Pular para o conteúdo principal

Reaja, porra! Por Leo Cima.


O nosso país vive um momento político notavelmente conturbado e escroto. Mais escroto do que conturbado, diga-se de passagem. E o pior, seguido por uma apatia de uma população que assiste praticamente zumbificada cada gesto de politicagem suspeito, ou escancaradamente malicioso. Uma inércia que chega a ser mais forte do que qualquer esquema de falcatrua televisionada nos noticiários e que é de cair o queixo.

É dentro desse cenário que a banda baiana Pastel de Miolos chega com o seu mais recente trabalho, o quinto de sua carreira, Reação! Para além deste lançamento, este é o primeiro registro da PDM como um duo, “apenas” com baixo e bateria, um formato de certa maneira inédito dentro do som proposto pelo grupo. Produzido pelo Irmão Carlos e contando com participações especiais e colaborações, o disco é um verdadeiro pé na porta ao longo das dezesseis faixas e vinte e oito minutos de som.

O cd abre com Punk Rock é Reação! E já se percebe o quanto o som está bem preenchido. Nela, o baixo faz a chamada para a pegada rápida e explosiva da faixa, com um texto, de parceria entre Bidido e Wilson PDM, que alerta para o fato de que se ficarmos somente nas redes sociais, nada será conquistado. Com uma pegada mais crossover, Convicção, Ideia ou Crença e Nada Desfaz imprimem mais velocidade a obra. Com letra do Sandro Ornellas, A Festa tem um punch mais forte e mais raivoso, com uma letra de crítica social sem firulas. Depois dela, Um Banho Gelado no Mar Egeu surge como uma das composições mais surpreendentes do disco. A sua introdução com os teclados de Durval Oliveira, um andamento mais pop e a letra inteligente do Lima Trindade, que faz referencia à questão da crise dos refugiados, geram uma boa surpresa nos ouvintes e não foge à coerência do som. Sedentário é um convite para as rodas de pogo e é uma boa crítica àqueles parasitas que fazem nada da vida e que vivem se fazendo de vítima de tudo. Em Estragados a PDM mete o dedo na ferida do ser humano que é mal caráter e em Not Dead a dupla desacelera com uma canção de refrão digno de se tornar um grito de guerra.

Com letra de Tony Lopes, Filhos da Puta retoma a alta velocidade sonora e faz uma chamada para irmos à luta contra a quem nos oprime. Sem Nada Mudar e Egoísmo chegam com vigor. Quarteto III é mais um ótimo momento de Reação!, traz consigo rapidez e raiva, com uma mensagem sincera sobre se manter bem e distante de quem ou o que nos causa mal. Vivendo na Culpa traz a questão da busca pelo bem estar através do consumismo que pode levar a um ciclo infinito de euforia instantânea seguida de um vazio e as consequências que isso pode trazer. Palavras é uma verdadeira porrada no pé do ouvido de vinte e três segundos, que versa sobre como as palavras têm poder, uma verdade universal com apoio dos backing vocais guturais do Fauro. A sequencia final, com Página 81 (letra também de Tony Lopes) e Reaja ou Vire Escravo, encerra muito bem o cd com energia de sobra e com mensagem direta e reta para que o indivíduo acorde, levante e faça algo. Reaja!


Em Reação!, a Pastel de Miolos atesta a ótima banda que é e porque figura dentre as melhores do país quando o assunto e punk rock. Creio que tenha sido um desafio grande para a dupla gravar este disco, considerando a mudança na sua formação e a decisão de seguir como se encontra hoje. O ótimo texto da dupla, as influências do metal e os efeitos no baixo extraídos de pedais, vindas do André, e o punk, trazidas pela grande bagagem do Wilson, moldaram bem a musica dessa fase da PDM, criando uma identidade musical de mais personalidade sem perder o perfil punk. É claro que existem outras tantas bandas que se apresentam no esquema baixo/bateria/vocal, em outros gêneros musicais, mas nesse caso há de se atentar para essa condição de se reinventar e não deixar para trás o seu passado importante. Talvez a Pastel de Miolos tenha aberto uma nova porta para o punk rock!

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida