Pular para o conteúdo principal

Série “4 Discos de Rock Baiano”: Rivermann, Wombs in Rage, Peleja e Todas as Cores.


Dando continuidade a série “4 Discos de Rock Baiano” daqui do Portal Soterorock, trazemos mais uma vez registros fonográficos bem distintos entre si, com obras recentes e também com peso histórico significativo para acena local. Aqui, há o bom dialogo com suas respectivas épocas e a qualidade das gravações é o elemento que atravessa os anos, e dá a liga entre bandas/artista. O indie, o groove, o stoner e o folk muito bem representados aqui na Bahia. Neste momento, destacamos os trabalhos das bandas Rivermann, Úteros em Fúria, 32 Dentes e André L. R. Mendes.

Rivermann – Rivermann

Com um som influenciado por grupos norte americanos de guitar bands garageiras da década de 1990, mesclado ao rock inglês dos anos oitenta, o quarteto camaçariense Rivermann lançou o seu homônimo trabalho de estreia em 2013. As guitarras distorcidas deste EP de cinco faixas possuem uma certa melancolia que abrilhanta os acordes das canções, guardadas por uma cozinha firme e segura. As suas letras, que tratam do cotidiano, são abordadas de maneira reflexiva e poética em meio ao noise feito na medida para uma audição extremamente acessível! Escute Radiante e Despedaçando Medos.


Wombs in Rage – Úteros em Fúria

Um dos pilares do rock na Bahia, essa obra é um marco do gênero por aqui. Isso não só pelo seu registro, mas também por tudo o que envolveu a banda naquele período, como as suas famosas apresentações e por ter inaugurado uma nova fase no cenário roqueiro local, chamando a atenção das pessoas no início dos anos noventa e influenciando o surgimento de outros grupos. O Wombs in Rage (1993) é uma ótima síntese musical de seu tempo, contendo guitarras groovadas e ótimos solos, com uma influência de classic rock setentista repaginada e bem característica da época, vocal forte cantado em inglês, e baixo e bateria dialogando certo. Há ecos deste trabalho do quinteto reverberando até hoje por aqui! Drop the needle in Be Bigger and Birds.


Peleja – 32 Dentes

Rápido e rasteiro! É assim o EP Peleja (2016) do trio feirense 32 Dentes. A estreia dos rapazes foi marcada por ser cheia de vontade e velocidade, chamando a atenção para uma linguagem diferenciada e também original dessa nova geração de bandas surgidas no interior da Bahia. A obra tem bastante energia e é repleta de bons riffs, que transitam entre o stoner e o hard rock em suas composições. Isso tudo “compactado” em três faixas! No seu texto, o cotidiano se faz bem presente nos seus versos sem filtros! Destaques para Nada Além do Orgulho e Dolores.


Todas as Cores – André L. R. Mendes

Este é o sexto álbum da carreira solo do cantor e compositor André L. R. Mendes. Aqui é elucidada a maneira mais bem aperfeiçoada de como ele utiliza cada vez melhor os recursos que possui para ter gravado boa parte da sua discografia. O violão, um pouco de guitarra, programações e efeitos do seu ipad ajudam-no a dar forma a sua arte. Responsável por todo o processo (criação, execução e finalização) e de maneira independente, o músico alcança um ótimo nível de amadurecimento em sua composição, que veio sendo aperfeiçoada ao longo dos anos até chegar em Todas as Cores (2016). Este disco é uma ótima visão sobre o artista, sobre o ambiente a sua volta e a sua música. Destaques para Naufrágios e Amor.


Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...