Pular para o conteúdo principal

O apocalipse já aconteceu! Por Leo Cima.


Caos, imersão obsessiva no mundo virtual, catástrofes naturais, fatos que questionam a religiosidade e cultura de massa para manter o povo inerte. Esses são alguns dos pontos principais abordados neste novo trabalho da Desrroche, Conecte 1969, o primeiro desde 2014, quando lançou o single Nova Canção. Temas pertinentes envoltos em um ambiente musical com muita guitarra, baixo e bateria volumosos, sintetizadores e performances vocais marcantes.

O quinteto dá continuidade a sua carreira se mantendo fiel a sua estética visual, a mesclando bem com a sua música em um EP com cinco faixas, lançado há um pouco mais de um mês. Algumas delas já bem conhecidas do seu público fiel, mas muito bem registradas e dentro de um ótimo som. Há aqui uma proposta musical de muito peso oferecida aos seus ouvintes mais antigos e aos recém iniciados na sua discografia.

O EP abre da maneira como se deve abrir um disco, com uma música que não se encaixaria em outra parte dele. Conecte tem o peso ideal que empolga o ouvinte, algo que também se percebe nos shows da banda. Sons de internet discada ao fundo das guitarras pesadas e uma cozinha impactante dão o norte do que vem pela frente, e ainda traz na sua letra versos pertinentes da esfera virtual: “Alguém me lê?/Alguém me ouve?”. Teocêntrica surge mais arrastada, porém não menos pesada. Com um teclado ganhando mais destaque na faixa, aqui o grupo questiona a crença religiosa diante de tantas catástrofes e atrocidades ocorridas pelo mundo. A boa interpretação do Lex Pedra juntamente com backing vocals orientais e um ótimo solo de guitarra, dão mais dramaticidade a composição. 9 Polegadas segue com a mesma pegada, só que mais sombria, em música e texto, onde é narrada sensações claustrofóbicas de dentro de uma caixa a “sete palmos da encruzilhada”. Ela explode em alguns momentos e de maneira mais empolgante na sua sequência final.

Em Mãe Terra, o peso vibrante da banda retorna com uma boa mescla de vozes noticiando o desastre ecológico em Mariana e sirenes. A velocidade impressa nessa canção cai bem com seus riffs, mais um ótimo solo de guitarra e um refrão grudento. Nela a letra da canção versa sobre o quanto o homem tem acabado com o ecossistema do planeta e o quanto a natureza tem cobrado de volta esses maus tratos. O fade out nela encerrou bem esse registro. Fechando o EP, Nova Canção, originalmente lançada como um single em 2014, se mostra bastante atual em termos de sonoridade em relação as demais. O tema encontrado no seu texto ainda é bastante relevante, onde se coloca em questão as novas tendências musicais, religiosas e de diversões, onde se levam a mais uma alienação, que são empurradas a qualquer maneira para as pessoas, sufocando qualquer possibilidade delas de questionar se querem, ou não, consumir isto. O seu som pesado, com interlúdio com um pé no psicodelismo, para chegar em uma parte mais veloz, empolga bastante nos seus segundo finais.


Em Conecte 1969, a Desrroche se saiu bem na escolha da sonoridade utilizada para a sua música nesta obra. O seu som gótico e industrial possui grandes trunfos em seus arranjos e suas letras fazem refletir sobre o que é abordado nelas. É bem provável que o apocalipse já tenha acontecido e você não se deu conta isso! As músicas pesadas têm uma boa proximidade com as suas versões ao vivo, da mesma maneira em que você vê o quinteto e todo o seu aparato visual no palco, não fica difícil pensar em todo o seu conceito artístico enquanto se escuta esse disco. É um bom trabalho que dialoga bem consigo mesmo e com o mundo ao seu redor.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…