Pular para o conteúdo principal

Velhos e novos bons tempos.*


A semana começou com rock na capital baiana. Toda terça acontece o “Quanto Vale o Show?”, evento produzido pelo Rogério Big Bross que abre espaço para bandas em sua maioria iniciantes e para as bandas que estão em maior atividade na cena. A entrada é sempre gratuita, mas a audiência decide o quanto deve pagar pelos shows da noite. Nesta ocasião, duas bandas que estão retornando à cena deram as caras no palco do Irish Pub: a Game Over Riverside e Os Canalhas.

A G.O.R. retornando definitivamente do seu hiato, fazendo mais uma apresentação da turnê que eles apelidaram de “The Grunge Days are Gone Tour” e Os Canalhas, banda da década de noventa voltando também ao cenário depois de longos anos sem se apresentar, realizando a sua reunião nesta ocasião. A noite estava tranquila, as pessoas foram chegando aos poucos, algumas conversando, jogando sinuca e bebendo algo enquanto as apresentações não começavam. O Irish Pub não encheu, mas quem esteve presente foi contemplado com duas apresentações quentes.

Quem abriu a noite foi a Game Over Riverside. O quinteto está promovendo o seu debut EP que será lançado no próximo mês e que já tem dois singles lançados na web. A apresentação começou com uma canção que não estará no trabalho de estreia dos rapazes, God in a Talk Show, mas que serviu para premeditar o gás que o repertório iria proporcionar para quem estava ali. Todas as canções do disco que está para sair foram tocadas com energia, vontade e entrega, com o grupo aproveitando bem o ótimo aparato técnico do palco.

Em um momento ou outro uma das guitarras ficava um pouco mais alta, mas nada que comprometesse o desempenho dos rapazes. Deep Waters foi um bom momento da apresentação, assim como a sua sequência final onde Sadness Online e I Can’t Hardly Wait (que também não estará no EP e que foi dedicada a uma antiga fã) elevaram a empolgação de integrantes e público, com direito ao baixista dando canja no vocal, a duelo de dança entre o vocalista e o guitarrista, com esse último indo castigar com seu instrumento os pratos da bateria. Foi divertido!

Encerrando os trabalhos, Os Canalhas trouxeram bastante rock indie, punk e som inglês noventista para a festa. O trio vem de um histórico interessante do seu passado: foi uma banda muito ativa na década de noventa, que teve disco gravado na Suíça e que passou um bom tempo sem tocar com essa formação. Seus integrantes vêm atuando na cena com outros projetos ao longo dos anos e decidiram retomar as atividades juntos nessa edição do “QVoS?”.

Foi uma apresentação também empolgante, com os três se divertindo em cima do palco tocando bastante som autoral, mesclando faixas de seus dois cds lançados, e tocando alguns covers, sendo um deles Blitzkrieg Bop, do Ramones. Entre duas das canções foi citada brevemente pelo vocalista a história da banda, que caminhou para uma continuidade de sua apresentação com entrosamento e agradando muita gente que ainda estava no Irish Pub conferindo o som deles. A volta d’Os Canalhas ao cenário foi no mínimo muito interessante.


Terminado o som, era hora de trocar um pouco mais de ideia sobre a noite, com bons novos e velhos amigos, sobre o balanço da noite, confraternizando com os envolvidos no evento e com quem foi pura e simplesmente prestigiar as bandas. Histórias sobre discos, filmes e um momento piadista clássico nas ruas deram o tom na volta para casa. O tempo pode passar, mas tem coisa que não muda nunca e isso também é bom.


*Matéria originalmente publicada em 22/04/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…