Pular para o conteúdo principal

Conectando ao vivo! Por Leo cima.


Mais uma noite de rock na capital baiana e mais uma vez o Portal Soterorock saiu de dentro de casa, e foi conferir um de tantos eventos desse gênero que aconteceram no último sábado por aqui. Dentre os vários sons na ativa em Salvador, o Pelourinho foi o destino escolhido para ver de perto o lançamento do mais recente EP da banda baiana Desrroche. Conecte é primeiro material inédito do grupo depois de três anos do seu single anterior.

A cidade até que estava cheia para um meio de feriado. A chegada ao Pelô constatou o descaso que o centro histórico tem passado nos últimos anos, com ruas largadas literalmente ao lixo, sem iluminação adequada, depredadas e sem policiamento. Beleza mesmo somente nos principais locais e, mesmo assim, com uma de suas conhecidas praças (Tereza Batista) totalmente inoperante neste dia. Mas a Pedro Arcanjo estava fervilhando. Cerca de uma hora antes do marcado para a apresentação começar, o lugar estava um pouco vazio, mas com som mecânico do dj da abertura já rolando e fazendo as pessoas se mexerem.

Enquanto o show não começava as pessoas socializavam, algumas colocando em dia o papo na esfera real e outras se reencontrando depois de muito tempo fora das redes sociais, sempre com uma boa cerveja gelada (nem sempre!) nas mãos. O novo cd da Desrroche foi entregue em mãos aos fãs e admiradores, com direito a foto com os integrantes do grupo. O tempo passava e o público ia aumentando, assim como o volume da música eletrônica no recinto. Essa foi tocada exaustivamente até poucos minutos antes da subida da banda ao palco e o juízo desse que vos escreve já estava massacrado de tantas batidas sonoras sintéticas. Uma banda de abertura em parte desse set teria caído bem.

Com boa parte do local cheio, o conjunto subiu ao palco para oficializar o lançamento do seu novo trabalho. Antes, a audiência gritava o nome do grupo e enquanto o vocalista Lex Pedra subia no palco, os ânimos aumentavam. Carregando carcaças de computadores, o frontman mandou bem o recado da relação quase que viciante do homem com a necessidade de estar conectado, seguido dos seus companheiros que o fez se desconectar para o mundo real. Com toda a sua misancene conhecida, a Desrroche a juntou com seu som pesado para uma performance impactante e empolgante. Começou com Conecte, faixa que abre o EP e que também faz muito bem abrindo os trabalhos ao vivo, trazendo consigo uma sequência muito boa de músicas mais pesadas e objetivas. Em Se Eu Morresse Amanhã, a apresentação entrou em um ritmo mais lento, atmosférico e sombrio, para chegar até a parceria constante com a Priscila Sodré e sua desenvoltura técnica com o tribal fusion. Adiante, com mais peso ainda e com formação de rodas de pogo, o quinteto apresentou a nova composição, Cristo de Vidro, que estará inclusa na coletânea dos Estúdios WR que está por vir, seguida de Mãe Terra e, por fim, Teocêntrica. A pedidos, um bis foi atendido repetindo a dose com a execução de Conecte.

Foi de fato uma apresentação de bastante presença de palco dos rapazes, juntando muito bem a imagem da banda ao seu som industrial com pitadas góticas, ofertando bons momentos para os presentes nessa ocasião. O comparecimento do público também foi importante para a festa e para o calor do ambiente, onde houve um diálogo interessante entre as partes ao longo do setlist. Terminado tudo, só restava pegar o caminho de volta e ouvir algumas histórias das ladeiras secretas de Salvador!

Fotos:


Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida