Pular para o conteúdo principal

Rock, sci-fi, quadrinho e futurismo. Por Leo Cima.


Quando você acha que não vai ver mais alguma maneira diferente de expandir o alcance de um disco, eis que uma banda da cidade de Paulo Afonso surge com uma proposta diferente de plataforma de divulgação da sua música: uma história em quadrinhos. Nesta sexta feira (12/05), o grupo Órbita Móbile lança, em seu site www.orbitamobile.rocks, a graphic novel Jan & Jim Sonho Robô – Crônicas de Forquilha Town, sendo essa inspirada no disco de estreia do quarteto.

Possuindo formato digital e impresso (que será distribuído gratuitamente nas escolas, bibliotecas e ONGs do território de Itaparica, na região Norte da Bahia), com o argumento de Augusto Kuarupp (vocalista) e ilustrações do artista Mauro Caparroz, a HQ traz as aventuras de Jan e Jin em um futuro distópico na cidade de Forquilha Town. Na história, ambos encontram um algoritmo de inteligência artificial que estimula as sinapses para simular sonhos, isso dentro de um mundo em que as pessoas não conseguem mais sonhar. Um bom clima de ficção científica para um disco de atmosfera sci-fi.

O Sonho Robô tem essa vibração em suas composições e isso fica bem claro logo em sua primeira música, Embalado à Vácuo, possuindo sintetizadores em bastante evidência, um discreto órgão panorâmico passeando de um ouvido ao outro, texturas sintéticas de guitarra e uma influência forte de mangue beat. Em O que Mais uma guitarra mais groovada chama o conjunto de metais que tem uma presença significativa nessa canção com bons arranjos, assim como na boa colocação das backing vocais femininas no refrão da letra, onde o autor procura saber o que mais o outro alguém vai querer dele. A faixa título se inicia com um momento mais psicodélico dentro da obra, se aprofundando ainda mais no seu conceito com arranjos vocais interessantes, com e sem efeitos, para depois crescer em uma velocidade futurista e frenética até o seu final.

O Sorriso da Lua Minguante é bela e misteriosa, levada por guitarra e flauta calmas e com uma programação ao seu fundo, que mantém a sua paisagem flutuante intacta, preparando o caminho para A Balada do Abalado. Esta possui um pouco do clima da sua antecessora e traz de volta o lado mais aceso da obra, como uma mescla de tudo o que Sonho Robô possui. Encerrando o disco, Rota do Tempo surge com uma levada mais empolgante cheia de velocidade e momentos de ápices explosivos, como se estivesse dentro de uma sequencia final de uma história prestes a se resolver.


Esse trabalho de estreia da Órbita Móbile tem um ótimo resultado em sua sonoridade, onde as texturas encontradas aqui foram bem escolhidas pela banda, que soube dosar essas investidas de maneira que não ficassem demasiadas. De fato, o clima futurista permeia o Sonho Robô na sua música e em seu texto, com ótimos instantes de sopros e vozes, com guitarras, sintetizadores e as programações fazendo a liga por entre as faixas. O seu conceito foi bem amarrado e prepara bem o ouvinte para o que ele vai ler na graphic novel que vai chegar.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida