Pular para o conteúdo principal

Uma quarta da cidade baixa.*


Na última quarta-feira teve rock na capital baiana e saí de casa para conferir o evento Quartas de Peso, que acontece toda quarta no Taverna Music Bar. Com a festa possuindo uma característica mais pesada, sempre trazendo sons de mais peso, essa edição contou com bandas de perfis mais diversos, uma com a veia mais pop rock e a outra mais ligada a uma vertente nu-metal, sendo que ambas possuindo em comum o local de sua origem, a cidade baixa.

A chegada no lugar foi cedo. No princípio não havia muita gente, mas foram surgindo algumas mais no decorrer da festa, que foi bem animada e calorosa. Os dois grupos não se intimidaram por tocar em um meio de semana e para poucas pessoas. O que valeu mesmo foi o gosto verdadeiro em fazer rock e se divertir com isso, ambas as bandas estão praticamente reiniciando as suas atividades na cena e o que não faltou foi ânimo para as duas.

A primeira a se apresentar foi a banda Invena. Contando com uma nova formação, bem diferente da última vez que os vi, o grupo tem agora uma vocalista, Suzi Almeida, e novo guitarrista e baixista. Remanescentes da formação anterior, Pedro Jorge Oiticia e Adamis Ribeiro completam o conjunto. Com um repertório mais conciso e contando com mais músicas autorais, a banda se saiu bem nesse que foi um dos seus primeiros shows do ano. A mudança na voz masculina para uma feminina caiu bem nas antigas músicas do grupo e, principalmente nas novas. Dá para perceber uma influência de Nina Person (The Cardigans) na voz da frontwoman, que faz um pouco a banda tomar um direcionamento que mescla o rock noventista com a suavidade das cantoras de bandas de rock europeias. Até o aspecto dos covers, que era algo que atrapalhava a banda no palco, ficou mais bem resolvido desta vez, com músicas escolhidas sem atirar para qualquer lado e mais próximas do seu estilo musical. Músicas mais redondas, banda bem ensaiada, vocalista carismática e ótimos novos integrantes fizeram um bom início de festa.

Encerrando a noite, a Olhos Para o Infinito pesou a mão nas suas canções. O trio tocou músicas bem elaboradas, em uma linha de peso característica de bandas do metal alternativo, como Deftones e Baroness, e com uma sonoridade bem cuidada e volumosa. Bons riffs de guitarra e cozinha dialogando bem, fazendo uma ótima base para as seis cordas que gritava em alto e bom som. O repertório da O.P.I. contou com bastante canção autoral e covers de bandas que se aproximam da sua sonoridade. Algumas de suas músicas possui temas longos e interessantes, que servem para bater cabeça e cabelo sem medo de ser feliz, assim como nas mais diretas. Um momento só de voz e violão e uma versão de No Ordinary Love, da Sade, foram interessantes e essa última ainda contou com a participação especial da Suzi nos vocais. Fechou bem a noite!


Foram performances divertidas, mas a quantidade de covers no repertório das bandas ainda é algo a ser pensado por ambas, se houvesse menos covers em seus setlist, os deixando mais enxutos, seria bem mais interessante do que foi. Mas a noite ainda foi feita de bons papos sobre assuntos musicais, series de tv, OVNIS e visões pós apocalípticas de um ou dois velhos estúdios quase icônicos da cidade baixa. Na verdade, as visões foram bem reais e atuais.


*Matéria originalmente publicada em 21/03/2016.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida