Pular para o conteúdo principal

Uma aquarela sonora psicodélica.*


A última sexta iniciou o final de semana roqueiro de Salvador com a apresentação de um dos shows mais aguardados por fãs de rock da capital baiana. Pela primeira vez na cidade, e direto de Goiás, o Boogarins se apresentou no evento Noites de Radioca, ocorrido no Portela Café, Rio Vermelho, para a felicidade de muita gente que aguardava a sua passagem por aqui.

O lugar estava com um bom número de público e dava para perceber a excitação dos presentes em querer ver a banda. Ao passo do relógio, as conversas com bons amigos sobre a cena, sobre as novidades, sobre o quanto Taiwan pode ser mais próximo do que Cajazeiras deram o tom pré-festa. Havia uma expectativa muito grande pela performance do grupo, pois não é de agora que eles são conhecidos por essas terras. O seu histórico recente de shows, turnês na gringa e a qualidade do seu mais recente disco aumentavam esse sentimento, que se misturava com a ansiedade de ver a banda de perto o quanto antes chegasse o momento do início da apresentação. A espera valeu a pena e se uma palavra não existiu naquela noite, essa palavra foi decepção.

Abrindo a noite o dj El Cabong tocou um set feito especialmente para a noite, com temas de bandas e artistas da vertente psicodélica e agradou muito a quem estava circulando pelo ambiente, quem conferia a banquinha da banda (que por sinal não tinha mais os discos em vinil do conjunto) e para quem aguardava pacientemente na imensa fila do único caixa aberto da casa. O interessante na discotecagem foi no final, quando a sequência das duas últimas músicas, A Day in the Life (The Beatles) e Wouldn’t it be Nice (Beach Boys), prepararam o terreno para os goianos começarem a tocar logo em seguida. Foi um bom aquecimento para o que estava por vir. O show começou com Lucifernadis e não havia melhor forma de se abrir uma apresentação, com uma faixa do seu primeiro disco e empolgando logo de cara a audiência atenta.

Em Mário de Andrade/Selvagem a banda a executou de forma inteligente, fazendo uma ótima adaptação ao vivo da versão original nas mudanças existentes dentro da música. Avalanche e 6000 Dias (ou o mantra dos 20 anos) foram cantadas junto com a maioria que estava por lá. Erre foi intensa como já se era esperada e Cuerdo, mais tranquila, ganhou uma versão estendida que foi boa de embarcar na onda. O som encerrou com Doce, canção também do primeiro álbum e muito aguardada, que ganhou uma versão maior em relação a original. Esses foram alguns pontos altos na apresentação do Boogarins, mas não ficou somente nisso.

A verdade é que os rapazes pintaram uma aquarela verdadeiramente psicodélica de sons e não teve momentos de baixa enquanto eles tocavam. O Boogarins foi muito fiel às versões das suas faixas em estúdio, mesmo quando a banda se dava espaço para improvisar dentro de suas canções, esticando as músicas de forma criativa, se levando e levando o ouvinte a uma viagem para vários lugares diferentes. Como se saíssem e voltassem para as músicas com muita propriedade e naturalidade. As soluções que a banda encontrou para a performance dos seus dois discos foi outro aspecto interessante na noite, chamou a atenção e mostrou que o quarteto está bem entrosado, resultado da quantidade de shows que eles vêm fazendo nos últimos meses.

As texturas tiradas das guitarras e do baixo proporcionaram momentos incríveis na apresentação, só lamento não estar mais próximo ao palco para ver o que acontecia na relação pé/pedal/pedaleira. Mas há outro ponto importantíssimo aqui: o baterista. Mesmo do fundo, dava para ver o quanto ele é um ótimo instrumentista. Em meio àquela profusão de sons e efeitos ele manteve o espaço do seu instrumento de forma muito centrada, ocupando cada lugar que a bateria cabia, sem deixar que ela passasse despercebida e ajudando manter a coesão das canções. Foi impressionante a atuação dele.


Ao fim, depois de tudo, os rapazes ainda foram bem solícitos com quem os procuraram para bater uma foto e/ou pegar um autografo. Estavam circulando, tomando uma breja e conversando com quem chegasse. A volta para casa que foi meio tensa. Motoristas avançando encruzilhadas na nossa frente, o taxista desviando de gato na Garibaldi e desviando de pessoas que atravessavam a rua na Água de Meninos e na Calçada, como se estivessem desfilando. Mas a coisa ficou pior mesmo foi quando, um pouco antes da penúltima curva, tocou no rádio do táxi A Horse With No Name, do América. Bad trip não, por favor! Ainda bem que estava próximo de casa e não teria que escutá-la na íntegra. Ainda bem! Que o Boogarins retorne mais vezes!


*Matéria originalmente publicada em 05/03/2016.

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …