Pular para o conteúdo principal

Série “4 Discos de Rock Baiano”: Rivermann, Wombs in Rage, Peleja e Todas as Cores.


Dando continuidade a série “4 Discos de Rock Baiano” daqui do Portal Soterorock, trazemos mais uma vez registros fonográficos bem distintos entre si, com obras recentes e também com peso histórico significativo para acena local. Aqui, há o bom dialogo com suas respectivas épocas e a qualidade das gravações é o elemento que atravessa os anos, e dá a liga entre bandas/artista. O indie, o groove, o stoner e o folk muito bem representados aqui na Bahia. Neste momento, destacamos os trabalhos das bandas Rivermann, Úteros em Fúria, 32 Dentes e André L. R. Mendes.

Rivermann – Rivermann

Com um som influenciado por grupos norte americanos de guitar bands garageiras da década de 1990, mesclado ao rock inglês dos anos oitenta, o quarteto camaçariense Rivermann lançou o seu homônimo trabalho de estreia em 2013. As guitarras distorcidas deste EP de cinco faixas possuem uma certa melancolia que abrilhanta os acordes das canções, guardadas por uma cozinha firme e segura. As suas letras, que tratam do cotidiano, são abordadas de maneira reflexiva e poética em meio ao noise feito na medida para uma audição extremamente acessível! Escute Radiante e Despedaçando Medos.


Wombs in Rage – Úteros em Fúria

Um dos pilares do rock na Bahia, essa obra é um marco do gênero por aqui. Isso não só pelo seu registro, mas também por tudo o que envolveu a banda naquele período, como as suas famosas apresentações e por ter inaugurado uma nova fase no cenário roqueiro local, chamando a atenção das pessoas no início dos anos noventa e influenciando o surgimento de outros grupos. O Wombs in Rage (1993) é uma ótima síntese musical de seu tempo, contendo guitarras groovadas e ótimos solos, com uma influência de classic rock setentista repaginada e bem característica da época, vocal forte cantado em inglês, e baixo e bateria dialogando certo. Há ecos deste trabalho do quinteto reverberando até hoje por aqui! Drop the needle in Be Bigger and Birds.


Peleja – 32 Dentes

Rápido e rasteiro! É assim o EP Peleja (2016) do trio feirense 32 Dentes. A estreia dos rapazes foi marcada por ser cheia de vontade e velocidade, chamando a atenção para uma linguagem diferenciada e também original dessa nova geração de bandas surgidas no interior da Bahia. A obra tem bastante energia e é repleta de bons riffs, que transitam entre o stoner e o hard rock em suas composições. Isso tudo “compactado” em três faixas! No seu texto, o cotidiano se faz bem presente nos seus versos sem filtros! Destaques para Nada Além do Orgulho e Dolores.


Todas as Cores – André L. R. Mendes

Este é o sexto álbum da carreira solo do cantor e compositor André L. R. Mendes. Aqui é elucidada a maneira mais bem aperfeiçoada de como ele utiliza cada vez melhor os recursos que possui para ter gravado boa parte da sua discografia. O violão, um pouco de guitarra, programações e efeitos do seu ipad ajudam-no a dar forma a sua arte. Responsável por todo o processo (criação, execução e finalização) e de maneira independente, o músico alcança um ótimo nível de amadurecimento em sua composição, que veio sendo aperfeiçoada ao longo dos anos até chegar em Todas as Cores (2016). Este disco é uma ótima visão sobre o artista, sobre o ambiente a sua volta e a sua música. Destaques para Naufrágios e Amor.


Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso