Pular para o conteúdo principal

Lançamento duplo e um calcanhar dolorido. Por Leo Cima.


Como já é sabido de muita gente, a atividade do rock aqui na Bahia começa no início da semana, logo na terça feira, com o evento “Quanto Vale o Show?”. Se você gosta de rock e não sabia desse fato, provavelmente há algo de estranho em ti, ou precisa estar mais atento(a) a agenda local. Há quase três anos, o som periódico tem sido a morada de apresentações de artistas novos e veteranos, e também de ocasiões especiais, como a que aconteceu no último dia 18/07/2017. A Surrmenage e a Jato Invisível, duas das mais interessantíssimas bandas locais, lançaram seus novos trabalhos na praça.

O início da noite carregava o tempo irregular de Salvador por esses dias, com uma chuva que resolve cair do nada e que atrasa o lado de quem está para sair. Além disso, o meu calcanhar esquerdo machucado atrapalhava a caminhada apressada da minha casa até o ponto de ônibus, o aplicativo indicava que a condução estava a cinco minutos dali e o esforço extra fez aumentar a dor. Cheguei a pensar que era a idade pesando, não pelo incomodo, mas por não me lembrar de exatamente como me machuquei.

Enfim, sair e chegar até o local era preciso para ver os amigos, bater um bom papo e ver ótimas apresentações de rock. A tranquilidade do inicio de semana no Rio Vermelho é de um contraste imenso em relação ao seu final de semana, porém, a cada vez que ia chegando mais gente para prestigiar o som daquela noite, mais movimentada ficava a casa da festa. Deu um número bom de pessoas e uma verdadeira confraternização aconteceu antes e entre as performances dos grupos. Sempre há espaço para bons papos sobre livros, shows, ótimas lojas de discos que existiram e resistem, e de como o valor desse item tem estado caro demais em tempos de crise.

Antes das nove horas da noite, a primeira a se apresentar foi a Surrmenage lançando o seu disco, Headphoning Life. Mesmo com uma história no cenário e retornando depois de um hiato, ainda não tinha visto ao vivo o trio antes. Eles fizeram valer esse retorno, com composições de influência setentista e noventista, as mostrando de maneira segura e entrosada. O bom humor do vocalista Arthur Caria foi uma presença extra que marcou muito bem o desenvolvimento do repertório da banda, que possui a maioria de suas letras cantadas em inglês (o que, para mim, é bem interessante) e uma execução que a credenciaria facilmente a condição de rock de arena. Com um som bem preenchido, as bases impressionantes de baixo abraçaram bem as ótimas viradas de bateria e os marcantes riffs de guitarra, onde o destaque foi a canção Someday. Foi um lançamento de cd bastante marcante e de boa receptividade da audiência!

Depois, a Jato Invisível subiu ao palco para fechar a noite e lançar o seu mais novo EP, Veiculando Neuroses. Este disco é há muito tempo esperado pelos admiradores da banda, que cultivou uma expectativa grande pela sua chegada desde que a sua produção foi anunciada. Os próprios integrantes esperaram bastante por esse dia e isso trouxe uma excelente e diferenciada atmosfera para essa apresentação, que também foi marcada por participações especiais. A JI já vinha tocando este seu novo repertório em seus shows e isso amadureceu, e muito, as suas antigas e novas composições, que chegaram até aqui bem fixada na cabeça de que os acompanha. Já nas três primeiras canções do seu setlist o filho da Silvana Costa (vocal) e do Alex Costa (baixo), Mateus Costa, acompanhou o grupo na guitarra base, desempenhando muito bem a função e me levando a crer que o conjunto pode gerar novas possibilidades musicais com mais um integrante. O poeta Sandro Ornellas se juntou à banda para realizar ao vivo a sua contribuição na música Esperar Sentado (alguma coisa) e o cantor e compositor Álison Lima subiu ao tablado para dividir os vocais no cover de Me Perco Nesse Tempo, das Mercenárias. Remédio, como sempre, empolgou bastante. Foi uma apresentação de boas energias e daquela boa sensação (que vai ficar por um bom tempo na memória) de enfim ter lançado mais um trabalho.

No final de tudo, o meu calcanhar não estava mais tão dolorido, a chuva tinha voltado com mais força e o rapaz do UBER resolveu se perder no Rio Vermelho (acredite!), levando quase dez minutos para chegar. Mas quando a música alimenta os ânimos fica difícil algo se estragar!

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um