Pular para o conteúdo principal

Uma ótima nova casa e duas ótimas bandas.*


Mais um mergulho do Portal Soterorock na noite roqueira da capital baiana! Desta vez fomos conferir o evento “Quinta Free”, na nova casa de shows de rock (e de outros estilos musicais) da cidade de Salvador, o Taverna Music Bar. Nesta ocasião o acontecimento teve a presença das bandas Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes e Van der Vous.

O Rio Vermelho estava tranquilo, o que é normal para uma noite de quinta feira. Mas a presença de um trio elétrico tocando forró no largo da Dinha quebrou totalmente a paz de quem estava tomando umas e outras por lá. Ver aquele povo dançando em cima do trio e as pessoas embaixo sem dar muita importância para banda foi meio deprê. Com isso, tratei de caminhar para o local das apresentações para me sentir um pouco mais familiarizado.

Chegando ao Taverna a minha primeira impressão foi positiva. O Soterorock ainda não havia visitado o local para cobrir um evento, então a curiosidade e a expectativa por ele era grande. O espaço é bem organizado, porém pequeno. Isso não significa ser algo negativo para a casa, já que as bandas ficam mais próximas do público e com isso a troca de energia é mais intensa entre as partes. Como esse aspecto, o volume do som do palco fica maior, chegando a alcançar bem dois dos seus três ambientes internos. O atendimento mostrou ter boa qualidade e a estética do lugar lembra os espaços de shows que existiam por aqui no inicio dos anos 2000. Vale a pena conhecer!

Antes das bandas começarem a tocar, o DJ da casa desenterrou pérolas da musica eletrônica dos anos 1990, como se tivesse achado em seu case os discos Hit Parade e Top Surprise e de ter resolvido tirar a poeira deles naquela noite. Mas tudo bem, foi divertido! Depois de muito forró e mixagem na cabeça entrou no palco a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes. Eles tocaram no seu repertório musicas do seu já conhecido EP de estreia, musicas novas e algums covers. Os destaques vão para “Mulher Kriptonita”, “Chão Pisado” e a versão matadora de “Dos Margaritas”.

O volume do som no show deu um peso maior à banda, valorizando o som dos timbres da guitarra e da bateria, que as aproximou muito do som das baterias das bandas texanas. Stoner e Road rock de primeira. A propósito, eles estão no Spotify! Em seguida, subiu no palco a Van der Vous. A banda está cada vez mais entrosada como um trio e mesclou em seu repertório musicas do seu disco de estreia, “La Fuga”, e canções novas. Estas estão cada vez mais redondas e prontas para o registro, que já está sendo aguardado por quem admira o som do grupo. A performance impecável já costumeira da Van der Vous também estava presente e a sua duração não foi muito longa. Quem foi viu duas boas apresentações de música rock. E deu até uma boa quantidade de gente no evento.


Ao fim, a volta para casa foi realmente tranquila, com um bom papo no lugar do trio elétrico forrozeiro insano do inicio desse texto. Música, cena e amizade são temas bem presentes nessas horas e isso faz um bem danado. Chegando em casa eu já pensava em qual disco das duas bandas eu iria ouvir primeiro. Enfim, já escutei cada um duas vezes.


*Matéria originalmente publicada em 12/06/2015

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,