Pular para o conteúdo principal

Rock em fim de tarde de um domingo ensolarado. Por Leo Cima.



No último dia quatorze de abril aconteceram  várias coisas, tantas que a agenda quase não deu conta para conferir tudo. Teve o primeiro jogo da final do baianão, o retorno de Game of Thrones em sua última temporada e, não menos importante, o show de lançamento do disco de estreia da Dom Sá, que contou com a abertura da banda Invena! Fiquei dividido, mas a musica mais uma vez falou mais alto e priorizei o encontro com ela naquela tarde ensolarada de domingo.

A gig foi no 30 Segundos, ótima casa que se encontra no Rio Vermelho e que periodicamente abre suas portas para o rock autoral da Bahia. As bandas em questão são bem próximas em suas propostas sonoras e a expectativa era de haver uma sinergia de sons que viria a agradar a quem estivesse presente no evento. Quando cheguei no local ele ainda se encontrava vazio, o público foi chegando de maneira tímida, mas ao longo do período foi se fazendo em mais volume. A ansiedade em tocar era visível nos músicos dos dois conjuntos e isso teve uma consequência positiva no que veio adiante em suas atuações.

Sem muita espera, a Invena subiu ao palco para a sua primeira apresentação do ano. Estreando sua nova formação, dessa vez com o baixista Yohan Mesquita no posto, o repertório bem ensaiado do quarteto, também formado por Suzi Almeida (vocal), PJ Oiticica (guitarra) e Ádamis Ribeiro (bateria), que vem há quatro anos tocando frequentemente na cena local, se refletiu na segurança e no bom desempenho do mais recém chegado ao grupo. O seu repertório autoral, fincado no pop rock e cada vez mais cheio de personalidade, também abriu espaço para algumas versões de outros artistas, mesmo que estas sejam cada vez menos presentes em seus shows.

O carisma da banda se fez presente mais uma vez e deu mais potência à sua performance, que foi bem percebida por quem já se encontrava por lá. Houve também composição novíssima e inédita do conjunto nesta ocasião com Alice, de pegada rock Brasil anos 1990 e refrão grudento, marca forte da banda. A sequência de canções escolhida pela banda funcionou bastante na matinê e agradou muito a quem, inclusive, não a conhecia, atraiu a audiência para vê-la na frente do palco e esquentou o clima do lugar para os anfitriões da festa.

Logo em seguida, a Dom Sá entrou com vontade para tocar as faixas do seu disco homônimo, as alternando com alguns covers. Com a casa cheia, o quinteto se saiu muito bem na execução de suas composições. Esta não foi a minha primeira oportunidade de ver os rapazes em ação, mas foi o momento em que, para além da festividade do lançamento do seu cd, o conjunto tocou em um local que deu para perceber melhor a sua musica. A sonoridade promovida pela casa deu mais brilho ao som ensolarado da Dom Sá, que transita entre o BRock e o pop, passando pelo reggae e com letras leves e descontraídas.

Fazem parte do perfil dos rapazes boas composições com potencial radiofônico, riffs firmes e boa comunicação com a plateia, que por sua vez já estava em maior número durante a sua apresentação e que cantava junto boa parte das suas canções. Um ponto de destaque no show do grupo foi a participação especial da candora Andreia Lemos na música Recados, na qual ela também aparece no EP fazendo dueto com o vocalista Thiago Peralva.

Com as boas energias vibrando pelo lugar após o término da jornada musical, as duas chamaram a atenção pela demonstração de segurança das suas músicas em cima do tablado. Ambas também vivem um bom momento de suas carreiras, fazendo muito shows pela cidade e sempre disponibilizando material novo para seus seguidores, seja nas redes sociais, ou nas suas aparições ao vivo. Aqui, cada uma seguiu essa lógica e, em celebração, animou e agradou a quem saiu de casa em meio a tanta opção de lazer, mas que preferiu privilegia-las.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…