Pular para o conteúdo principal

Uma ótima nova casa e duas ótimas bandas.*


Mais um mergulho do Portal Soterorock na noite roqueira da capital baiana! Desta vez fomos conferir o evento “Quinta Free”, na nova casa de shows de rock (e de outros estilos musicais) da cidade de Salvador, o Taverna Music Bar. Nesta ocasião o acontecimento teve a presença das bandas Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes e Van der Vous.

O Rio Vermelho estava tranquilo, o que é normal para uma noite de quinta feira. Mas a presença de um trio elétrico tocando forró no largo da Dinha quebrou totalmente a paz de quem estava tomando umas e outras por lá. Ver aquele povo dançando em cima do trio e as pessoas embaixo sem dar muita importância para banda foi meio deprê. Com isso, tratei de caminhar para o local das apresentações para me sentir um pouco mais familiarizado.

Chegando ao Taverna a minha primeira impressão foi positiva. O Soterorock ainda não havia visitado o local para cobrir um evento, então a curiosidade e a expectativa por ele era grande. O espaço é bem organizado, porém pequeno. Isso não significa ser algo negativo para a casa, já que as bandas ficam mais próximas do público e com isso a troca de energia é mais intensa entre as partes. Como esse aspecto, o volume do som do palco fica maior, chegando a alcançar bem dois dos seus três ambientes internos. O atendimento mostrou ter boa qualidade e a estética do lugar lembra os espaços de shows que existiam por aqui no inicio dos anos 2000. Vale a pena conhecer!

Antes das bandas começarem a tocar, o DJ da casa desenterrou pérolas da musica eletrônica dos anos 1990, como se tivesse achado em seu case os discos Hit Parade e Top Surprise e de ter resolvido tirar a poeira deles naquela noite. Mas tudo bem, foi divertido! Depois de muito forró e mixagem na cabeça entrou no palco a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes. Eles tocaram no seu repertório musicas do seu já conhecido EP de estreia, musicas novas e algums covers. Os destaques vão para “Mulher Kriptonita”, “Chão Pisado” e a versão matadora de “Dos Margaritas”.

O volume do som no show deu um peso maior à banda, valorizando o som dos timbres da guitarra e da bateria, que as aproximou muito do som das baterias das bandas texanas. Stoner e Road rock de primeira. A propósito, eles estão no Spotify! Em seguida, subiu no palco a Van der Vous. A banda está cada vez mais entrosada como um trio e mesclou em seu repertório musicas do seu disco de estreia, “La Fuga”, e canções novas. Estas estão cada vez mais redondas e prontas para o registro, que já está sendo aguardado por quem admira o som do grupo. A performance impecável já costumeira da Van der Vous também estava presente e a sua duração não foi muito longa. Quem foi viu duas boas apresentações de música rock. E deu até uma boa quantidade de gente no evento.


Ao fim, a volta para casa foi realmente tranquila, com um bom papo no lugar do trio elétrico forrozeiro insano do inicio desse texto. Música, cena e amizade são temas bem presentes nessas horas e isso faz um bem danado. Chegando em casa eu já pensava em qual disco das duas bandas eu iria ouvir primeiro. Enfim, já escutei cada um duas vezes.


*Matéria originalmente publicada em 12/06/2015

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso