Pular para o conteúdo principal

Série “4 Discos de Rock Baiano”: La Fuga, Exercícios de Insubmissão, Décadas e Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes.


O Portal Soterorock estreia hoje mais uma série especialíssima sobre o rock da Bahia. Aqui no “4 Discos de Rock Baiano”, vamos fazer um verdadeiro resgate de pérolas do gênero surgidas na Bahia ao longo dos anos.  A cada postagem quatro trabalhos ganharão destaque, alguns recentes, outros mais antigos, de bandas ativas ou inativas, uns mais referenciais e tantos outros mais que foram esquecidos na poeira do tempo, e que muita gente não teve a oportunidade de conhecer. Essa também é uma maneira de trazer a tona a qualidade e a diversidade dos trabalhos dos artistas locais, mostrando o quanto o rock por aqui é forte, vivo, relevante e significativo. Para este start, trouxemos os trabalhos da Van der Vous, Aphorism, Theatro de Séraphin e Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes.

La Fuga – Van der Vous

Lançado em 2014 sob uma grande expectativa, o La Fuga surgiu envolto de uma sequência de bons shows que a banda realizou ao longo daquele ano. Misturando psicodelismo sessentista, grunge e muito virtuosismo, o trio deu à luz a um álbum corajoso e inspiradíssimo, transitando entre o pop e o experimentalismo em uma liberdade criativa sem fronteiras, e acertando a mão na assimilação de suas influências. Não houve um sucessor dele antes do hiato do grupo, mas ainda dá para embarcar na boa viagem dos rapazes. Os destaques vão para as faixas I Get High e Somehow.


Exercícios de Insubmissão – Aphorism

O segundo trabalho da Aphorism é um dos discos mais bem gravados já feitos por essas terras. O som encontrado no Exercícios de Insubmissão (2015) é agressivo e direto, como um bom death crust deve ser, além de ter ótimas passagens de sludge e heavy metal em suas faixas rápidas e muitas vezes sombrias. É bom frisar aqui a competência da banda em executar perfeitamente as faixas do cd nos seus shows, isso sem titubear um segundo sequer em seus respectivos instrumentos. É de encher os olhos e, principalmente, os ouvidos. Destaque para Morta Vida e Azedume.


Décadas – Theatro de Séraphin

Um dos melhores discos de 2016 levou mais de um ano para ser lançado depois do término de sua produção. Mas a espera valeu a pena, pois os veteranos da Theatro de Seraphin fez um belíssimo trabalho, com toda a sua influência de rock britânico e com uma melancolia madura que só o tempo pode formar em uma banda. As imagens visuais pintadas pelo quinteto nos sons de Décadas, juntamente aos seus textos reflexivos e algumas vezes angustiantes, levam o ouvinte a lugares diferentes e confortáveis em apertar o botão do repeat no cd player. Há aqui uma sonoridade requintada e cuidadosa, digna de quem sabe o que está fazendo. Fica uma atenção especial para Às Vésperas e O Futuro Foi Ontem.


Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes – Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes

Depois de longos anos tocando em diversas bandas locais, os irmãos Thiago Jende e Jamil Jende, na Lavagem do Bonfim, decidiram fundar a BVEAODE somente com eles dois em sua formação. Em 2014 o EP homônimo de estreia do duo foi lançado com ótima repercussão e com uma sonoridade pomposa. São somente duas pessoas aqui, mas não se engane: o som é volumoso, pesado, com elementos de blues, stoner e rock setentista, com o baterista assumindo os vocais e o guitarrista mandando bem nos riffs. Tudo isso em uma atmosfera de estrada de barro seco e chão pisado. Ouvidos atentos nas faixas Mulher Kriptonita e Olhos Virados.


Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...