Rádio Soterorock ao Vivo!

Uma aquarela sonora psicodélica.*


A última sexta iniciou o final de semana roqueiro de Salvador com a apresentação de um dos shows mais aguardados por fãs de rock da capital baiana. Pela primeira vez na cidade, e direto de Goiás, o Boogarins se apresentou no evento Noites de Radioca, ocorrido no Portela Café, Rio Vermelho, para a felicidade de muita gente que aguardava a sua passagem por aqui.

O lugar estava com um bom número de público e dava para perceber a excitação dos presentes em querer ver a banda. Ao passo do relógio, as conversas com bons amigos sobre a cena, sobre as novidades, sobre o quanto Taiwan pode ser mais próximo do que Cajazeiras deram o tom pré-festa. Havia uma expectativa muito grande pela performance do grupo, pois não é de agora que eles são conhecidos por essas terras. O seu histórico recente de shows, turnês na gringa e a qualidade do seu mais recente disco aumentavam esse sentimento, que se misturava com a ansiedade de ver a banda de perto o quanto antes chegasse o momento do início da apresentação. A espera valeu a pena e se uma palavra não existiu naquela noite, essa palavra foi decepção.

Abrindo a noite o dj El Cabong tocou um set feito especialmente para a noite, com temas de bandas e artistas da vertente psicodélica e agradou muito a quem estava circulando pelo ambiente, quem conferia a banquinha da banda (que por sinal não tinha mais os discos em vinil do conjunto) e para quem aguardava pacientemente na imensa fila do único caixa aberto da casa. O interessante na discotecagem foi no final, quando a sequência das duas últimas músicas, A Day in the Life (The Beatles) e Wouldn’t it be Nice (Beach Boys), prepararam o terreno para os goianos começarem a tocar logo em seguida. Foi um bom aquecimento para o que estava por vir. O show começou com Lucifernadis e não havia melhor forma de se abrir uma apresentação, com uma faixa do seu primeiro disco e empolgando logo de cara a audiência atenta.

Em Mário de Andrade/Selvagem a banda a executou de forma inteligente, fazendo uma ótima adaptação ao vivo da versão original nas mudanças existentes dentro da música. Avalanche e 6000 Dias (ou o mantra dos 20 anos) foram cantadas junto com a maioria que estava por lá. Erre foi intensa como já se era esperada e Cuerdo, mais tranquila, ganhou uma versão estendida que foi boa de embarcar na onda. O som encerrou com Doce, canção também do primeiro álbum e muito aguardada, que ganhou uma versão maior em relação a original. Esses foram alguns pontos altos na apresentação do Boogarins, mas não ficou somente nisso.

A verdade é que os rapazes pintaram uma aquarela verdadeiramente psicodélica de sons e não teve momentos de baixa enquanto eles tocavam. O Boogarins foi muito fiel às versões das suas faixas em estúdio, mesmo quando a banda se dava espaço para improvisar dentro de suas canções, esticando as músicas de forma criativa, se levando e levando o ouvinte a uma viagem para vários lugares diferentes. Como se saíssem e voltassem para as músicas com muita propriedade e naturalidade. As soluções que a banda encontrou para a performance dos seus dois discos foi outro aspecto interessante na noite, chamou a atenção e mostrou que o quarteto está bem entrosado, resultado da quantidade de shows que eles vêm fazendo nos últimos meses.

As texturas tiradas das guitarras e do baixo proporcionaram momentos incríveis na apresentação, só lamento não estar mais próximo ao palco para ver o que acontecia na relação pé/pedal/pedaleira. Mas há outro ponto importantíssimo aqui: o baterista. Mesmo do fundo, dava para ver o quanto ele é um ótimo instrumentista. Em meio àquela profusão de sons e efeitos ele manteve o espaço do seu instrumento de forma muito centrada, ocupando cada lugar que a bateria cabia, sem deixar que ela passasse despercebida e ajudando manter a coesão das canções. Foi impressionante a atuação dele.


Ao fim, depois de tudo, os rapazes ainda foram bem solícitos com quem os procuraram para bater uma foto e/ou pegar um autografo. Estavam circulando, tomando uma breja e conversando com quem chegasse. A volta para casa que foi meio tensa. Motoristas avançando encruzilhadas na nossa frente, o taxista desviando de gato na Garibaldi e desviando de pessoas que atravessavam a rua na Água de Meninos e na Calçada, como se estivessem desfilando. Mas a coisa ficou pior mesmo foi quando, um pouco antes da penúltima curva, tocou no rádio do táxi A Horse With No Name, do América. Bad trip não, por favor! Ainda bem que estava próximo de casa e não teria que escutá-la na íntegra. Ainda bem! Que o Boogarins retorne mais vezes!


*Matéria originalmente publicada em 05/03/2016.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas