Pular para o conteúdo principal

SUNDAY ROCK - Alagoinhas, Bahia, Brasil. Por Artur W.*


"Sonho que se sonha junto é realidade"
(Raul Seixas)

Idealizado por Artur W (Organoclorados) e Daniel Barbosa (Universo Variante), o SUNDAY ROCK propõe a ocupação de um espaço-tempo alternativo para combater a monotonia das tardes de domingo. Ao reunir música, expressões artísticas diversas e atividades lúdicas, num ambiente de estímulo à criatividade, o evento também objetiva promover o encontro de amigos, artistas, agitadores culturais da cena alternativa e independente.

Sustentáculo do SUNDAY ROCK: não esperar, colaborar, buscar alternativas, agregar cabeças pensantes, planejar e fazer acontecer. Assim o evento nasceu em Alagoinhas, cidade a 120 km de Salvador, capital do estado da Bahia, Brasil.

Voltado para um público altamente diverso e de todas as idades, o SUNDAY ROCK figurou ainda como uma opção de lazer e cultura para as famílias, devido ao seu formato descontraído, preço acessível e horário vespertino.

A primeira edição do SUNDAY ROCK foi realizada em 26/03/2017, no Foyer do Centro de Cultura de Alagoinhas, das 15h às 21h. A produção do evento ficou a cargo da banda Organoclorados, com apoio do próprio Daniel Barbosa, e contou com cenário, estrutura de palco e som, cantina e bar, tudo montado e elaborado com recursos próprios (financeiros, materiais, logísticos, humanos, artísticos e intelectuais). Além do espaço em si, o Centro de Cultura disponibilizou equipe de apoio (portaria, vigilância, limpeza), estacionamento e iluminação de palco.

Foi um final de tarde muito especial, com famílias e crianças circulando e se divertindo à vontade pelo Centro de Cultura. O evento apresentou um varal de poesias, letras de música e pinturas expostas à visitação, num convite à reflexão e à contemplação. Para as crianças (e adultos também, por que não?), cama elástica na área externa. Destaque ainda para a cerveja artesanal produzida na cidade e que foi comercializada com grande sucesso na cantina.

Tudo isso interligado, conectado, pela transversalidade da música, materializada ao vivo pelos shows de alta qualidade e originalidade. As bandas Not Names, Organoclorados, Universo Variante e Eva Karize encantaram o público presente, desfilando suas composições autorais e algumas versões de artistas famosos nacionais e internacionais do Rock e do Reggae.

Segundo os organizadores, a energia positiva do público e o apoio dos amigos e companheiros da cena cultural independente de Alagoinhas e região foi fundamental para o sucesso desta primeira edição. O evento também pretende agregar artistas e público de toda a região circunvizinha, com possibilidade de ser realizado em outras cidades. Como disse Artur W durante a apresentação da Organoclorados, “os sonhadores precisam estar unidos se quiserem vencer as barreiras do convencional”.

FOTOS:


*Artur W é vocalista e guitarrista da Organoclorados, grupo com vinte e seis anos de estrada com um álbum, dois DVDs e um EP lançados. A banda prepara um novo trabalho, prometido ainda para este ano.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção. Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia. Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, ess

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava