Pular para o conteúdo principal

Velhos e novos bons tempos.*


A semana começou com rock na capital baiana. Toda terça acontece o “Quanto Vale o Show?”, evento produzido pelo Rogério Big Bross que abre espaço para bandas em sua maioria iniciantes e para as bandas que estão em maior atividade na cena. A entrada é sempre gratuita, mas a audiência decide o quanto deve pagar pelos shows da noite. Nesta ocasião, duas bandas que estão retornando à cena deram as caras no palco do Irish Pub: a Game Over Riverside e Os Canalhas.

A G.O.R. retornando definitivamente do seu hiato, fazendo mais uma apresentação da turnê que eles apelidaram de “The Grunge Days are Gone Tour” e Os Canalhas, banda da década de noventa voltando também ao cenário depois de longos anos sem se apresentar, realizando a sua reunião nesta ocasião. A noite estava tranquila, as pessoas foram chegando aos poucos, algumas conversando, jogando sinuca e bebendo algo enquanto as apresentações não começavam. O Irish Pub não encheu, mas quem esteve presente foi contemplado com duas apresentações quentes.

Quem abriu a noite foi a Game Over Riverside. O quinteto está promovendo o seu debut EP que será lançado no próximo mês e que já tem dois singles lançados na web. A apresentação começou com uma canção que não estará no trabalho de estreia dos rapazes, God in a Talk Show, mas que serviu para premeditar o gás que o repertório iria proporcionar para quem estava ali. Todas as canções do disco que está para sair foram tocadas com energia, vontade e entrega, com o grupo aproveitando bem o ótimo aparato técnico do palco.

Em um momento ou outro uma das guitarras ficava um pouco mais alta, mas nada que comprometesse o desempenho dos rapazes. Deep Waters foi um bom momento da apresentação, assim como a sua sequência final onde Sadness Online e I Can’t Hardly Wait (que também não estará no EP e que foi dedicada a uma antiga fã) elevaram a empolgação de integrantes e público, com direito ao baixista dando canja no vocal, a duelo de dança entre o vocalista e o guitarrista, com esse último indo castigar com seu instrumento os pratos da bateria. Foi divertido!

Encerrando os trabalhos, Os Canalhas trouxeram bastante rock indie, punk e som inglês noventista para a festa. O trio vem de um histórico interessante do seu passado: foi uma banda muito ativa na década de noventa, que teve disco gravado na Suíça e que passou um bom tempo sem tocar com essa formação. Seus integrantes vêm atuando na cena com outros projetos ao longo dos anos e decidiram retomar as atividades juntos nessa edição do “QVoS?”.

Foi uma apresentação também empolgante, com os três se divertindo em cima do palco tocando bastante som autoral, mesclando faixas de seus dois cds lançados, e tocando alguns covers, sendo um deles Blitzkrieg Bop, do Ramones. Entre duas das canções foi citada brevemente pelo vocalista a história da banda, que caminhou para uma continuidade de sua apresentação com entrosamento e agradando muita gente que ainda estava no Irish Pub conferindo o som deles. A volta d’Os Canalhas ao cenário foi no mínimo muito interessante.


Terminado o som, era hora de trocar um pouco mais de ideia sobre a noite, com bons novos e velhos amigos, sobre o balanço da noite, confraternizando com os envolvidos no evento e com quem foi pura e simplesmente prestigiar as bandas. Histórias sobre discos, filmes e um momento piadista clássico nas ruas deram o tom na volta para casa. O tempo pode passar, mas tem coisa que não muda nunca e isso também é bom.


*Matéria originalmente publicada em 22/04/2016.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…