Pular para o conteúdo principal

Série “4 Discos de Rock Baiano”: La Fuga, Exercícios de Insubmissão, Décadas e Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes.


O Portal Soterorock estreia hoje mais uma série especialíssima sobre o rock da Bahia. Aqui no “4 Discos de Rock Baiano”, vamos fazer um verdadeiro resgate de pérolas do gênero surgidas na Bahia ao longo dos anos.  A cada postagem quatro trabalhos ganharão destaque, alguns recentes, outros mais antigos, de bandas ativas ou inativas, uns mais referenciais e tantos outros mais que foram esquecidos na poeira do tempo, e que muita gente não teve a oportunidade de conhecer. Essa também é uma maneira de trazer a tona a qualidade e a diversidade dos trabalhos dos artistas locais, mostrando o quanto o rock por aqui é forte, vivo, relevante e significativo. Para este start, trouxemos os trabalhos da Van der Vous, Aphorism, Theatro de Séraphin e Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes.

La Fuga – Van der Vous

Lançado em 2014 sob uma grande expectativa, o La Fuga surgiu envolto de uma sequência de bons shows que a banda realizou ao longo daquele ano. Misturando psicodelismo sessentista, grunge e muito virtuosismo, o trio deu à luz a um álbum corajoso e inspiradíssimo, transitando entre o pop e o experimentalismo em uma liberdade criativa sem fronteiras, e acertando a mão na assimilação de suas influências. Não houve um sucessor dele antes do hiato do grupo, mas ainda dá para embarcar na boa viagem dos rapazes. Os destaques vão para as faixas I Get High e Somehow.


Exercícios de Insubmissão – Aphorism

O segundo trabalho da Aphorism é um dos discos mais bem gravados já feitos por essas terras. O som encontrado no Exercícios de Insubmissão (2015) é agressivo e direto, como um bom death crust deve ser, além de ter ótimas passagens de sludge e heavy metal em suas faixas rápidas e muitas vezes sombrias. É bom frisar aqui a competência da banda em executar perfeitamente as faixas do cd nos seus shows, isso sem titubear um segundo sequer em seus respectivos instrumentos. É de encher os olhos e, principalmente, os ouvidos. Destaque para Morta Vida e Azedume.


Décadas – Theatro de Séraphin

Um dos melhores discos de 2016 levou mais de um ano para ser lançado depois do término de sua produção. Mas a espera valeu a pena, pois os veteranos da Theatro de Seraphin fez um belíssimo trabalho, com toda a sua influência de rock britânico e com uma melancolia madura que só o tempo pode formar em uma banda. As imagens visuais pintadas pelo quinteto nos sons de Décadas, juntamente aos seus textos reflexivos e algumas vezes angustiantes, levam o ouvinte a lugares diferentes e confortáveis em apertar o botão do repeat no cd player. Há aqui uma sonoridade requintada e cuidadosa, digna de quem sabe o que está fazendo. Fica uma atenção especial para Às Vésperas e O Futuro Foi Ontem.


Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes – Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes

Depois de longos anos tocando em diversas bandas locais, os irmãos Thiago Jende e Jamil Jende, na Lavagem do Bonfim, decidiram fundar a BVEAODE somente com eles dois em sua formação. Em 2014 o EP homônimo de estreia do duo foi lançado com ótima repercussão e com uma sonoridade pomposa. São somente duas pessoas aqui, mas não se engane: o som é volumoso, pesado, com elementos de blues, stoner e rock setentista, com o baterista assumindo os vocais e o guitarrista mandando bem nos riffs. Tudo isso em uma atmosfera de estrada de barro seco e chão pisado. Ouvidos atentos nas faixas Mulher Kriptonita e Olhos Virados.


Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso