Pular para o conteúdo principal

Velhos e novos bons tempos.*


A semana começou com rock na capital baiana. Toda terça acontece o “Quanto Vale o Show?”, evento produzido pelo Rogério Big Bross que abre espaço para bandas em sua maioria iniciantes e para as bandas que estão em maior atividade na cena. A entrada é sempre gratuita, mas a audiência decide o quanto deve pagar pelos shows da noite. Nesta ocasião, duas bandas que estão retornando à cena deram as caras no palco do Irish Pub: a Game Over Riverside e Os Canalhas.

A G.O.R. retornando definitivamente do seu hiato, fazendo mais uma apresentação da turnê que eles apelidaram de “The Grunge Days are Gone Tour” e Os Canalhas, banda da década de noventa voltando também ao cenário depois de longos anos sem se apresentar, realizando a sua reunião nesta ocasião. A noite estava tranquila, as pessoas foram chegando aos poucos, algumas conversando, jogando sinuca e bebendo algo enquanto as apresentações não começavam. O Irish Pub não encheu, mas quem esteve presente foi contemplado com duas apresentações quentes.

Quem abriu a noite foi a Game Over Riverside. O quinteto está promovendo o seu debut EP que será lançado no próximo mês e que já tem dois singles lançados na web. A apresentação começou com uma canção que não estará no trabalho de estreia dos rapazes, God in a Talk Show, mas que serviu para premeditar o gás que o repertório iria proporcionar para quem estava ali. Todas as canções do disco que está para sair foram tocadas com energia, vontade e entrega, com o grupo aproveitando bem o ótimo aparato técnico do palco.

Em um momento ou outro uma das guitarras ficava um pouco mais alta, mas nada que comprometesse o desempenho dos rapazes. Deep Waters foi um bom momento da apresentação, assim como a sua sequência final onde Sadness Online e I Can’t Hardly Wait (que também não estará no EP e que foi dedicada a uma antiga fã) elevaram a empolgação de integrantes e público, com direito ao baixista dando canja no vocal, a duelo de dança entre o vocalista e o guitarrista, com esse último indo castigar com seu instrumento os pratos da bateria. Foi divertido!

Encerrando os trabalhos, Os Canalhas trouxeram bastante rock indie, punk e som inglês noventista para a festa. O trio vem de um histórico interessante do seu passado: foi uma banda muito ativa na década de noventa, que teve disco gravado na Suíça e que passou um bom tempo sem tocar com essa formação. Seus integrantes vêm atuando na cena com outros projetos ao longo dos anos e decidiram retomar as atividades juntos nessa edição do “QVoS?”.

Foi uma apresentação também empolgante, com os três se divertindo em cima do palco tocando bastante som autoral, mesclando faixas de seus dois cds lançados, e tocando alguns covers, sendo um deles Blitzkrieg Bop, do Ramones. Entre duas das canções foi citada brevemente pelo vocalista a história da banda, que caminhou para uma continuidade de sua apresentação com entrosamento e agradando muita gente que ainda estava no Irish Pub conferindo o som deles. A volta d’Os Canalhas ao cenário foi no mínimo muito interessante.


Terminado o som, era hora de trocar um pouco mais de ideia sobre a noite, com bons novos e velhos amigos, sobre o balanço da noite, confraternizando com os envolvidos no evento e com quem foi pura e simplesmente prestigiar as bandas. Histórias sobre discos, filmes e um momento piadista clássico nas ruas deram o tom na volta para casa. O tempo pode passar, mas tem coisa que não muda nunca e isso também é bom.


*Matéria originalmente publicada em 22/04/2016.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso