RESENHA: PRIMEIRO DIA DO SOTEROROCK 2017. Por Paula Holanda.


O Buk Porão foi palco para o início do Festival Soterorock 2017, que acontecerá em outras duas cidades além de Salvador — o evento será sediado também no Let’s Go Pub, em Alagoinhas, e no It’s Not Pub, em Catu. O line-up do dia 02/09 incluiu as bandas Kalmia, Aborígines e Modus Operandi. A Pastel de Miolos também estava escalada para a noite de abertura do festival, mas o show infelizmente foi cancelado, pois André PDM (voz, baixo) estava doente (melhoras!).
A Kalmia, banda soteropolitana de crust, abriu o primeiro dia do Soterorock. Glauber Lubarino (bateria) tocou como um animal, com muita compenetração e sangue nos olhos. As performances de Pingo (voz, guitarra) e Doriva (baixo) não ficaram muito para trás. No entanto, inicialmente, o público (de aproximadamente 50 pessoas) estava bem comportado e contemplativo. Às vezes rolava um ou outro mosh entre amigos — daqueles carinhosos, que mais parecem abraços coreografados — ou algum indivíduo solitário fazendo mosh com ele mesmo, mas nada muito movimentado.
O setlist da Kalmia contou com mais de dez músicas autorais — entre elas, “Não Atrapalhe”, “Vivenciando Atrocidades” e “Jovens Negros Em Extinção”. O show terminou com uma versão de “Nazi Não”, da Fecal Feast — finada banda formada por Pingo e Galf Aspecto — com participação de Jamille Marques na guitarra e com um cover de “Desperate Hours”, da banda sueca Anti-Cimex. Ainda teve uma palhinha de Júnior Nascimento no meio disso tudo.
A banda Aborígines, de Alagoinhas, foi a segunda atração da noite. O show do power trio — que faz um som mais puxado para o rock ‘n’ roll, mas que também é fortemente influenciado pelos clássicos do punk — surgiu como um respiro para o soco na cara que foi o primeiro show, com ritmos mais lentos e timbres mais leves. Apesar de a Aborígines ter uma sonoridade menos agitada do que a da Kalmia, o público parecia mais animado, elétrico e dançante (talvez por conta da ebriedade) nesse segundo show.
Formada por Dando (voz, guitarra), André Fiscina (voz, baixo) e Anderson Leba (bateria), a Aborígines tocou seu álbum “Absurdos” praticamente na íntegra, com exceção de “A Espanhola” e “Alagoinhas Garden”, e finalizou seu show com três covers clássicos: “Ace Of Spades”, do Motörhead, “Police Truck”, dos Dead Kennedys e “Brand New Cadillac”, do Clash (com participação especial de Doriva nos vocais). Eles também dividiram uma banquinha comigo e venderam alguns CDs alagoinhenses — além de “Absurdos”, a banda trouxe cópias de “Mercadores da Dizimação”, da Ironbound, e de “Queimando o Asfalto”, da Nute.
A Modus Operandi foi a última atração da noite — como sempre, com um show enérgico do começo ao fim. As apresentações do grupo são impressionantes para quem nunca o viu tocar, talvez por ser muito dinâmico e promover uma esfera de esoterismo. Lembro das expressões de surpresa de Gigito, que não me parece ser muito ligado à onda do pós-punk e industrial, mas que presenciou seu primeiro show da Modus Operandi naquela noite e comentou comigo que achou a banda fantástica.
A estranheza perante a performance do quarteto pode ser compreensível, afinal, não é todo dia que se vê um vocalista frenético à margem de uma convulsão, ou um baixista inquieto perambulando pelo público. Muito menos um percussionista que usa uma furadeira como instrumento. O show da Modus Operandi — formada por David Vertigo (voz, sintetizador) Henrique Letárgico (voz, baixo), Marcos Tripha (percussão, furadeira) e
Eduardo dEUS (bateria, percussão) foi completamente autoral e durou quase uma hora. O público clamou por bis, mas este foi negado por Eduardo, que estava cansado demais para continuar tocando.
A discotecagem do início e dos intervalos do evento ficou por conta de Doriva e Thiago Berteli, que executaram uma digníssima playlist de punk e pós-punk que ia do mainstream (a exemplo de Ramones e Iggy Pop) às bandas mais obscuras, como Hutt, Lupercais e Paranoid — um grupo sueco de raw punk com influências do punk japonês (que tive que perguntar o nome a Doriva pois achei muito foda, depois pesquisem sobre). Acho importante pontuar que a maior parte do público acompanhou o festival do começo ao fim, as bandas assistiram umas às outras e não se via quase ninguém bebendo cerveja do lado de fora — atualmente, isso é tão raro em Salvador que eu até fiquei admirada. Povo educado, muito bem.

A próxima parada do Festival Soterorock 2017 é no Let’s Go Pub, em Alagoinhas, no dia 08/09. 32 Dentes, Universo Variante, Not Names e Gérbera são as bandas que integrarão o line-up do próximo sábado. Ao total, serão 17 bandas baianas — fora a Pastel de Miolos, que vale lembrar, teve o show cancelado — tocando nos cinco dias do festival, que está em sua segunda edição.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Curumin Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Far From Alaska Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jadsa Castro Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lívia Nery Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Metá Metá Modus Operandi Mopho Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Paul McCartney Pesadelo Pio Lobato Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Quartabê Radioca Raimundo Sodré Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rincon Sapiencia Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Soterorock Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares