Pular para o conteúdo principal

Caos sonoro e novas possibilidades. Por Leo cima.




A veterana do cenário rocker baiano, Modus Operandi, tem uma discografia respeitável que provoca e instiga a quem a escuta. Ao longo de mais de duas décadas de atuação, o quarteto vem mostrando o seu turbilhão musical gótico e industrial (eles vão muito além disso) de maneira cada vez mais presente na cena, com letras realistas e cruas, e com uma formação pouco comum dentro do rock, na qual há a ausência do instrumento ícone do gênero, a guitarra, com uma percussão e furadeira em seu lugar, acompanhadas pelo baixo, bateria e sintetizador. Essa não é nem uma questão de substituição de um instrumento pelo outro! O fato é que eles chegam no seu mais recente trabalho consolidando a sua música e abrindo novos caminhos para ela.

Ainda no final do ano de 2017, a banda soteropolitana lançou o ...Vício, ...Virtude, ...Violência..., certamente um dos mais aguardados daquela temporada. Essa expectativa não aconteceu a toa! Por um longo período, isso já em 2016, o grupo entrou em uma frequência significativa de apresentações que dura até hoje. Desde então, os rapazes puderam experimentar novas músicas nos seus shows e assim, dar corpo de forma mais robusta a suas novidades sonoras dentro do estúdio. Ainda na segunda metade deste mesmo ano, o quarteto registrou o seu mais novo trabalho e adentrou no ano seguinte já inserindo no repertório de suas apresentações as faixas do novo EP. Para a banda, pratica-las ao vivo conferiu uma segurança melhor dos seus arranjos e uma proximidade com a sua audiência, além de desenvolver o seu entrosamento no palco. Isso fez com que, quando lançado, o seu novo trabalho chegasse forte às mãos do seu público e demais admiradores agregados ao longo do caminho. Não foi algo feito para ver se as novas composições funcionavam, uma vez que elas já estavam gravadas, foi a simples espontaneidade e honestidade artística que estabeleceram a comunicação entre ambas as partes.

O disco abre com a banda mantendo o seu espírito artístico, de não estar presa a formatos convencionais das bandas de rock, em não ficar também detida ao seu próprio formato instrumental, e não utilizam um determinado instrumento de seu setup, trazendo a presença de outro não antes usado pelos rapazes em um disco. M.A.L. dá bastante espaço para a gaita e deixa a bateria (ambos instrumentos tocados por Eduardo dEUS) em stand by para dar um clima densamente soturno, com o baixo e a furadeira em um som sincronizado em meio a uma atmosfera psicodelicamente nublada criada pelo sintetizador. Além disso, o baixista Henrique Letárgico assume os vocais da faixa. Em U.M.A. o quarteto mantém a densidade, porém ao mesmo tempo mais pesada e empolgante. A linha de baixo para esta canção, o longo dela, chama bastante atenção pelas suas variações sutis, assim como o berimbau aparecendo em momentos específicos, pontuando o dialogo bem feito entre a furadeira e a bateria, que surge aqui firme e marcante. Os vocais raivosos de David Vertigo ganham força no expressivo refrão.

Barbárie, assim como a sua antecessora, é um momento de destaque de ...Vício, ...Virtude, ...Violência..., trazendo à tona a real cidade de Salvador exatamente como ela é, desnudada de toda a sua festividade perfeita, daquela alegria associada durante o ano inteiro a um carnaval interminável, porém violenta de várias maneiras. Sempre com a ótima interpretação vocal indignada, as diversas faces dos crimes e da crueldade humana na capital baiana aparecem no texto de mãos dadas com um bairro daqui. Mas não se engane, Salvador é uma só! Curiosamente, esta é uma música bastante dançante e é presença certa nos shows dos rapazes. Certamente já é um clássico do rock baiano, atemporal e que provavelmente dure por vários verões. Dando continuidade com o EP, Ad Baculum surge com uma batida tribal e não deixa a empolgação da obra cair. Nela, os vocais, assumidos pelo percussionista Marcos Sampaio, acompanha a tensão da música que segue a um climax explosivo e vertiginoso ao final dos seus menos de dois minutos. Psicografia chega com uma batida minimalista, que se mistura com um inusitado e bem vindo baião, botando para fora em sua letra algumas verdades ácidas de maneira urgente e inteligente, sem dar espaço para o ouvinte ter fôlego. Mais uma vez com os vocais de Marcos Sampaio, Holocausto encerra o disco pintando um cenário devastador, atormentado e aterrorizador de descaso e mal trato humano, com o som da banda executando um som industrial em repetição, com se fosse um mantra, repetindo o título da faixa, se estendendo por um pouco mais de dez minutos com o som solitário da furadeira até o seu final.

Com ...Vício, … Virtude, ...Violência... a Modus Operandi entrega, até agora, o seu disco mais maduro e mais livre para fazer música e arte da maneira que bem entender e processar internamente. Se permitir a não ficar tão seguro a sua tradicional proposta musical, se arriscar a sair de uma zona de conforto, para ousar mais e atingir novos níveis artisticamente provocativos, que fazem pensar e instigar o ouvinte, foram passos importantes para a banda. Esse EP abre um leque de possibilidades para a M.O. em suas próximas investidas e vai se manter vigoroso por muito tempo.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho.
Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que tocavam apenas covers de banda…