Pular para o conteúdo principal

Série “4 discos de Rock Baiano”: Quintais Abertos, Aquele que Superou o Fim dos Tempos, Azul Profundo e O Pensamento é um Imã.


Mais uma sexta feira e mais uma postagem da nossa série especial, sempre trazendo quatro discos históricos do cenário roqueiro baiano. Neste momento, os sons dessas obras passam do stoner ao indie, sem deixar de lado o blues e o new rock. Cada um a sua maneira, os trabalhos da Novelta, Weise, Reverendo T e os Discípulos Descrentes e Vivendo do Ócio são os destaques desta edição.

Quintais Abertos – Novelta

Lançado em 2015, o trabalho de estréia dos feirenses da Novelta foi antecedido por um bom trabalho de divulgação e a expectativa pelo som do quarteto foi crescendo até o dia do seu lançamento. E não houve desapontamento! Com seis faixas, Quintais Abertos é uma boa investida dentro de um stoner rock feito com personalidade, possuindo bons arranjos, se arriscando bem em temas longos e uma sonoridade de qualidade. Ter bebido na fonte do deserto de Joshua Tree fez bem ao quarteto, que colheu bons frutos com a sua música. A paisagem da região de origem do grupo é bem pintada musicalmente aqui.  É ouvir para ver. Escute Santa Poeira e Ancorado.


Aquele que Superou ao Fim dos Tempos – Weise

Esse disco é uma das pérolas mais preciosas já feitas no rock da Bahia e não pode ser esquecido de maneira alguma. Lançado no final de 2013, o segundo cd do grupo é recheado de ótimas composições tortas e descompromissadas, com ecos de Pavement em seu DNA e influenciadas por um indie que vale a pena ser escutado. Mas tem muito mais nele! Conseguir misturar punk, valsa e psicodelismo em uma mesma faixa não é uma das tarefas mais fáceis, e amarrar uma abordagem mais conceitual com as quatro ultimas canções, dentro da mesma obra, mais ainda. Há ótimos brilhos de guitarra e bateria registrados nesse último trabalho da Weise. Destaques para Morpheu Menino e Desde o Cordão.


Azul Profundo – Reverendo T e os Discípulos Descrentes

Um dos ótimos trabalhos do incansável Reverendo T e os Discípulos Descrentes, também conhecido como Tony Lopes. Desta vez, soando mais orgânico e com o blues ganhando destaque nas composições. Em Azul Profundo (2014), a voz sussurrada, característica do compositor, ficou mais do que interessante acompanhada apenas por uma guitarra distorcida em vários momentos do EP e pela bateria em passagens pontuais. Cantando os versos existenciais e provocativos de suas letras, o Reverendo T ainda trouxe a tona a face diversa dos seus convidados especiais, o baterista Wilson Santana (PDM) e o guitarrista Felipe Britto. Mergulhar no azul é crer! Ouça mais de uma vez Peça Por Mim e Contra Moinhos de Vento.


O Pensamento é um Imã – Vivendo do Ócio

Nesse seu terceiro trabalho, a Vivendo do Ócio conseguiu levar definitivamente o clima quente e vibrante das suas apresentações ao vivo para dentro do estúdio. Em O Pensamento é um Imã (2012), as composições do quarteto estão mais amadurecidas e o cotidiano dos rapazes surgem com naturalidade nas suas letras, assim como a Bahia, que é lembrada em vários trechos do disco. Direto e objetivo, com uma velocidade características das bandas britânicas de new rock da primeira década dos anos 2000, o grupo se firma no cenário nacional e aponta o caminho do seu sucessor sem receio algum. Destaque para Radioatividade e Preciso me Recuperar.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…