Pular para o conteúdo principal

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Invena.



O Portal Soterorock aproveita a chegada da quarta edição do Soterorock Sessions e estréia uma nova série: a "Discoteca Básica Soterorock Apresenta". Nela, os músicos das bandas convidadas escolhem, no mínimo, dois discos que consideram importantes no rock, e falam sobre a importância de cada um deles em suas carreiras, como os influenciaram antes e como continuam relevantes atualmente. Uma ótima maneira de entender melhor e desvendar a música de um grupo.

Inaugurando a série, nada mais justo que a Invena, primeira banda anunciada da quarta edição do Soterorock Sessions, trazer aqui quais discos moldaram os seus músicos, quais sons formaram as suas características e que levaram o conjunto a ter a veia musical que possui, tudo em suas próprias visões. A relação pessoal de cada um com as obras é o grande destaque aqui desta edição. Boa leitura e veja se se identificou com algo!

Adamis Ribeiro (baterista)


Van Halen - 5150/Balance





Sou um músico apaixonado por bandas da década de 80/90. Poderia citar várias como: Journey, Kansas, Europe, Survivor, porém tem sempre alguma que se destaca e na minha humilde opinião, sem dúvidas, é o Van Halen. Gosto de todas as três fases, mas aquela que mais gosto é a de Sammy Hagar, onde além de ser uma fase de muita melodia e musicalidade Alex (baterista) está excelente. Destaque para faixas como I Can't Stop Love You, o Why Can't This be love, entre outras. Sua musicalidade, pegada e timbre são fortes e destacam a música valorizando-a ainda mais.


Transatlantic - Bridge Across Forever




A minha outra grande referência e influência na minha maneira de tocar é Mike Portnoy (muita gente vai falar, mas você toca Pop Rock, onde é que entra o metal progressivo no seu estilo?). Pois o rock progressivo abre sua mente de tal forma que vc passa a ver a música de forma diferente e sente que pode tocar as coisas de uma outra maneira fugindo do convencional. Já toquei em uma banda de rock progressivo e foi uma experiencia fora do comum (banda Ancorah), e, poderia citar vários discos do Dream Theater. Porém a somatória de Mike pra mim foi um disco que ele fez com sua outra banda, o Transatlantic, no disco Bridge Across Forever. Um CD com 4 músicas surpreendentes onde eu aconselho a qualquer amante de boa música ouvir. Diria que é uma mistura de Roupa Nova com Rush. Essa é a comparação. Super indico esse disco espetacular!

Yohan Mesquita (baixista)


Sempre tive dificuldade em falar de bandas através dos seus álbuns. A sonoridade evolui, amadurece e isso acaba sendo uma faca de dois gumes. Decidi falar de 5 álbuns que carrego como influências (não necessariamente refletidas no que toco) e deixarei uma indicação de música para cada álbum.

Rancore - Liberta




Liberta é a minha filosofia de vida. Fala sobre o seu eu interior, de como você interage com o universo ao seu redor e como ele corresponde. O álbum tem letras simples, mas que trazem toneladas de reflexões, desde a relação entre bem e mau, passando pelo Mito da Caverna de Platão e chegando a idéia de contemplar o escuro pessoal. Aquele Hardcore moleque feito com bastante seriedade.
Indicação: Escadacronia

Rage Against the Machine - Rage Against the Machine




Minha admiração por RATM é absurda e nesse álbum ainda mais. Um dos poucos álbuns que toco na íntegra!! A visceralidade mostrada aqui é sem igual. Acho que dispensa comentários essa obra prima.
Indicação: Wake Up

Cidade Negra - Enquanto O Mundo Gira




Sabe aquele álbum bem excluído que até a banda esquece dele e não toca nenhuma música em shows ao vivo? É esse álbum. E acredite, é um grande álbum, produção incrível do mestre Liminha, arranjos bem bonitos, etc. Nenhum hit de sucesso, mas ainda acho o melhor álbum da Cidade Negra.
Indicação: Mandem

Pat Metheny Group - Still Life (Talking)




Eu cresci ouvindo Pat Metheny e não fazia idéia. Meu pai sempre gostou muito de música instrumental, e Pat Metheny sempre esteve dentre os artistas que ele mais ouvia. Depois de muitos anos, um amigo me mostrou esse álbum, e eu, com um pouco mais de maturidade musical, passei a prestar mais atenção e ele me despertou coisas novas. Pra quem gosta de Jazz Fusion, é um prato cheio.
Indicação: It's Just Talk

Minus the Bear - Planet of Ice




Pra finalizar, trouxe algo que pra mim é relativamente novo, o Math Rock. Tive o primeiro contato com o gênero com o álbum Newborn Sun da banda CHON, me apaixonei pelo estilo e comecei a estudar um pouco mais a fundo até chegar em Minus the Bear e ver que são influência de bandasa brasileiras que escuto bastante como Supercombo e Menores Atos. Planet of Ice é um puta álbum com timbragens muito únicas e o mundo precisa conhecer esse álbum!!
Indicação: Knights

Suzi Almeida (vocalista)

Pra mim que sou quase que movida à música, escolher apenas dois álbuns no meio de tantos outros e tantas outras bandas que amo e que marcaram minha vida, é uma missão quase impossível! Mas, para atender a essa missão, levei em consideração fases diferentes da minha vida e, além disso, o fato de eu ainda hoje ter vontade e querer ouvi-los. Quando fazemos música, ou somos parte de uma banda, é fato que nossas influências musicais vão junto, e neste contexto, escolhi 2 álbuns que até hoje podem me trazer referências musicais.


Legião Urbana - Dois



Vou começar falando do álbum Dois da Legião Urbana. A banda posso dizer que foi trilha sonora de toda minha adolescência, meu período de colégio, saída de casa e etc. Legião Urbana faz parte de nossas vidas até hoje. Este álbum em especial, foi o escolhido pelo fato de que simplesmente sinto até hoje uma vontade absurda de ouvi-lo em alto e bom som, e o melhor, quero ouvir em CD físico, para deixar a viagem nostálgica ainda mais presente. Posso deixar esse álbum rolar inteiro sem pular faixa, e Daniel na Cova dos Leões que me mata sempre! Ele foi lançado em 1986, e meu contato com ele foi ao início da década de 1990 através de uma fita k7 e de lá pra cá, nunca mais saiu de minha vida e é sem dúvidas influenciador em composições ou pitacos musicais.


Pearl Jam - Vitalogy



O segundo álbum escolhido embalou uma fase bem diferente de minha vida, eu já não era mais adolescente, já morava longe de casa há algum tempo e foi no ano em que eu vim morar aqui em Salvador o meu 1° contato com ele. Estou falando do Vitalogy, da Pearl Jam. Este álbum foi lançado em 1994, e eu só conheci essa pérola em 2001, imagina!!! A
través da música Nothingman, que foi de fato a primeira música que conheci da banda e que me fez pesquisar e querer saber e me tornar fã de carteirinha da mesma, foi que cheguei a esse álbum que sem dúvidas marcou minha vida. Marca pelos sons fortes que entoam, por me introduzir de vez no universo grunge que me identifiquei de cara e que marcou bem aquela fase de minha vida que cheguei novata nesta cidade, meio revoltada e numa fase difícil na época. O álbum me chamou logo atenção de cara pela capa, aquela coisa diferente, parecendo uma caixinha de papelão, com um preto surrado e que quando você a abria encontrava um livrinho cheio de fotos da banda e de anotações das próprias composições com a letra de Eddie Vedder. Amei e amo até hoje. Então é isso, já que eram apenas 2 álbuns, escolhi estes dois por ainda fazerem parte da minha trilha sonora pessoal, por me trazerem influências musicais e por terem marcado minha vida.


Pedro Jorge Oiticica (guitarrista)


The Stooges - Fun House



No rastro dessa banda insana capitaneada pelo mestre Iggy Pop, um disco que me mostrou o lado mais obscuro e polêmico do rock com riffs marcantes e hipnóticos. Punk rock em estado bruto e primitivo. Foi para mim um direto e certeiro soco no estômago.

Husker Dü - Warehouse: songs and stories



Uma das que figuram entre as minhas 10 melhores bandas de rock. Um trio comandado pelo excelente músico e compositor, Bob Mould, que encerra os trabalhos com um disco com arranjos belíssimos e músicas ganchudas. Importante ressaltar que este disco moldou bandas como:  Pixies, Nirvana, Dinosaur Jr e o Seaweed.

Joy Division - Closer


É um disco inovador e cheio de fusões sonoras, música eletrônica, punk, psicodelia. Recheado de letras noturnas e existenciais que culminou no suicídio do seu líder e enigmático vocalista, Iam Curtis. Assim um estilo próprio e ímpar para minhas referências musicais, sendo uma fonte inesgotável de ideias.

The Modern Lovers - The Modern Lovers



Liderados pelo genial Jonathan Richman, dizem que eram o paraíso entre The Stooges e o Velvet Underground com pitadas da seminal New York Dolls. Este disco me fez ficar fã da banda e me influenciou consideravelmente na forma de compor e tocar.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…