Pular para o conteúdo principal

Entrevista com Mopho (AL). Por Leo Cima.

      Foto: Rafael Passos.

Continuando ainda com o Festival Radioca III, trazemos agora uma entrevista com a banda Mopho (AL). O João Paulo e o Dinho Zampier bateram um papo conosco e falaram sobre como foi tocar pela primeira vez em slvador depois de duas décadas de carreira sobre como foi o processe interessantíssimo de criação do seu mais novo trabalho, Brejo e sobre o cenário atual. Foi ótimo! Então, encontre a melhor maneira de ler essa entrevista e confira o som do ótimo Brejo!

Soterorockpolitano - Pessoal, parabéns pelo show, gostei muito dele, mas gostaria de saber o porque que vocês levaram tanto tempo para poder fazer uma apresentação em terras baianas. Porque demorou tanto e como foi essa experiência?

João Paulo: Na real, foi falta pura e simplesmente de um convite, de uma oportunidade, sabe? É por conta também nessa trajetória de vinte anos a gente mudou muito de formação e tal, aí isso tira o foco, né? Então, basicamente foi isso! Até que quando surgiu a oportunidade a gente ficou bem feliz mesmo. E, meu irmão, muito massa aqui! A galera, eu não esperava, não, que a resposta fosse tão bacana, cara! O tratamento à banda pela produção do evento foi maravilhoso, o público bacana da peiga e eu nunca tinha vindo a Salvador e estou feliz que só!

SRP - Eu estava ali em baixo e a receptividade foi excelente!

João Paulo: Fiquei feliz pra caramba! A despeito de ser um setlist curto, da gente passar o som e aí na hora que vai tocar tem coisas que estão diferentes no palco, isso tira um pouco a concentração. A gente tinha feito um repertório, mas tocamos um pouco menos que quarenta e cinco minutos e algumas coisas ficaram de fora subitamente. Mas a gente entende, não temos o que reclamar. Queremos voltar outras vezes!

SRP - Disco novo na área, vamos falar um pouco sobre ele! No Brejo está lá o Mopho em sua essência, está lá o rock psicodélico sessentista, o rock de garagem desse período, o rock brazuca dos anos setenta, porém um Mopho mais maduro, mais conciso, com as canções mais redondas. Eu gostaria de saber como foi o processo de criação do disco, quais as influências que recaíram sobre a banda nesse período de criação de Brejo?

João Paulo: Então, bicho, em 2008 fizemos um show emblemático em Macapá e conseguimos reunir o Bocão (ex-baixo) e o Pisca (ex-bateria), que tínhamos gravado juntos com Leo (atual baixista) no teclado o primeiro álbum. Reunimos essa galera já com o Dinho (Zampier) no teclado e daí houve aquele lance de “vamos voltar a banda pra fazer um disco”! Aí, nos reunimos e em três ensaios a gente pré-produziu e foi para estúdio gravar o Vol. 3. Nesse período, eu já vinha desenvolvendo grande parte das canções que entrariam em um hipotético álbum a ser gravado por essa formação. Visto que quando estávamos gravando o Vol. 3 a minha contribuição era muito pequena, só tenho duas músicas no álbum, Você sabe Muito Bem e Quanto Vale um Pensamento Seu. O resto era o esboço, o esboço dessas canções que apareceram agora no disco Brejo, entendeu? Aí a formação acabou de novo! Aí ficou engavetado e nem sabia se ia fazer com o nome Mopho e tal. Foi quando há uns dois anos eu entrei em contato com Dinho e disse “e aí, Dinho, vamos gravar logo, cara, vamos ver qual é!”. Fui na casa dele, a gente sequenciou uns andamentos e os ritmos, e na véspera da gravação passou para o batera, e passou para o baixista. Vou ser muito sincero, eu queria uma coisa mais orgânica, sabe? Eu estou feliz pra caramba, é um disco honesto pra caramba. Mas acho que aquelas canções poderiam ser um pouco mais maturadas, cara, num processo de pré-produção com banda, sabe? Então, é foda porque estou lançando o álbum, mas já estou meio que falando mal dele! (risos). Porque, na verdade, já estou ansioso por um quinto álbum! Eu acho Brejo um disco bacana, mesmo, só que eu me ressinto do fato de não ter tido tempo, de não ter tido clima de banda. Então, praticamente é um disco com canções minhas. Tanto é que gravamos um quarto do disco com outro baixista, foi quando eu não estava gostando, aí poxa “vou chamar o Leo, né?”. Aí o Leo colocou os baixos e a coisa começou a tomar uma forma diferente, porque até então estava bem esquisito.

Dinho Zampier: A gente sofreu muito, na primeira demo desse disco, a gente sofreu muito porque a gente não conseguia “O” clima!

João Paulo: O clima, cara. Não tinha um núcleo, não tinha uma pegada, sabe?

SRP - Então, essa questão desse intervalo de seis anos entre o Vol. 3 e o Brejo foi por conta dessa mudança de formação da banda e também pela maturação das canções?

João Paulo: Na verdade, essas canções já estavam prontas há uns seis anos, por aí. Quando não faltava uma estrofe de uma canção, faltava resolver harmonicamente uma passagem, ou ritmicamente outra. E por conta de “não existir banda”, de fato, para ensaiar e para resolver isso, a coisa foi ficando assim! Até que eu tive aquela coisa de “agora vou ter que lançar essas musicas para poder dar um passo à frente”, se é que vou fazer alguma coisa com a Mopho de novo, ou não! E, no final das contas, eu fiquei muito feliz. Depois que o Leo colocou os baixos, que já deu um groove, um molho diferente, aí a gente sentiu que estava a Mopho mais ou menos ali. Mas a primeira gravação, que era com o outro baixista, velho, eu escutava e dizia “não tem como, velho”.

Dinho Zampier: Nos salvou aos quarenta do segundo tempo! (risos)

João Paulo: O Leo chegou e aí gol. Basicamente foi isso! (risos)

SRP - Eu achei o disco muito bonito, Limiar (uma das faixas) é desse período?

João Paulo: Limiar e Não Sou de Ninguém foram as últimas, já foram compostas, assim, em 2012/2013, já foram as últimas no processo. Limiar é uma música que eu acho foda! Por exemplo, Limiar, aquele ritmo de valsa ali, a bateria poderia brincar um pouco mais, entendeu? A sensação ali é quase que um drumbox “tacum ta cutum, tacum ta cutum”. Ficou lindo, mas já pensou se fosse um groove a lá Dig a Pony, dos Beatles, com aquelas frases do Ringo? Era como eu pensava a música. Mas no final das contas rolou, cara! Eu estou feliz com o álbum!

SRP - Vocês estão completando vinte e um anos de estrada. Há duas décadas atrás, com vocês tocando e a gente observando, a gente via que no cenário independente não havia tanta banda de rock genuinamente psicodélica, não tantas quanto hoje, que parece que houve um boom de bandas dessa linha, encabeçadas pelo Boogarins, My Magical Glowing Lens, Bike. Eu quero saber sobre o que vocês acham dessa nova leva de bandas psicodélicas brasileiras e como vocês se enxergam dentro desse meio sendo a Mopho uma banda pioneira nessa vertente aqui no Brasil?

João Paulo: Bicho, antes de mais nada, eu, particularmente, não considero essencialmente o som do Mopho psicodélico. Tem vários elementos e tal. Mas eu diria que a gente flerta muito mais com folk e com jovem guarda, com alguma coisa progressiva. Ecos de Pink Floyd na mesma proporção com ecos de Roberto Carlos. Mas eu fico feliz pra caramba de perceber como a turma até meio que reverencia o Mopho enquanto um pioneiro nesse resgate. Fico feliz para caramba! Com relação às bandas novas, o Dinho que é uma cara que toca bem mais do que eu, viaja por aí, conhece as bandas todas. Eu, particularmente, ouço falar, mas eu não tenho escutado, cara. Estou cada vez mais naquela de resgatar mesmo as eternas velharias, sabe? Mas sempre tem uma coisa massa que eu não sabia que existia nos anos sessenta e setenta, aí estou sempre por lá. Mas o Dinho me comenta sobre várias bandas novas!

Dinho Zampier: Outro dia eu mostrei para ele o O Terno. Muito legal, uma cena que acompanho por estar sempre circulando e tal. Já vi o show deles, vi do Boogarins, da Bike e da The Baggios também, do Júlio, que estava conosco agora há pouco aqui. É uma cena nova com muita autenticidade no som!

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…