Pular para o conteúdo principal

Salvador derrete quando chove! Por Leo Cima.


Neste primeiro sábado de maio, aqui em Salvador, choveu demais, fez um frio daqueles e faltou luz duas vezes no bairro onde moro, uma vez durante a tarde e outra pela noite. Energia elétrica zero em pelo menos metade da cidade baixa por um bom tempo. Isso me ocorreu em mente se era um empecilho para sair de casa, diante da possibilidade disso ocorrer novamente estando na rua, pois todo cuidado é pouco e essas coisas quando acontece quando se está por aí é uma dor de cabeça das boas. Das piores, digo!

Mas mesmo assim, peguei a minha camisa de flanela e saí. O destino foi o Portela Café para conferir a primeira noite de shows do projeto Incubadora Sonora, contendo as apresentações de duas das nove bandas selecionadas pela sua curadoria, e também do anfitrião Irmão Carlos. Havia algum tempo que eu não dava as caras para ver as bandas locais, mais de um mês, quase dois, acho, e essa seria uma boa oportunidade para não deixar passar. Para além de assistir os grupos, rever as pessoas, inclusive algumas que já não via ao menos há um ano e meio juntas no mesmo lugar, e trocar um bom papo com elas fez parte do todo. O público não compareceu em grande número, mesmo com uma forte divulgação do evento e com o valor do ingresso quase que “simbólico” (apenas R$5,00), porém, quem foi se mostrou curioso e atento ao que estava acontecendo no palco.

Eu ainda estava no bar comprando mais uma cerveja quando a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes abriu os trabalhos. Eles começaram com um mantra antes do seu primeiro acorde e isso sinalizava algo diferente em seu show. Os acompanho há um bom tempo, conheço o seu repertório de trás para frente e é uma das melhores bandas locais, mas, sinceramente, já estava mais do que na hora deles inserirem novas canções em sua apresentação. Tudo foi executado de maneira mais madura pelo duo, desde as duas composições escolhidas para entrar na coletânea do projeto até Mulher Kriptonita, ponto forte do seu EP de estreia, mas as três inéditas chamaram bastante a atenção. Búfalo Soul é um épico fincado na identidade da banda e com influência forte de Black Sabbath, Levante, que foi a mais bem recepcionada, tem um perfil mais psicodélico e Madame Sophie mesclou o seu peso com momentos mais leves. Agradou muito a quem conhecia e a quem não conhecia o seu som.

Depois deles, o cantor e compositor Irmão Carlos subiu ao palco para tocar as canções do seu primeiro disco solo. Pelo fato dele estar desde o início do ano atuando de maneira efetiva com esse seu show, se percebe uma grande segurança nas músicas em ação e no domínio do palco por parte de todos da banda. A própria experiência musical de cada um deles na cena, ajuda a explicar esses fatos! Do início ao fim, o Irmão Carlos não perdeu a empolgação, se entregou totalmente ao feeling das suas composições em uma performance incansável, como se tivesse entrado em um ringue e lutado todos os rounds para os quais ele se preparou para lutar. Seu Lugar ao vivo parece ser bem mais forte do que é em cd, com seu groove na medida certa, e Um Microponto de Luz faz jus à sua mensagem. Encerrando a noite, o grupo de rap Fraternidade Maus Elementos fez o seu som direto e reto, com rimas que abordam o cotidiano da realidade da nossa cidade. Ficou evidente em sua performance que o conjunto estava se divertindo no palco, com os MCs se reversando nas suas rimas e com o DJ se concentrando e aproveitando o momento em cima do tablado. Um ou outro desencontro na sequência das músicas ocorreu, mas isso significou nada diante da sua mensagem e do seu desempenho em músicas como Babylon.


Na volta para casa, descendo para a cidade baixa e com o A-há no som, pensei comigo: “Salvador é Kingston”. Kingston com várias Trenchtowns, que derrete quando chove e ainda muito mal cuidada em vários dos seus cantos. De qualquer maneira, a essa altura já me esquecera da ameaça de falta de energia elétrica e pensar que iniciativas como a da Incubadora Sonora são importantes para o fomento do cenário independente ocupou mais a minha cabeça.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,