Pular para o conteúdo principal

Série “4 Discos de Rock Baiano” – Game Over Riverside, Marte, ExoSessions e Ronco.


Mais uma sexta e com ela a quarta postagem da nossa série que destaca obras importantes do rock feito no estado da Bahia. Indo até um passado não muito distante, nesta ocasião trazemos a tona discos com bom impacto no cenário local, cada um com uma marca distinta além da sua música. Entre estes quatro há celebração de retorno às atividades, um amadurecimento de maneira genial, uma obra percussora e uma estreia impactante. Conheça os trabalhos da Game Over Riverside, Declinium, ExoEsqueleto e Ronco.

Game Over Riverside – Game Over Riverside

Depois de um hiato de oito anos parados, a Game Over Riverside marcou o seu retorno com o lançamento do seu primeiro EP no ano de 2016, com seis faixas do seu repertório original. Nesse seu debut, o agora quinteto se manteve fiel à sonoridade das suas composições, ao mesmo tempo em que ambas soam bastante atuais. Do indie ao grunge, passando pelo psicodelismo, o grupo fez da sua estreia um registro de canções explosivas em diversos momentos e velozes em outros. Isso se aplica também ao conteúdo das suas letras, que continuam bastante pertinentes nos dias atuais. Música atemporal não envelhece! Destaques para Little Marchioness e Sadness Online.


Marte – Declinium

Esta talvez seja a obra prima dos camaçarienses da Declinium. Uma verdadeira entrega sincera de sentimentos nas suas musicas ao longo deste EP, atesta esse fato no mais recente trabalho dos veteranos do rock da Bahia. Marte (2014) representa o amadurecimento do som da banda, que traz consigo fortes influências de sons britânicos e com uma veia melancólica muito bem inserida na estrutura das suas composições, entregando uma face belíssima desse sentimento para quem as escuta! Com textos escritos com maestria sobre a perda, a falta e o vazio, as canções se tornaram hinos cantados em uníssono ao longo desses anos em seus shows. Dizer o que se sente faz bem! Se você não conseguir, pode apertar o play em A Espera e em Marte.


ExoSessions – ExoEsqueleto

Há quatro anos, a ExoEsqueleto, mesmo que discretamente,  já apontava uma direção e mistura musical muito utilizada por bastante grupos hoje em dia. Em ExoSessions (2013), a banda, antes de muita gente, se antecipou a tendência de mesclar sons regionais baianos com o rock, de maneira original e sem que soasse datada e pretenciosa. A espontaneidade encontrada neste disco marca o início da formação da forte identidade do conjunto, isso em meio a presença do histórico musical de cada um de seus integrantes. Os temas abordados tratam sobre o cotidiano, mas há bastante da Bahia nos versos cantados no cd. Ser visionário é importante e é uma virtude. Destaques para Visceral e Desconforto.


Ronco – Ronco

Em seu trabalho homônimo de 2015, a Ronco trouxe o seu blues rock, e stoner em um EP de sonoridade volumosa e recheado por um paraíso de fuzz. Com muito peso, ótimas texturas, efeitos, solos e soluções inteligentes para os arranjos de suas composições, a Ronco faz um som acessível e sem restrições, mostrando um bom entrosamento entre os componentes. Além da música, a obra possui temática, com as letras girando em torno do ponto de vista de um personagem sobre uma persona feminina em suas faces diferentes. As referências de rock clássico setentista do trio reforça todo o conceito dessa estreia. Groove pesado para os ouvidos! Escute Cidade dos Sonhos e A Suicida.


Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso