Pular para o conteúdo principal

O apocalipse já aconteceu! Por Leo Cima.


Caos, imersão obsessiva no mundo virtual, catástrofes naturais, fatos que questionam a religiosidade e cultura de massa para manter o povo inerte. Esses são alguns dos pontos principais abordados neste novo trabalho da Desrroche, Conecte 1969, o primeiro desde 2014, quando lançou o single Nova Canção. Temas pertinentes envoltos em um ambiente musical com muita guitarra, baixo e bateria volumosos, sintetizadores e performances vocais marcantes.

O quinteto dá continuidade a sua carreira se mantendo fiel a sua estética visual, a mesclando bem com a sua música em um EP com cinco faixas, lançado há um pouco mais de um mês. Algumas delas já bem conhecidas do seu público fiel, mas muito bem registradas e dentro de um ótimo som. Há aqui uma proposta musical de muito peso oferecida aos seus ouvintes mais antigos e aos recém iniciados na sua discografia.

O EP abre da maneira como se deve abrir um disco, com uma música que não se encaixaria em outra parte dele. Conecte tem o peso ideal que empolga o ouvinte, algo que também se percebe nos shows da banda. Sons de internet discada ao fundo das guitarras pesadas e uma cozinha impactante dão o norte do que vem pela frente, e ainda traz na sua letra versos pertinentes da esfera virtual: “Alguém me lê?/Alguém me ouve?”. Teocêntrica surge mais arrastada, porém não menos pesada. Com um teclado ganhando mais destaque na faixa, aqui o grupo questiona a crença religiosa diante de tantas catástrofes e atrocidades ocorridas pelo mundo. A boa interpretação do Lex Pedra juntamente com backing vocals orientais e um ótimo solo de guitarra, dão mais dramaticidade a composição. 9 Polegadas segue com a mesma pegada, só que mais sombria, em música e texto, onde é narrada sensações claustrofóbicas de dentro de uma caixa a “sete palmos da encruzilhada”. Ela explode em alguns momentos e de maneira mais empolgante na sua sequência final.

Em Mãe Terra, o peso vibrante da banda retorna com uma boa mescla de vozes noticiando o desastre ecológico em Mariana e sirenes. A velocidade impressa nessa canção cai bem com seus riffs, mais um ótimo solo de guitarra e um refrão grudento. Nela a letra da canção versa sobre o quanto o homem tem acabado com o ecossistema do planeta e o quanto a natureza tem cobrado de volta esses maus tratos. O fade out nela encerrou bem esse registro. Fechando o EP, Nova Canção, originalmente lançada como um single em 2014, se mostra bastante atual em termos de sonoridade em relação as demais. O tema encontrado no seu texto ainda é bastante relevante, onde se coloca em questão as novas tendências musicais, religiosas e de diversões, onde se levam a mais uma alienação, que são empurradas a qualquer maneira para as pessoas, sufocando qualquer possibilidade delas de questionar se querem, ou não, consumir isto. O seu som pesado, com interlúdio com um pé no psicodelismo, para chegar em uma parte mais veloz, empolga bastante nos seus segundo finais.


Em Conecte 1969, a Desrroche se saiu bem na escolha da sonoridade utilizada para a sua música nesta obra. O seu som gótico e industrial possui grandes trunfos em seus arranjos e suas letras fazem refletir sobre o que é abordado nelas. É bem provável que o apocalipse já tenha acontecido e você não se deu conta isso! As músicas pesadas têm uma boa proximidade com as suas versões ao vivo, da mesma maneira em que você vê o quinteto e todo o seu aparato visual no palco, não fica difícil pensar em todo o seu conceito artístico enquanto se escuta esse disco. É um bom trabalho que dialoga bem consigo mesmo e com o mundo ao seu redor.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...