Pular para o conteúdo principal

Entrevista com Irmão Carlos e Wado. Por Leandro Pessoa.*


No próximo sábado, 29, os cantores e compositores Wado e Irmão Carlos se apresentam juntos em Salvador, no Irish Pub, pelo projeto NHL Apresenta. Este encontro musical, em sua terceira ocorrência, consolida a parceria entre dois artistas que guardam identificações e admirações mútuas. Celebrando 16 anos de carreira, o alagoano Wado apresenta pela primeira vez na cidade o show do disco Ivete – indicado como melhor álbum de 2016 pela Associação Paulista de Críticos de Arte. Já o baiano Irmão Carlos pisa firme no salão com o show do seu primeiro trabalho solo que vem movimentando a cena musical da capital baiana através do projeto Incubadora Sonora. Um pouco mais sobre o que eles prepararam para esta noite você confere no papo que tiveram com o Leandro Pessoa, em entrevista originalmente publicada no site Som do Som:

Leandro Pessoa - Wado e Irmão Carlos juntos pela terceira vez em Salvador. Como foi que surgiu essa parceria?

Irmão Carlos - Acompanho o trabalho de Wado há tempos. Acho sensacional a forma como ele compõe. Nosso primeiro show juntos foi nesse mesmo Pub. Daí no ano passado convidei ele pra Salvador pra dividir o palco comigo no projeto “Lá em Dona Neza” - ele topou e celebramos. A banda de apoio dele nesse dia foi a minha própria banda que tirou o repertório e tudo aconteceu. Foi uma noite massa, até cantamos juntos “Têta”.

Wado - O Carlos me deu essa oportunidade de tocar lá no Dona Neuza. Foi uma experiência linda ver a cidade a partir da comunidade. Carlos é velho parceiro, guerreiro de muito talento e carisma - temos uma admiração mútua. Sábado vamos celebrar essa amizade e vou levar meu disco novo, Ivete, a Salvador. Esse disco é uma declaração de amor a música da Bahia. Vamos fazer um show bem sacudido.

LP - Wado, qual a primeira recordação que tu tem da sua relação com a música baiana? Como que é pra você compor dentro dessa linguagem?

W - Eu ouvia muita música baiana, pois tocava direto no rádio aqui em Maceió. Curti muito os axés dos primórdios, os de oitenta que eram políticos, de afirmação negra, de celebração e também de denúncia. Meu primeiro sarro com uma mulher foi dançando Axé. Tenho uma memória afetiva grande com ele. Aprecio as temáticas do nordeste da África, do Egito e cercanias. Essa memória passei a expressar nas canções, começou lá no Atlântico Negro e cristalizou agora com o Ivete. Não tinha como não levar esse show pra Salvador.

LP - E tu Irmão? Tu viveu esse período de formação da indústria musical baiana. Onde que você estava?

IC - Lembro que quando era pivete eu e minha turma fazíamos batuque no fundo do buzu. Assim eram as crianças da periferia nessa época: cantávamos Muzenza, Olodum, Edson Gomes, Gerônimo, Lazzo e, no meu caso, já misturava com umas dos Titãs, Cólera e Garotos Podres na batida do samba reggae (risos). As letras tinham cunho histórico/político e muitas falavam de revolta e revolução. A identidade negra era muito bem afirmada nas canções. Paralelo a essa turma, a coisa ia aos poucos ficando mais pop, mas ainda sim, genuinamente baiana. As letras já não eram tão políticas, mas representavam a Bahia. Com a chegada das gravadoras gringas no Brasil, a coisa se fechou e foi ficando cada vez mais plastificada e descartável. Um jornalista, um tal de Hagamenom Brito, usou o termo Axé music, em tom de ironia, e pegou igual a apelido. Tem gente que diz que isso tem 30 anos. Eu digo que tem 25. Os 5 primeiros ainda eram genuínos e tinham essência.

LP - Irmão, em seu primeiro disco solo me chama atenção a presença de canções que tratam de questões pessoais. No palco você se vê nu, assim como na capa?

IC - Expor minha própria vivência foi o modo que encontrei para resolver meus problemas comigo mermo, ainda que de forma irônica. A música acaba funcionando como terapia também. Quando solto pro mundo minhas inquietações, me sinto mais tranquilo.  Na real acho que isso acontece em todo o disco. “Engrenagem da Ilusão” é uma que não falo diretamente de mim, embora use o “Eu”, mas no fim é uma visão geral, na qual eu também faço parte.No palco a sensação é sempre de desabafo.  É como a fé! Removendo a montanha que a gente carrega.


*Leandro Pessoa é compositor, cantor e jornalista. Além de ser o frontman da banda Callangazzo, também colabora para o Som do Som e escreve para o seu próprio site, o Single do Dia. Esta matéria foi originalmente publicada no site Som do Som.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um