Pular para o conteúdo principal

Sunday Rock III. Por Artur W (vocalista e guitarrista da Organoclorados).


"Sonho que se sonha junto é realidade" (Raul Seixas).

O Projeto Sunday Rock retornou ao Foyer do Centro de Cultura de Alagoinhas, no último domingo (06/08/2017) das 13h às 18h, depois de ter visitado o It’s Not Pub em Catu no mês de maio. Novamente, a produção ficou a cargo da banda Organoclorados, com o apoio de Daniel Barbosa (Universo Variante) e Marcílio Lucena (produtor da Eva Karize). Como de costume, cenário, estrutura de palco e som, cantina e bar, tudo montado e elaborado com recursos próprios (financeiros, materiais, logísticos, humanos, artísticos e intelectuais) e o auxílio de amigos.

Para esta terceira edição, o projeto foi selecionado entre vários postulantes na convocatória do Ocupe seu Espaço, oportunidade da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, o que trouxe algumas vantagens do ponto de vista organizacional. Além do espaço em si, o Centro de Cultura disponibilizou equipe de apoio (portaria, vigilância, limpeza), estacionamento e equipamentos de iluminação de palco. O Sunday Rock III demonstrou que músicos independentes reunidos e organizados podem acessar espaços e realizar eventos por conta própria de forma profissional e com alto nível de qualidade.

E para nossa satisfação, o que vimos neste domingo foi um Sunday Rock III firme em sua proposta franca de ocupação de um espaço-tempo alternativo para combater a monotonia das tardes de domingo.

Diferente de uma mera mistura de ritmos e tribos, o evento proporciona um verdadeiro congraçamento entre música, expressões artísticas diversas e atividades lúdicas. Nada melhor do que esse ambiente ao mesmo tempo divertido e criativo para o encontro de amigos, artistas, mobilizadores culturais independentes e o público em geral.

A presença marcante de crianças, famílias e diferentes gerações deu um toque especial a esta tarde de domingo. Afinal, o dia e o horário favorecem, sem mencionar o fato da cama elástica montada na área externa, numa tarde ensolarada e de temperatura amena, além das pipocas, doces e lanches deliciosos disponíveis na cantina.

O evento apresentou pinturas expostas à visitação e como grande atração a exposição de fotografias “O Jardim que Abriga o Mundo”, de Jamille Almeida. A cerveja artesanal produzida na cidade foi novamente um grande sucesso, desta vez com uma choperia montada na cantina.

Essa diversidade pareceu transformar o Sunday Rock III numa teia conectora de estímulos visuais, sabores, memórias que afloram, contato entre pessoas, entretenimento, dentre outros elementos, que surfam em todas as direções sobre ondas sonoras produzidas em tempo real.

Inteiramente divulgado apenas por redes sociais e na base do boca-a-boca, sem patrocínio ou divulgação em mídia convencional, o Sunday Rock III teve um público 50% superior à primeira edição realizada no mesmo local em março deste ano. As fotos disponíveis na página do evento demonstram a intensa movimentação: (www.facebook.com/events/292945927840034/).
E por falar em som, o show de abertura da Eva Karize (www.facebook.com/evakarize.mirandaevangelista) encantou o público que começou a se aglomerar no salão em frente ao palco logo cedo, com seu reggae roots de qualidade. Uma intervenção especial do rapper MC Léo sobre a sonoridade jamaicana foi um dos pontos altos da apresentação.
A Organoclorados (www.facebook.com/organorocks/) desfilou um repertório enérgico e carregado de guitarras, pitadas de psicodelia e emoções à flor da pele. Destaque para as músicas autorais Segunda-feira ressaqueada 2015 e O Zênite e o Nadir, o retorno de Outono Eterno ao repertório, com a participação especial de Gené (Eva Karize) no saxofone, além é claro da queridinha do público Até o Sol. Terreno mais do que preparado para a banda convidada, Os Jonsóns (www.facebook.com/osjonsons), apresentar ao público de Alagoinhas sua performance de palco especial e suas músicas temperadas de ska e surf rock, em arranjos criativos e dançantes.
Para          fechar           a          programação,           a           Universo         Variante (www.facebook.com/UniversoVariante/) soltou sua Super-mulher, música das mais conhecidas na cena local e seguiu nessa esteira dançante, a exemplo de Um prego na parede e outras autorais. Ainda teve a participação da percussionista Suzanna (Eva Karize) na interpretação de Sympathy for the Devil (Rolling Stones) e a reunião com Os Jonsóns para cantar Psycho Killer (Talking Heads), todos no mesmo palco.

O Sunday Rock III terminou em clima de confraternização também entre os músicos e o público, que foram chamados por Artur W (Organoclorados) para subir ao palco e registrar o momento nas fotos que certamente já estão circulando na internet. Sensação de missão cumprida, o que vimos ao final foram rostos satisfeitos com o resultado, abraços, apertos de mão e público que ainda permaneceu por algum tempo no Centro de Cultura, curtindo o ambiente. Enquanto isso, desmontagem de palco, cenário, som, iluminação e cantina, fechamento e prestação de contas, transporte... mas aí já é outra história. Um dia eu conto 

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…