Pular para o conteúdo principal

Série “4 Discos de Rock Baiano”: Roll Up Your Sleeves and Help Us Reach Up This Honker World, Generation Dreams, h… stereo… e Aleluia.


Nesta quinta postagem da nossa série de discos feitos por artistas e bandas da Bahia, bastante obra importante chega para ganhar destaque aqui no Portal Soterorock. Nesse momento, as gerações diferentes dos grupos e a persistência louvável de ambos é a grande interseção entre eles. O rock de garagem, o britpop, o gótico/industrial tocado de maneira peculiar e a diversidade musical, marcam os sons da The Honkers, Teenage Buzz, Modus Operandi e Cascadura.

Roll Up Your Sleeves and Help Us Reach Up This Honker World – The Honkers

Esse terceiro trabalho da banda The Honkers é um verdadeiro registro fonográfico do ápice de um período da cena roqueira daqui da Bahia. Lançado em 2007, o disco traz canções que há tempos vinham sendo tocadas em seus inúmeros shows pela Bahia, restante do Brasil e em alguns países da América Latina de maneira empolgante, veloz e efervescente. E aqui, essa vibração que chega a beirar a pureza do rock’n roll, aproveitou o embalo de todos esses fatos e ganhou a sua gravação. Mantendo a linguagem do seu antecessor autoral, o disco traz temas do melhor do rock garageiro, mas flertando muito bem com o psicodelismo, um pouco mais com o punk rock e com o pop também. A diversão é garantida!  É difícil escolher somente duas, mas aqui vão: Devil Girl e Let me Feel the Sun.


Generation Dreams – Teenage buzz

Em seu segundo disco, a Teenage Buzz mostrou um amadurecimento significativo em suas composições. Generation Dreams (2015) é um bom e agradável resultado de influências britpop noventista com o rock pop e de garagem dos anos sessenta. Com uma sonoridade moderna, o grupo não soa como um conjunto de new rock e ganha muito em personalidade, com o seu perfil acessível de suas músicas. Os bons timbres das guitarras, ótimas estruturas vocais, uso de instrumentos como acordeão, gaita e percussão dão mais brilho as faixas do seu disco. Uma boa linguagem britânica para o rock local. Escute Melancholic Drugs e Blinding Light.


h... estereo... – Modus Operandi

Na sua estréia em disco, o quarteto soteropolitano Modus Operandi, deu à luz a sua música singular feita de maneira incomum, desprendida dos formatos convencionais do rock. Todo o caos e o turbilhão musical do grupo, que expressa bem a espiral frenética da nossa capital e das demais metrópoles, foram gravados nesta obra celebrada dentro e fora do Brasil. Utilizando furadeira, pedaços de metais e materiais reciclados no lugar da guitarra, sintetizador, baixo e bateria, a banda processou ao seu jeito o som gótico, o sinth pop e o rock industrial, com um texto existencialista e em alguns momentos surreais. O h... estereo... (2008) é tão interessante e corajoso, que já existe um tributo a ele. Destaques para Vazios de Palavras e Instintos e Canção de ninar.


Aleluia – Cascadura

Em 2012, o Cascadura lançou o seu último trabalho, Aleluia, um épico duplo recheado de ótimas composições e de uma bagagem cheia de experiências musicais acumulada pelos seus integrantes. Em uma homenagem a cidade de Salvador, o disco traz uma grande diversidade de influências, como o passeio pelas linguagens do rock que o grupo experimentou em sua carreira (do clássico ao moderno), o samba reggae, o jazz, ritmos regionais baianos, o som da motown, percussões candomblecistas, sopros e tudo o mais o que um ouvido bem atento pode captar. O cd também tem diversas participações especiais interessantes, que surgem ao longo da obra e que a enriquece mais ainda. Um trabalho cuidadoso, que vai se manter relevante por longos anos! Destaques para Colombo e Cantem Aleluia.



Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…