Pular para o conteúdo principal

Série “4 Discos de Rock Baiano” – Game Over Riverside, Marte, ExoSessions e Ronco.


Mais uma sexta e com ela a quarta postagem da nossa série que destaca obras importantes do rock feito no estado da Bahia. Indo até um passado não muito distante, nesta ocasião trazemos a tona discos com bom impacto no cenário local, cada um com uma marca distinta além da sua música. Entre estes quatro há celebração de retorno às atividades, um amadurecimento de maneira genial, uma obra percussora e uma estreia impactante. Conheça os trabalhos da Game Over Riverside, Declinium, ExoEsqueleto e Ronco.

Game Over Riverside – Game Over Riverside

Depois de um hiato de oito anos parados, a Game Over Riverside marcou o seu retorno com o lançamento do seu primeiro EP no ano de 2016, com seis faixas do seu repertório original. Nesse seu debut, o agora quinteto se manteve fiel à sonoridade das suas composições, ao mesmo tempo em que ambas soam bastante atuais. Do indie ao grunge, passando pelo psicodelismo, o grupo fez da sua estreia um registro de canções explosivas em diversos momentos e velozes em outros. Isso se aplica também ao conteúdo das suas letras, que continuam bastante pertinentes nos dias atuais. Música atemporal não envelhece! Destaques para Little Marchioness e Sadness Online.


Marte – Declinium

Esta talvez seja a obra prima dos camaçarienses da Declinium. Uma verdadeira entrega sincera de sentimentos nas suas musicas ao longo deste EP, atesta esse fato no mais recente trabalho dos veteranos do rock da Bahia. Marte (2014) representa o amadurecimento do som da banda, que traz consigo fortes influências de sons britânicos e com uma veia melancólica muito bem inserida na estrutura das suas composições, entregando uma face belíssima desse sentimento para quem as escuta! Com textos escritos com maestria sobre a perda, a falta e o vazio, as canções se tornaram hinos cantados em uníssono ao longo desses anos em seus shows. Dizer o que se sente faz bem! Se você não conseguir, pode apertar o play em A Espera e em Marte.


ExoSessions – ExoEsqueleto

Há quatro anos, a ExoEsqueleto, mesmo que discretamente,  já apontava uma direção e mistura musical muito utilizada por bastante grupos hoje em dia. Em ExoSessions (2013), a banda, antes de muita gente, se antecipou a tendência de mesclar sons regionais baianos com o rock, de maneira original e sem que soasse datada e pretenciosa. A espontaneidade encontrada neste disco marca o início da formação da forte identidade do conjunto, isso em meio a presença do histórico musical de cada um de seus integrantes. Os temas abordados tratam sobre o cotidiano, mas há bastante da Bahia nos versos cantados no cd. Ser visionário é importante e é uma virtude. Destaques para Visceral e Desconforto.


Ronco – Ronco

Em seu trabalho homônimo de 2015, a Ronco trouxe o seu blues rock, e stoner em um EP de sonoridade volumosa e recheado por um paraíso de fuzz. Com muito peso, ótimas texturas, efeitos, solos e soluções inteligentes para os arranjos de suas composições, a Ronco faz um som acessível e sem restrições, mostrando um bom entrosamento entre os componentes. Além da música, a obra possui temática, com as letras girando em torno do ponto de vista de um personagem sobre uma persona feminina em suas faces diferentes. As referências de rock clássico setentista do trio reforça todo o conceito dessa estreia. Groove pesado para os ouvidos! Escute Cidade dos Sonhos e A Suicida.


Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida