Pular para o conteúdo principal

Conectando ao vivo! Por Leo cima.


Mais uma noite de rock na capital baiana e mais uma vez o Portal Soterorock saiu de dentro de casa, e foi conferir um de tantos eventos desse gênero que aconteceram no último sábado por aqui. Dentre os vários sons na ativa em Salvador, o Pelourinho foi o destino escolhido para ver de perto o lançamento do mais recente EP da banda baiana Desrroche. Conecte é primeiro material inédito do grupo depois de três anos do seu single anterior.

A cidade até que estava cheia para um meio de feriado. A chegada ao Pelô constatou o descaso que o centro histórico tem passado nos últimos anos, com ruas largadas literalmente ao lixo, sem iluminação adequada, depredadas e sem policiamento. Beleza mesmo somente nos principais locais e, mesmo assim, com uma de suas conhecidas praças (Tereza Batista) totalmente inoperante neste dia. Mas a Pedro Arcanjo estava fervilhando. Cerca de uma hora antes do marcado para a apresentação começar, o lugar estava um pouco vazio, mas com som mecânico do dj da abertura já rolando e fazendo as pessoas se mexerem.

Enquanto o show não começava as pessoas socializavam, algumas colocando em dia o papo na esfera real e outras se reencontrando depois de muito tempo fora das redes sociais, sempre com uma boa cerveja gelada (nem sempre!) nas mãos. O novo cd da Desrroche foi entregue em mãos aos fãs e admiradores, com direito a foto com os integrantes do grupo. O tempo passava e o público ia aumentando, assim como o volume da música eletrônica no recinto. Essa foi tocada exaustivamente até poucos minutos antes da subida da banda ao palco e o juízo desse que vos escreve já estava massacrado de tantas batidas sonoras sintéticas. Uma banda de abertura em parte desse set teria caído bem.

Com boa parte do local cheio, o conjunto subiu ao palco para oficializar o lançamento do seu novo trabalho. Antes, a audiência gritava o nome do grupo e enquanto o vocalista Lex Pedra subia no palco, os ânimos aumentavam. Carregando carcaças de computadores, o frontman mandou bem o recado da relação quase que viciante do homem com a necessidade de estar conectado, seguido dos seus companheiros que o fez se desconectar para o mundo real. Com toda a sua misancene conhecida, a Desrroche a juntou com seu som pesado para uma performance impactante e empolgante. Começou com Conecte, faixa que abre o EP e que também faz muito bem abrindo os trabalhos ao vivo, trazendo consigo uma sequência muito boa de músicas mais pesadas e objetivas. Em Se Eu Morresse Amanhã, a apresentação entrou em um ritmo mais lento, atmosférico e sombrio, para chegar até a parceria constante com a Priscila Sodré e sua desenvoltura técnica com o tribal fusion. Adiante, com mais peso ainda e com formação de rodas de pogo, o quinteto apresentou a nova composição, Cristo de Vidro, que estará inclusa na coletânea dos Estúdios WR que está por vir, seguida de Mãe Terra e, por fim, Teocêntrica. A pedidos, um bis foi atendido repetindo a dose com a execução de Conecte.

Foi de fato uma apresentação de bastante presença de palco dos rapazes, juntando muito bem a imagem da banda ao seu som industrial com pitadas góticas, ofertando bons momentos para os presentes nessa ocasião. O comparecimento do público também foi importante para a festa e para o calor do ambiente, onde houve um diálogo interessante entre as partes ao longo do setlist. Terminado tudo, só restava pegar o caminho de volta e ouvir algumas histórias das ladeiras secretas de Salvador!

Fotos:


Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso