Pular para o conteúdo principal

Rock em fim de tarde de um domingo ensolarado. Por Leo Cima.



No último dia quatorze de abril aconteceram  várias coisas, tantas que a agenda quase não deu conta para conferir tudo. Teve o primeiro jogo da final do baianão, o retorno de Game of Thrones em sua última temporada e, não menos importante, o show de lançamento do disco de estreia da Dom Sá, que contou com a abertura da banda Invena! Fiquei dividido, mas a musica mais uma vez falou mais alto e priorizei o encontro com ela naquela tarde ensolarada de domingo.

A gig foi no 30 Segundos, ótima casa que se encontra no Rio Vermelho e que periodicamente abre suas portas para o rock autoral da Bahia. As bandas em questão são bem próximas em suas propostas sonoras e a expectativa era de haver uma sinergia de sons que viria a agradar a quem estivesse presente no evento. Quando cheguei no local ele ainda se encontrava vazio, o público foi chegando de maneira tímida, mas ao longo do período foi se fazendo em mais volume. A ansiedade em tocar era visível nos músicos dos dois conjuntos e isso teve uma consequência positiva no que veio adiante em suas atuações.

Sem muita espera, a Invena subiu ao palco para a sua primeira apresentação do ano. Estreando sua nova formação, dessa vez com o baixista Yohan Mesquita no posto, o repertório bem ensaiado do quarteto, também formado por Suzi Almeida (vocal), PJ Oiticica (guitarra) e Ádamis Ribeiro (bateria), que vem há quatro anos tocando frequentemente na cena local, se refletiu na segurança e no bom desempenho do mais recém chegado ao grupo. O seu repertório autoral, fincado no pop rock e cada vez mais cheio de personalidade, também abriu espaço para algumas versões de outros artistas, mesmo que estas sejam cada vez menos presentes em seus shows.

O carisma da banda se fez presente mais uma vez e deu mais potência à sua performance, que foi bem percebida por quem já se encontrava por lá. Houve também composição novíssima e inédita do conjunto nesta ocasião com Alice, de pegada rock Brasil anos 1990 e refrão grudento, marca forte da banda. A sequência de canções escolhida pela banda funcionou bastante na matinê e agradou muito a quem, inclusive, não a conhecia, atraiu a audiência para vê-la na frente do palco e esquentou o clima do lugar para os anfitriões da festa.

Logo em seguida, a Dom Sá entrou com vontade para tocar as faixas do seu disco homônimo, as alternando com alguns covers. Com a casa cheia, o quinteto se saiu muito bem na execução de suas composições. Esta não foi a minha primeira oportunidade de ver os rapazes em ação, mas foi o momento em que, para além da festividade do lançamento do seu cd, o conjunto tocou em um local que deu para perceber melhor a sua musica. A sonoridade promovida pela casa deu mais brilho ao som ensolarado da Dom Sá, que transita entre o BRock e o pop, passando pelo reggae e com letras leves e descontraídas.

Fazem parte do perfil dos rapazes boas composições com potencial radiofônico, riffs firmes e boa comunicação com a plateia, que por sua vez já estava em maior número durante a sua apresentação e que cantava junto boa parte das suas canções. Um ponto de destaque no show do grupo foi a participação especial da candora Andreia Lemos na música Recados, na qual ela também aparece no EP fazendo dueto com o vocalista Thiago Peralva.

Com as boas energias vibrando pelo lugar após o término da jornada musical, as duas chamaram a atenção pela demonstração de segurança das suas músicas em cima do tablado. Ambas também vivem um bom momento de suas carreiras, fazendo muito shows pela cidade e sempre disponibilizando material novo para seus seguidores, seja nas redes sociais, ou nas suas aparições ao vivo. Aqui, cada uma seguiu essa lógica e, em celebração, animou e agradou a quem saiu de casa em meio a tanta opção de lazer, mas que preferiu privilegia-las.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,