Pular para o conteúdo principal

Rock em fim de tarde de um domingo ensolarado. Por Leo Cima.



No último dia quatorze de abril aconteceram  várias coisas, tantas que a agenda quase não deu conta para conferir tudo. Teve o primeiro jogo da final do baianão, o retorno de Game of Thrones em sua última temporada e, não menos importante, o show de lançamento do disco de estreia da Dom Sá, que contou com a abertura da banda Invena! Fiquei dividido, mas a musica mais uma vez falou mais alto e priorizei o encontro com ela naquela tarde ensolarada de domingo.

A gig foi no 30 Segundos, ótima casa que se encontra no Rio Vermelho e que periodicamente abre suas portas para o rock autoral da Bahia. As bandas em questão são bem próximas em suas propostas sonoras e a expectativa era de haver uma sinergia de sons que viria a agradar a quem estivesse presente no evento. Quando cheguei no local ele ainda se encontrava vazio, o público foi chegando de maneira tímida, mas ao longo do período foi se fazendo em mais volume. A ansiedade em tocar era visível nos músicos dos dois conjuntos e isso teve uma consequência positiva no que veio adiante em suas atuações.

Sem muita espera, a Invena subiu ao palco para a sua primeira apresentação do ano. Estreando sua nova formação, dessa vez com o baixista Yohan Mesquita no posto, o repertório bem ensaiado do quarteto, também formado por Suzi Almeida (vocal), PJ Oiticica (guitarra) e Ádamis Ribeiro (bateria), que vem há quatro anos tocando frequentemente na cena local, se refletiu na segurança e no bom desempenho do mais recém chegado ao grupo. O seu repertório autoral, fincado no pop rock e cada vez mais cheio de personalidade, também abriu espaço para algumas versões de outros artistas, mesmo que estas sejam cada vez menos presentes em seus shows.

O carisma da banda se fez presente mais uma vez e deu mais potência à sua performance, que foi bem percebida por quem já se encontrava por lá. Houve também composição novíssima e inédita do conjunto nesta ocasião com Alice, de pegada rock Brasil anos 1990 e refrão grudento, marca forte da banda. A sequência de canções escolhida pela banda funcionou bastante na matinê e agradou muito a quem, inclusive, não a conhecia, atraiu a audiência para vê-la na frente do palco e esquentou o clima do lugar para os anfitriões da festa.

Logo em seguida, a Dom Sá entrou com vontade para tocar as faixas do seu disco homônimo, as alternando com alguns covers. Com a casa cheia, o quinteto se saiu muito bem na execução de suas composições. Esta não foi a minha primeira oportunidade de ver os rapazes em ação, mas foi o momento em que, para além da festividade do lançamento do seu cd, o conjunto tocou em um local que deu para perceber melhor a sua musica. A sonoridade promovida pela casa deu mais brilho ao som ensolarado da Dom Sá, que transita entre o BRock e o pop, passando pelo reggae e com letras leves e descontraídas.

Fazem parte do perfil dos rapazes boas composições com potencial radiofônico, riffs firmes e boa comunicação com a plateia, que por sua vez já estava em maior número durante a sua apresentação e que cantava junto boa parte das suas canções. Um ponto de destaque no show do grupo foi a participação especial da candora Andreia Lemos na música Recados, na qual ela também aparece no EP fazendo dueto com o vocalista Thiago Peralva.

Com as boas energias vibrando pelo lugar após o término da jornada musical, as duas chamaram a atenção pela demonstração de segurança das suas músicas em cima do tablado. Ambas também vivem um bom momento de suas carreiras, fazendo muito shows pela cidade e sempre disponibilizando material novo para seus seguidores, seja nas redes sociais, ou nas suas aparições ao vivo. Aqui, cada uma seguiu essa lógica e, em celebração, animou e agradou a quem saiu de casa em meio a tanta opção de lazer, mas que preferiu privilegia-las.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso