Pular para o conteúdo principal

Uma quarta da cidade baixa.*


Na última quarta-feira teve rock na capital baiana e saí de casa para conferir o evento Quartas de Peso, que acontece toda quarta no Taverna Music Bar. Com a festa possuindo uma característica mais pesada, sempre trazendo sons de mais peso, essa edição contou com bandas de perfis mais diversos, uma com a veia mais pop rock e a outra mais ligada a uma vertente nu-metal, sendo que ambas possuindo em comum o local de sua origem, a cidade baixa.

A chegada no lugar foi cedo. No princípio não havia muita gente, mas foram surgindo algumas mais no decorrer da festa, que foi bem animada e calorosa. Os dois grupos não se intimidaram por tocar em um meio de semana e para poucas pessoas. O que valeu mesmo foi o gosto verdadeiro em fazer rock e se divertir com isso, ambas as bandas estão praticamente reiniciando as suas atividades na cena e o que não faltou foi ânimo para as duas.

A primeira a se apresentar foi a banda Invena. Contando com uma nova formação, bem diferente da última vez que os vi, o grupo tem agora uma vocalista, Suzi Almeida, e novo guitarrista e baixista. Remanescentes da formação anterior, Pedro Jorge Oiticia e Adamis Ribeiro completam o conjunto. Com um repertório mais conciso e contando com mais músicas autorais, a banda se saiu bem nesse que foi um dos seus primeiros shows do ano. A mudança na voz masculina para uma feminina caiu bem nas antigas músicas do grupo e, principalmente nas novas. Dá para perceber uma influência de Nina Person (The Cardigans) na voz da frontwoman, que faz um pouco a banda tomar um direcionamento que mescla o rock noventista com a suavidade das cantoras de bandas de rock europeias. Até o aspecto dos covers, que era algo que atrapalhava a banda no palco, ficou mais bem resolvido desta vez, com músicas escolhidas sem atirar para qualquer lado e mais próximas do seu estilo musical. Músicas mais redondas, banda bem ensaiada, vocalista carismática e ótimos novos integrantes fizeram um bom início de festa.

Encerrando a noite, a Olhos Para o Infinito pesou a mão nas suas canções. O trio tocou músicas bem elaboradas, em uma linha de peso característica de bandas do metal alternativo, como Deftones e Baroness, e com uma sonoridade bem cuidada e volumosa. Bons riffs de guitarra e cozinha dialogando bem, fazendo uma ótima base para as seis cordas que gritava em alto e bom som. O repertório da O.P.I. contou com bastante canção autoral e covers de bandas que se aproximam da sua sonoridade. Algumas de suas músicas possui temas longos e interessantes, que servem para bater cabeça e cabelo sem medo de ser feliz, assim como nas mais diretas. Um momento só de voz e violão e uma versão de No Ordinary Love, da Sade, foram interessantes e essa última ainda contou com a participação especial da Suzi nos vocais. Fechou bem a noite!


Foram performances divertidas, mas a quantidade de covers no repertório das bandas ainda é algo a ser pensado por ambas, se houvesse menos covers em seus setlist, os deixando mais enxutos, seria bem mais interessante do que foi. Mas a noite ainda foi feita de bons papos sobre assuntos musicais, series de tv, OVNIS e visões pós apocalípticas de um ou dois velhos estúdios quase icônicos da cidade baixa. Na verdade, as visões foram bem reais e atuais.


*Matéria originalmente publicada em 21/03/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…