que foi comercializada com grande sucesso na cantina.

Tudo isso interligado, conectado, pela transversalidade da música, materializada ao vivo pelos shows de alta qualidade e originalidade. As bandas Not Names, Organoclorados, Universo Variante e Eva Karize encantaram o público presente, desfilando suas composições autorais e algumas versões de artistas famosos nacionais e internacionais do Rock e do Reggae.

Segundo os organizadores, a energia positiva do público e o apoio dos amigos e companheiros da cena cultural independente de Alagoinhas e região foi fundamental para o sucesso desta primeira edição. O evento também pretende agregar artistas e público de toda a região circunvizinha, com possibilidade de ser realizado em outras cidades. Como disse Artur W durante a apresentação da Organoclorados, “os sonhadores precisam estar unidos se quiserem vencer as barreiras do convencional”.

FOTOS:


*Artur W é vocalista e guitarrista da Organoclorados, grupo com vinte e seis anos de estrada com um álbum, dois DVDs e um EP lançados. A banda prepara um novo trabalho, prometido ainda para este ano.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,