Velhos e novos bons tempos.*


A semana começou com rock na capital baiana. Toda terça acontece o “Quanto Vale o Show?”, evento produzido pelo Rogério Big Bross que abre espaço para bandas em sua maioria iniciantes e para as bandas que estão em maior atividade na cena. A entrada é sempre gratuita, mas a audiência decide o quanto deve pagar pelos shows da noite. Nesta ocasião, duas bandas que estão retornando à cena deram as caras no palco do Irish Pub: a Game Over Riverside e Os Canalhas.

A G.O.R. retornando definitivamente do seu hiato, fazendo mais uma apresentação da turnê que eles apelidaram de “The Grunge Days are Gone Tour” e Os Canalhas, banda da década de noventa voltando também ao cenário depois de longos anos sem se apresentar, realizando a sua reunião nesta ocasião. A noite estava tranquila, as pessoas foram chegando aos poucos, algumas conversando, jogando sinuca e bebendo algo enquanto as apresentações não começavam. O Irish Pub não encheu, mas quem esteve presente foi contemplado com duas apresentações quentes.

Quem abriu a noite foi a Game Over Riverside. O quinteto está promovendo o seu debut EP que será lançado no próximo mês e que já tem dois singles lançados na web. A apresentação começou com uma canção que não estará no trabalho de estreia dos rapazes, God in a Talk Show, mas que serviu para premeditar o gás que o repertório iria proporcionar para quem estava ali. Todas as canções do disco que está para sair foram tocadas com energia, vontade e entrega, com o grupo aproveitando bem o ótimo aparato técnico do palco.

Em um momento ou outro uma das guitarras ficava um pouco mais alta, mas nada que comprometesse o desempenho dos rapazes. Deep Waters foi um bom momento da apresentação, assim como a sua sequência final onde Sadness Online e I Can’t Hardly Wait (que também não estará no EP e que foi dedicada a uma antiga fã) elevaram a empolgação de integrantes e público, com direito ao baixista dando canja no vocal, a duelo de dança entre o vocalista e o guitarrista, com esse último indo castigar com seu instrumento os pratos da bateria. Foi divertido!

Encerrando os trabalhos, Os Canalhas trouxeram bastante rock indie, punk e som inglês noventista para a festa. O trio vem de um histórico interessante do seu passado: foi uma banda muito ativa na década de noventa, que teve disco gravado na Suíça e que passou um bom tempo sem tocar com essa formação. Seus integrantes vêm atuando na cena com outros projetos ao longo dos anos e decidiram retomar as atividades juntos nessa edição do “QVoS?”.

Foi uma apresentação também empolgante, com os três se divertindo em cima do palco tocando bastante som autoral, mesclando faixas de seus dois cds lançados, e tocando alguns covers, sendo um deles Blitzkrieg Bop, do Ramones. Entre duas das canções foi citada brevemente pelo vocalista a história da banda, que caminhou para uma continuidade de sua apresentação com entrosamento e agradando muita gente que ainda estava no Irish Pub conferindo o som deles. A volta d’Os Canalhas ao cenário foi no mínimo muito interessante.


Terminado o som, era hora de trocar um pouco mais de ideia sobre a noite, com bons novos e velhos amigos, sobre o balanço da noite, confraternizando com os envolvidos no evento e com quem foi pura e simplesmente prestigiar as bandas. Histórias sobre discos, filmes e um momento piadista clássico nas ruas deram o tom na volta para casa. O tempo pode passar, mas tem coisa que não muda nunca e isso também é bom.


*Matéria originalmente publicada em 22/04/2016.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas