Pular para o conteúdo principal

Sunday Rock III. Por Artur W (vocalista e guitarrista da Organoclorados).


"Sonho que se sonha junto é realidade" (Raul Seixas).

O Projeto Sunday Rock retornou ao Foyer do Centro de Cultura de Alagoinhas, no último domingo (06/08/2017) das 13h às 18h, depois de ter visitado o It’s Not Pub em Catu no mês de maio. Novamente, a produção ficou a cargo da banda Organoclorados, com o apoio de Daniel Barbosa (Universo Variante) e Marcílio Lucena (produtor da Eva Karize). Como de costume, cenário, estrutura de palco e som, cantina e bar, tudo montado e elaborado com recursos próprios (financeiros, materiais, logísticos, humanos, artísticos e intelectuais) e o auxílio de amigos.

Para esta terceira edição, o projeto foi selecionado entre vários postulantes na convocatória do Ocupe seu Espaço, oportunidade da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, o que trouxe algumas vantagens do ponto de vista organizacional. Além do espaço em si, o Centro de Cultura disponibilizou equipe de apoio (portaria, vigilância, limpeza), estacionamento e equipamentos de iluminação de palco. O Sunday Rock III demonstrou que músicos independentes reunidos e organizados podem acessar espaços e realizar eventos por conta própria de forma profissional e com alto nível de qualidade.

E para nossa satisfação, o que vimos neste domingo foi um Sunday Rock III firme em sua proposta franca de ocupação de um espaço-tempo alternativo para combater a monotonia das tardes de domingo.

Diferente de uma mera mistura de ritmos e tribos, o evento proporciona um verdadeiro congraçamento entre música, expressões artísticas diversas e atividades lúdicas. Nada melhor do que esse ambiente ao mesmo tempo divertido e criativo para o encontro de amigos, artistas, mobilizadores culturais independentes e o público em geral.

A presença marcante de crianças, famílias e diferentes gerações deu um toque especial a esta tarde de domingo. Afinal, o dia e o horário favorecem, sem mencionar o fato da cama elástica montada na área externa, numa tarde ensolarada e de temperatura amena, além das pipocas, doces e lanches deliciosos disponíveis na cantina.

O evento apresentou pinturas expostas à visitação e como grande atração a exposição de fotografias “O Jardim que Abriga o Mundo”, de Jamille Almeida. A cerveja artesanal produzida na cidade foi novamente um grande sucesso, desta vez com uma choperia montada na cantina.

Essa diversidade pareceu transformar o Sunday Rock III numa teia conectora de estímulos visuais, sabores, memórias que afloram, contato entre pessoas, entretenimento, dentre outros elementos, que surfam em todas as direções sobre ondas sonoras produzidas em tempo real.

Inteiramente divulgado apenas por redes sociais e na base do boca-a-boca, sem patrocínio ou divulgação em mídia convencional, o Sunday Rock III teve um público 50% superior à primeira edição realizada no mesmo local em março deste ano. As fotos disponíveis na página do evento demonstram a intensa movimentação: (www.facebook.com/events/292945927840034/).
E por falar em som, o show de abertura da Eva Karize (www.facebook.com/evakarize.mirandaevangelista) encantou o público que começou a se aglomerar no salão em frente ao palco logo cedo, com seu reggae roots de qualidade. Uma intervenção especial do rapper MC Léo sobre a sonoridade jamaicana foi um dos pontos altos da apresentação.
A Organoclorados (www.facebook.com/organorocks/) desfilou um repertório enérgico e carregado de guitarras, pitadas de psicodelia e emoções à flor da pele. Destaque para as músicas autorais Segunda-feira ressaqueada 2015 e O Zênite e o Nadir, o retorno de Outono Eterno ao repertório, com a participação especial de Gené (Eva Karize) no saxofone, além é claro da queridinha do público Até o Sol. Terreno mais do que preparado para a banda convidada, Os Jonsóns (www.facebook.com/osjonsons), apresentar ao público de Alagoinhas sua performance de palco especial e suas músicas temperadas de ska e surf rock, em arranjos criativos e dançantes.
Para          fechar           a          programação,           a           Universo         Variante (www.facebook.com/UniversoVariante/) soltou sua Super-mulher, música das mais conhecidas na cena local e seguiu nessa esteira dançante, a exemplo de Um prego na parede e outras autorais. Ainda teve a participação da percussionista Suzanna (Eva Karize) na interpretação de Sympathy for the Devil (Rolling Stones) e a reunião com Os Jonsóns para cantar Psycho Killer (Talking Heads), todos no mesmo palco.

O Sunday Rock III terminou em clima de confraternização também entre os músicos e o público, que foram chamados por Artur W (Organoclorados) para subir ao palco e registrar o momento nas fotos que certamente já estão circulando na internet. Sensação de missão cumprida, o que vimos ao final foram rostos satisfeitos com o resultado, abraços, apertos de mão e público que ainda permaneceu por algum tempo no Centro de Cultura, curtindo o ambiente. Enquanto isso, desmontagem de palco, cenário, som, iluminação e cantina, fechamento e prestação de contas, transporte... mas aí já é outra história. Um dia eu conto 

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…