Pular para o conteúdo principal

Série “4 Discos de Rock Baiano”: La Fuga, Exercícios de Insubmissão, Décadas e Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes.


O Portal Soterorock estreia hoje mais uma série especialíssima sobre o rock da Bahia. Aqui no “4 Discos de Rock Baiano”, vamos fazer um verdadeiro resgate de pérolas do gênero surgidas na Bahia ao longo dos anos.  A cada postagem quatro trabalhos ganharão destaque, alguns recentes, outros mais antigos, de bandas ativas ou inativas, uns mais referenciais e tantos outros mais que foram esquecidos na poeira do tempo, e que muita gente não teve a oportunidade de conhecer. Essa também é uma maneira de trazer a tona a qualidade e a diversidade dos trabalhos dos artistas locais, mostrando o quanto o rock por aqui é forte, vivo, relevante e significativo. Para este start, trouxemos os trabalhos da Van der Vous, Aphorism, Theatro de Séraphin e Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes.

La Fuga – Van der Vous

Lançado em 2014 sob uma grande expectativa, o La Fuga surgiu envolto de uma sequência de bons shows que a banda realizou ao longo daquele ano. Misturando psicodelismo sessentista, grunge e muito virtuosismo, o trio deu à luz a um álbum corajoso e inspiradíssimo, transitando entre o pop e o experimentalismo em uma liberdade criativa sem fronteiras, e acertando a mão na assimilação de suas influências. Não houve um sucessor dele antes do hiato do grupo, mas ainda dá para embarcar na boa viagem dos rapazes. Os destaques vão para as faixas I Get High e Somehow.


Exercícios de Insubmissão – Aphorism

O segundo trabalho da Aphorism é um dos discos mais bem gravados já feitos por essas terras. O som encontrado no Exercícios de Insubmissão (2015) é agressivo e direto, como um bom death crust deve ser, além de ter ótimas passagens de sludge e heavy metal em suas faixas rápidas e muitas vezes sombrias. É bom frisar aqui a competência da banda em executar perfeitamente as faixas do cd nos seus shows, isso sem titubear um segundo sequer em seus respectivos instrumentos. É de encher os olhos e, principalmente, os ouvidos. Destaque para Morta Vida e Azedume.


Décadas – Theatro de Séraphin

Um dos melhores discos de 2016 levou mais de um ano para ser lançado depois do término de sua produção. Mas a espera valeu a pena, pois os veteranos da Theatro de Seraphin fez um belíssimo trabalho, com toda a sua influência de rock britânico e com uma melancolia madura que só o tempo pode formar em uma banda. As imagens visuais pintadas pelo quinteto nos sons de Décadas, juntamente aos seus textos reflexivos e algumas vezes angustiantes, levam o ouvinte a lugares diferentes e confortáveis em apertar o botão do repeat no cd player. Há aqui uma sonoridade requintada e cuidadosa, digna de quem sabe o que está fazendo. Fica uma atenção especial para Às Vésperas e O Futuro Foi Ontem.


Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes – Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes

Depois de longos anos tocando em diversas bandas locais, os irmãos Thiago Jende e Jamil Jende, na Lavagem do Bonfim, decidiram fundar a BVEAODE somente com eles dois em sua formação. Em 2014 o EP homônimo de estreia do duo foi lançado com ótima repercussão e com uma sonoridade pomposa. São somente duas pessoas aqui, mas não se engane: o som é volumoso, pesado, com elementos de blues, stoner e rock setentista, com o baterista assumindo os vocais e o guitarrista mandando bem nos riffs. Tudo isso em uma atmosfera de estrada de barro seco e chão pisado. Ouvidos atentos nas faixas Mulher Kriptonita e Olhos Virados.


Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…