Pular para o conteúdo principal

Sombras sonoras. Por Leo Cima.




Nesta próxima sexta feira (12/04/2019), às 20:00 horas, na Bardos Bardos, Rio Vermelho, o compositor, guitarrista, e agora cantor, Leonardo Panço lança o seu mais recente trabalho, Sombras, assim como o seu fanzine Esopsa (com fotografias e textos de sua viagem à Berlim há alguns anos) e também o livro-disco Superfícies. A noite ainda conta com os soteropolitanos da Rosa Idiota, que se apresentam na casa tocando o seu mais recente repertório.

Este é o terceiro disco da carreira solo do ex-guitarrista da banda carioca Jason e o primeiro assumindo os vocais de suas composições. Tempos (2014) possui cantores convidados e Superfícies (2016) é completamente instrumental. Sombras se distancia bastante do som do grupo que o Panço fez parte e para a sua nova investida, em termos de formato, aposta em uma mídia que, aos poucos, vem ganhando espaço novamente: a fita K7. Um formato físico diferente e interessante (a depender de como você vai usa-lo) em um meio no qual o CD e o LP ainda são muito fortes.

O disco abre com Um Tanto de Mim, faixa com energia e pegada post-hardcore. As texturas do sintetizador que permeiam a composição indicam o psicodelismo presente nela, assim como o teor igualmente psicodélico da letra, contendo reflexões existenciais! Em seguida, cantada em espanhol e em português, vem Nadie Te Quita Lo Bailado, evocando um ambiente predominantemente mais atmosférico, lembrando o Porno for Pyros em um bom momento da sua fase Good God's Urge, isso em meio a guitarras de timbres sonicyouthianos. Assim segue em Por Aí, que possui guitarras em eco, com sonoridade que se relaciona à musica vinda do oriente médio, com nuances de sons de percussão e piano, e batidas dançantes de maneira vagarosa, como em um sentido inverso de uma música eletrônica em uma anti-rave, entonando o mantra "feeling free to walk/andando livre". Interessante! Technicolor, a menor faixa do cd, tem parceria do Panço com o Rodrigo Sputter (The Honkers) na letra e aparece como um indie/dream pop, com timbres nostálgicos e vocais melancólicos. Em seguida, vem a belíssima Like Sunday, onde Panço divide os vocais com Marcelo Xhá (que também assina a letra), trazendo uma melodia misteriosa, bons insights vocais e linha de baixo bem construída. Ela segue a corrente alternative rock noventisa norte americana, uma balada que em seu texto se refere as atribulações do cotidiano, mas que caminha esperançosa em seu fim.

Um Ódio Tranquilo é mais tensa e chega com uma temática que reflete a situação politica atual que vive o país e o mundo, onde o desrespeito, a intolerância e convicções unilaterais acabam por legitimar o ódio, que muita gente comete ou replica gratuitamente por esporte. Com Mais uma Vez, Panço traz uma canção que lembra sons low-fi, porém longe de ter baixa qualidade sonora. Novamente em parceria com Sputter, Quando pinta uma paisagem surreal, sombria e de certa maneira triste, com bons arranjos de guitarra com uma pegada guitar band. Ainda com a letra do vocal da Honkers, João traz uma ótima interpretação da composição, uma balada genuinamente shoegaze, que evoca a força da órbita de Júpiter e vocalizações melancólicas. Encerrando a obra, Mais Livre se inicia e termina com guitarra e sintetizador criando uma atmosfera psicodélica espacial, quase em transe, embalando uma letra que narra rapidamente uma trip suave.

Em pouco mais de vinte minutos, Sombras é um prato cheio para quem gosta de indie rock e que, ao mesmo tempo, não quer se prender a formatos musicais estabelecidos. O disco não soa contra cultural e é rico em referências. Os vocais são despretensiosos e verdadeiros, e as composições do Panço visitam de maneira moderna e madura o ambiente noventista do rock, além de abrir espaço para outros compositores abrilhantarem este seu recém lançamento. A obra acerta em melancolia, psicodelismo, certa atmosfera sombria, guitarras e uma cozinha objetiva, tudo dentro de uma sonoridade coesa. Neste momento em que termino de escrever esta resenha, a rádio toca 7 Seconds, do Youssou N'Dour com a Neneh Cherry, já é final de tarde e começa a escurecer. Então, toco Sombras novamente!

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso