Pular para o conteúdo principal

Uma aquarela sonora psicodélica.*


A última sexta iniciou o final de semana roqueiro de Salvador com a apresentação de um dos shows mais aguardados por fãs de rock da capital baiana. Pela primeira vez na cidade, e direto de Goiás, o Boogarins se apresentou no evento Noites de Radioca, ocorrido no Portela Café, Rio Vermelho, para a felicidade de muita gente que aguardava a sua passagem por aqui.

O lugar estava com um bom número de público e dava para perceber a excitação dos presentes em querer ver a banda. Ao passo do relógio, as conversas com bons amigos sobre a cena, sobre as novidades, sobre o quanto Taiwan pode ser mais próximo do que Cajazeiras deram o tom pré-festa. Havia uma expectativa muito grande pela performance do grupo, pois não é de agora que eles são conhecidos por essas terras. O seu histórico recente de shows, turnês na gringa e a qualidade do seu mais recente disco aumentavam esse sentimento, que se misturava com a ansiedade de ver a banda de perto o quanto antes chegasse o momento do início da apresentação. A espera valeu a pena e se uma palavra não existiu naquela noite, essa palavra foi decepção.

Abrindo a noite o dj El Cabong tocou um set feito especialmente para a noite, com temas de bandas e artistas da vertente psicodélica e agradou muito a quem estava circulando pelo ambiente, quem conferia a banquinha da banda (que por sinal não tinha mais os discos em vinil do conjunto) e para quem aguardava pacientemente na imensa fila do único caixa aberto da casa. O interessante na discotecagem foi no final, quando a sequência das duas últimas músicas, A Day in the Life (The Beatles) e Wouldn’t it be Nice (Beach Boys), prepararam o terreno para os goianos começarem a tocar logo em seguida. Foi um bom aquecimento para o que estava por vir. O show começou com Lucifernadis e não havia melhor forma de se abrir uma apresentação, com uma faixa do seu primeiro disco e empolgando logo de cara a audiência atenta.

Em Mário de Andrade/Selvagem a banda a executou de forma inteligente, fazendo uma ótima adaptação ao vivo da versão original nas mudanças existentes dentro da música. Avalanche e 6000 Dias (ou o mantra dos 20 anos) foram cantadas junto com a maioria que estava por lá. Erre foi intensa como já se era esperada e Cuerdo, mais tranquila, ganhou uma versão estendida que foi boa de embarcar na onda. O som encerrou com Doce, canção também do primeiro álbum e muito aguardada, que ganhou uma versão maior em relação a original. Esses foram alguns pontos altos na apresentação do Boogarins, mas não ficou somente nisso.

A verdade é que os rapazes pintaram uma aquarela verdadeiramente psicodélica de sons e não teve momentos de baixa enquanto eles tocavam. O Boogarins foi muito fiel às versões das suas faixas em estúdio, mesmo quando a banda se dava espaço para improvisar dentro de suas canções, esticando as músicas de forma criativa, se levando e levando o ouvinte a uma viagem para vários lugares diferentes. Como se saíssem e voltassem para as músicas com muita propriedade e naturalidade. As soluções que a banda encontrou para a performance dos seus dois discos foi outro aspecto interessante na noite, chamou a atenção e mostrou que o quarteto está bem entrosado, resultado da quantidade de shows que eles vêm fazendo nos últimos meses.

As texturas tiradas das guitarras e do baixo proporcionaram momentos incríveis na apresentação, só lamento não estar mais próximo ao palco para ver o que acontecia na relação pé/pedal/pedaleira. Mas há outro ponto importantíssimo aqui: o baterista. Mesmo do fundo, dava para ver o quanto ele é um ótimo instrumentista. Em meio àquela profusão de sons e efeitos ele manteve o espaço do seu instrumento de forma muito centrada, ocupando cada lugar que a bateria cabia, sem deixar que ela passasse despercebida e ajudando manter a coesão das canções. Foi impressionante a atuação dele.


Ao fim, depois de tudo, os rapazes ainda foram bem solícitos com quem os procuraram para bater uma foto e/ou pegar um autografo. Estavam circulando, tomando uma breja e conversando com quem chegasse. A volta para casa que foi meio tensa. Motoristas avançando encruzilhadas na nossa frente, o taxista desviando de gato na Garibaldi e desviando de pessoas que atravessavam a rua na Água de Meninos e na Calçada, como se estivessem desfilando. Mas a coisa ficou pior mesmo foi quando, um pouco antes da penúltima curva, tocou no rádio do táxi A Horse With No Name, do América. Bad trip não, por favor! Ainda bem que estava próximo de casa e não teria que escutá-la na íntegra. Ainda bem! Que o Boogarins retorne mais vezes!


*Matéria originalmente publicada em 05/03/2016.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…