Pular para o conteúdo principal

O apocalipse já aconteceu! Por Leo Cima.


Caos, imersão obsessiva no mundo virtual, catástrofes naturais, fatos que questionam a religiosidade e cultura de massa para manter o povo inerte. Esses são alguns dos pontos principais abordados neste novo trabalho da Desrroche, Conecte 1969, o primeiro desde 2014, quando lançou o single Nova Canção. Temas pertinentes envoltos em um ambiente musical com muita guitarra, baixo e bateria volumosos, sintetizadores e performances vocais marcantes.

O quinteto dá continuidade a sua carreira se mantendo fiel a sua estética visual, a mesclando bem com a sua música em um EP com cinco faixas, lançado há um pouco mais de um mês. Algumas delas já bem conhecidas do seu público fiel, mas muito bem registradas e dentro de um ótimo som. Há aqui uma proposta musical de muito peso oferecida aos seus ouvintes mais antigos e aos recém iniciados na sua discografia.

O EP abre da maneira como se deve abrir um disco, com uma música que não se encaixaria em outra parte dele. Conecte tem o peso ideal que empolga o ouvinte, algo que também se percebe nos shows da banda. Sons de internet discada ao fundo das guitarras pesadas e uma cozinha impactante dão o norte do que vem pela frente, e ainda traz na sua letra versos pertinentes da esfera virtual: “Alguém me lê?/Alguém me ouve?”. Teocêntrica surge mais arrastada, porém não menos pesada. Com um teclado ganhando mais destaque na faixa, aqui o grupo questiona a crença religiosa diante de tantas catástrofes e atrocidades ocorridas pelo mundo. A boa interpretação do Lex Pedra juntamente com backing vocals orientais e um ótimo solo de guitarra, dão mais dramaticidade a composição. 9 Polegadas segue com a mesma pegada, só que mais sombria, em música e texto, onde é narrada sensações claustrofóbicas de dentro de uma caixa a “sete palmos da encruzilhada”. Ela explode em alguns momentos e de maneira mais empolgante na sua sequência final.

Em Mãe Terra, o peso vibrante da banda retorna com uma boa mescla de vozes noticiando o desastre ecológico em Mariana e sirenes. A velocidade impressa nessa canção cai bem com seus riffs, mais um ótimo solo de guitarra e um refrão grudento. Nela a letra da canção versa sobre o quanto o homem tem acabado com o ecossistema do planeta e o quanto a natureza tem cobrado de volta esses maus tratos. O fade out nela encerrou bem esse registro. Fechando o EP, Nova Canção, originalmente lançada como um single em 2014, se mostra bastante atual em termos de sonoridade em relação as demais. O tema encontrado no seu texto ainda é bastante relevante, onde se coloca em questão as novas tendências musicais, religiosas e de diversões, onde se levam a mais uma alienação, que são empurradas a qualquer maneira para as pessoas, sufocando qualquer possibilidade delas de questionar se querem, ou não, consumir isto. O seu som pesado, com interlúdio com um pé no psicodelismo, para chegar em uma parte mais veloz, empolga bastante nos seus segundo finais.


Em Conecte 1969, a Desrroche se saiu bem na escolha da sonoridade utilizada para a sua música nesta obra. O seu som gótico e industrial possui grandes trunfos em seus arranjos e suas letras fazem refletir sobre o que é abordado nelas. É bem provável que o apocalipse já tenha acontecido e você não se deu conta isso! As músicas pesadas têm uma boa proximidade com as suas versões ao vivo, da mesma maneira em que você vê o quinteto e todo o seu aparato visual no palco, não fica difícil pensar em todo o seu conceito artístico enquanto se escuta esse disco. É um bom trabalho que dialoga bem consigo mesmo e com o mundo ao seu redor.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Como na profundidade do cosmo. Por Leonardo cima.

Bem no começo desse ano, em janeiro, antes de toda essa agonia que nos encontramos, de pandemia e quarentena, a banda soteropolitana Vernal lançou o seu mais recente trabalho, Epicteto. Essa ressalva inicial do período desse lançamento se faz presente pelo fato de trazer uma recordação recente, de se botar na praça algo novo e poder circular livremente por aí pelas gigs e se esbarrar com os seus autores em um palco tocando as suas canções. Digo isso de maneira geral, até. As produções da cena continuaram e continuam em meio a quarentena, mas esse sabor de presenciar as coisas de perto já começa a pesar, de certa maneira, e visitar esse disco da Vernal também é visitar esse período de cerca de dois meses e meio, ou três (quase!), de liberdade sem restrições que ainda gozávamos. Olhando mais para dentro desse momento, o trio estava vivendo uma boa projeção na cena, com boa frequência de shows e aparição em canais de comunicação alternativa, alguns deles em seus passos iniciai

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,