Pular para o conteúdo principal

Caos sonoro e novas possibilidades. Por Leo cima.




A veterana do cenário rocker baiano, Modus Operandi, tem uma discografia respeitável que provoca e instiga a quem a escuta. Ao longo de mais de duas décadas de atuação, o quarteto vem mostrando o seu turbilhão musical gótico e industrial (eles vão muito além disso) de maneira cada vez mais presente na cena, com letras realistas e cruas, e com uma formação pouco comum dentro do rock, na qual há a ausência do instrumento ícone do gênero, a guitarra, com uma percussão e furadeira em seu lugar, acompanhadas pelo baixo, bateria e sintetizador. Essa não é nem uma questão de substituição de um instrumento pelo outro! O fato é que eles chegam no seu mais recente trabalho consolidando a sua música e abrindo novos caminhos para ela.

Ainda no final do ano de 2017, a banda soteropolitana lançou o ...Vício, ...Virtude, ...Violência..., certamente um dos mais aguardados daquela temporada. Essa expectativa não aconteceu a toa! Por um longo período, isso já em 2016, o grupo entrou em uma frequência significativa de apresentações que dura até hoje. Desde então, os rapazes puderam experimentar novas músicas nos seus shows e assim, dar corpo de forma mais robusta a suas novidades sonoras dentro do estúdio. Ainda na segunda metade deste mesmo ano, o quarteto registrou o seu mais novo trabalho e adentrou no ano seguinte já inserindo no repertório de suas apresentações as faixas do novo EP. Para a banda, pratica-las ao vivo conferiu uma segurança melhor dos seus arranjos e uma proximidade com a sua audiência, além de desenvolver o seu entrosamento no palco. Isso fez com que, quando lançado, o seu novo trabalho chegasse forte às mãos do seu público e demais admiradores agregados ao longo do caminho. Não foi algo feito para ver se as novas composições funcionavam, uma vez que elas já estavam gravadas, foi a simples espontaneidade e honestidade artística que estabeleceram a comunicação entre ambas as partes.

O disco abre com a banda mantendo o seu espírito artístico, de não estar presa a formatos convencionais das bandas de rock, em não ficar também detida ao seu próprio formato instrumental, e não utilizam um determinado instrumento de seu setup, trazendo a presença de outro não antes usado pelos rapazes em um disco. M.A.L. dá bastante espaço para a gaita e deixa a bateria (ambos instrumentos tocados por Eduardo dEUS) em stand by para dar um clima densamente soturno, com o baixo e a furadeira em um som sincronizado em meio a uma atmosfera psicodelicamente nublada criada pelo sintetizador. Além disso, o baixista Henrique Letárgico assume os vocais da faixa. Em U.M.A. o quarteto mantém a densidade, porém ao mesmo tempo mais pesada e empolgante. A linha de baixo para esta canção, o longo dela, chama bastante atenção pelas suas variações sutis, assim como o berimbau aparecendo em momentos específicos, pontuando o dialogo bem feito entre a furadeira e a bateria, que surge aqui firme e marcante. Os vocais raivosos de David Vertigo ganham força no expressivo refrão.

Barbárie, assim como a sua antecessora, é um momento de destaque de ...Vício, ...Virtude, ...Violência..., trazendo à tona a real cidade de Salvador exatamente como ela é, desnudada de toda a sua festividade perfeita, daquela alegria associada durante o ano inteiro a um carnaval interminável, porém violenta de várias maneiras. Sempre com a ótima interpretação vocal indignada, as diversas faces dos crimes e da crueldade humana na capital baiana aparecem no texto de mãos dadas com um bairro daqui. Mas não se engane, Salvador é uma só! Curiosamente, esta é uma música bastante dançante e é presença certa nos shows dos rapazes. Certamente já é um clássico do rock baiano, atemporal e que provavelmente dure por vários verões. Dando continuidade com o EP, Ad Baculum surge com uma batida tribal e não deixa a empolgação da obra cair. Nela, os vocais, assumidos pelo percussionista Marcos Sampaio, acompanha a tensão da música que segue a um climax explosivo e vertiginoso ao final dos seus menos de dois minutos. Psicografia chega com uma batida minimalista, que se mistura com um inusitado e bem vindo baião, botando para fora em sua letra algumas verdades ácidas de maneira urgente e inteligente, sem dar espaço para o ouvinte ter fôlego. Mais uma vez com os vocais de Marcos Sampaio, Holocausto encerra o disco pintando um cenário devastador, atormentado e aterrorizador de descaso e mal trato humano, com o som da banda executando um som industrial em repetição, com se fosse um mantra, repetindo o título da faixa, se estendendo por um pouco mais de dez minutos com o som solitário da furadeira até o seu final.

Com ...Vício, … Virtude, ...Violência... a Modus Operandi entrega, até agora, o seu disco mais maduro e mais livre para fazer música e arte da maneira que bem entender e processar internamente. Se permitir a não ficar tão seguro a sua tradicional proposta musical, se arriscar a sair de uma zona de conforto, para ousar mais e atingir novos níveis artisticamente provocativos, que fazem pensar e instigar o ouvinte, foram passos importantes para a banda. Esse EP abre um leque de possibilidades para a M.O. em suas próximas investidas e vai se manter vigoroso por muito tempo.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso