Entrevista com Irmão Carlos e Wado. Por Leandro Pessoa.*


No próximo sábado, 29, os cantores e compositores Wado e Irmão Carlos se apresentam juntos em Salvador, no Irish Pub, pelo projeto NHL Apresenta. Este encontro musical, em sua terceira ocorrência, consolida a parceria entre dois artistas que guardam identificações e admirações mútuas. Celebrando 16 anos de carreira, o alagoano Wado apresenta pela primeira vez na cidade o show do disco Ivete – indicado como melhor álbum de 2016 pela Associação Paulista de Críticos de Arte. Já o baiano Irmão Carlos pisa firme no salão com o show do seu primeiro trabalho solo que vem movimentando a cena musical da capital baiana através do projeto Incubadora Sonora. Um pouco mais sobre o que eles prepararam para esta noite você confere no papo que tiveram com o Leandro Pessoa, em entrevista originalmente publicada no site Som do Som:

Leandro Pessoa - Wado e Irmão Carlos juntos pela terceira vez em Salvador. Como foi que surgiu essa parceria?

Irmão Carlos - Acompanho o trabalho de Wado há tempos. Acho sensacional a forma como ele compõe. Nosso primeiro show juntos foi nesse mesmo Pub. Daí no ano passado convidei ele pra Salvador pra dividir o palco comigo no projeto “Lá em Dona Neza” - ele topou e celebramos. A banda de apoio dele nesse dia foi a minha própria banda que tirou o repertório e tudo aconteceu. Foi uma noite massa, até cantamos juntos “Têta”.

Wado - O Carlos me deu essa oportunidade de tocar lá no Dona Neuza. Foi uma experiência linda ver a cidade a partir da comunidade. Carlos é velho parceiro, guerreiro de muito talento e carisma - temos uma admiração mútua. Sábado vamos celebrar essa amizade e vou levar meu disco novo, Ivete, a Salvador. Esse disco é uma declaração de amor a música da Bahia. Vamos fazer um show bem sacudido.

LP - Wado, qual a primeira recordação que tu tem da sua relação com a música baiana? Como que é pra você compor dentro dessa linguagem?

W - Eu ouvia muita música baiana, pois tocava direto no rádio aqui em Maceió. Curti muito os axés dos primórdios, os de oitenta que eram políticos, de afirmação negra, de celebração e também de denúncia. Meu primeiro sarro com uma mulher foi dançando Axé. Tenho uma memória afetiva grande com ele. Aprecio as temáticas do nordeste da África, do Egito e cercanias. Essa memória passei a expressar nas canções, começou lá no Atlântico Negro e cristalizou agora com o Ivete. Não tinha como não levar esse show pra Salvador.

LP - E tu Irmão? Tu viveu esse período de formação da indústria musical baiana. Onde que você estava?

IC - Lembro que quando era pivete eu e minha turma fazíamos batuque no fundo do buzu. Assim eram as crianças da periferia nessa época: cantávamos Muzenza, Olodum, Edson Gomes, Gerônimo, Lazzo e, no meu caso, já misturava com umas dos Titãs, Cólera e Garotos Podres na batida do samba reggae (risos). As letras tinham cunho histórico/político e muitas falavam de revolta e revolução. A identidade negra era muito bem afirmada nas canções. Paralelo a essa turma, a coisa ia aos poucos ficando mais pop, mas ainda sim, genuinamente baiana. As letras já não eram tão políticas, mas representavam a Bahia. Com a chegada das gravadoras gringas no Brasil, a coisa se fechou e foi ficando cada vez mais plastificada e descartável. Um jornalista, um tal de Hagamenom Brito, usou o termo Axé music, em tom de ironia, e pegou igual a apelido. Tem gente que diz que isso tem 30 anos. Eu digo que tem 25. Os 5 primeiros ainda eram genuínos e tinham essência.

LP - Irmão, em seu primeiro disco solo me chama atenção a presença de canções que tratam de questões pessoais. No palco você se vê nu, assim como na capa?

IC - Expor minha própria vivência foi o modo que encontrei para resolver meus problemas comigo mermo, ainda que de forma irônica. A música acaba funcionando como terapia também. Quando solto pro mundo minhas inquietações, me sinto mais tranquilo.  Na real acho que isso acontece em todo o disco. “Engrenagem da Ilusão” é uma que não falo diretamente de mim, embora use o “Eu”, mas no fim é uma visão geral, na qual eu também faço parte.No palco a sensação é sempre de desabafo.  É como a fé! Removendo a montanha que a gente carrega.


*Leandro Pessoa é compositor, cantor e jornalista. Além de ser o frontman da banda Callangazzo, também colabora para o Som do Som e escreve para o seu próprio site, o Single do Dia. Esta matéria foi originalmente publicada no site Som do Som.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Curumin Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Far From Alaska Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jadsa Castro Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lívia Nery Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Metá Metá Modus Operandi Mopho Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pio Lobato Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Quartabê Radioca Raimundo Sodré Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rincon Sapiencia Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares