Pular para o conteúdo principal

Soterorock Entrevista: Entre 4 Paredes.



Em mais uma ação relacionada à quarta edição do Soterorock Sessions, o Portal Soterorock reativou o seu espaço de entrevistas. Antes chamado Mais uma Cara do Rock Baiano, agora o Soterorock Entrevista traz uma conversa que tivemos com a Entre 4 Paredes, banda novata na cena, porém formada por músicos com longa experiência no cenário. Aqui, foi falado sobre a origem do sexteto, as suas expectativas, sua música e influências. Coloque a sua música predileta para escutar, acompanhe o nosso bate papo e não se esqueça: a quarta edição do Soterorock Sessions acontece neste sábado, dia 25/05, às 19:00 horas, no Buk Porão e com entrada a R$10,00.

Soterorockpolitano - Como foi o processo de formação da Entre 4 Paredes? A banda é formada por musicos experientes na cena, como foi juntar todos nessa nova empreitada?

Entre 4 Paredes - Não foi complicado!! Pois já éramos conhecidos, amigos e ex integrantes de bandas um pouco conhecidas no cenário, então pensamos nas pessoas certas para levar o trabalho da Entre 4 Paredes adiante. Nosso maior problema, no inicio da formação, foi encontrar um baterista. A banda foi formada em 2017 por Dark, primeiro baterista da Modus Operandi, e Bruno ex baixista da Almas Mortas. Agregam também Davi (Fantasma) Torres, ex Almas Mortas, e Aline, nos backing vocais, junto com o baterista Rafael, que logo em seguida foi substituído por Rogério. Inicialmente, a banda carregava o nome de Quarto do Medo, chegando a fazer um show de estreia no Buk Porão. Por motivos pessoais, o vocalista Dark optou por sair da banda na qual foram convidados a participar do grupo David Vertigo (tecladista) e Henrique Letárgico (vocal e guitarra base), ambos integrantes da Modus Operandi, e com afinidades similares para levar o trabalho adiante. A banda optou por mudar o nome para Entre 4 Paredes, pois, apesar de carregar muitas músicas do trabalho anterior, tínhamos a plena convicção que a sonoridade não seria a mesma. Atualmente a formação é: Bruno (baixo), Henrique Letárgico (vocais e guitarra base), Davi Fantasma (guitarra solo), Aline (backing vocal), David Vertigo (teclado) e Djerson (bateria).

SRP - Vendo a logo de vocês, dá a entender que o nome da banda se refere a questões psicológicas do ser humano. Estou certo, ou há mais significado além desse? Ou estou enganado?

E4P - O logo representa a inquietação do ser humano em seu estado mental, e onde guardamos todos os tipos de sentimentos e segredos, onde tudo acontece. Prisão pra alguns e casa para outros. Sobre o intimismo, a reflexão do eu, do espírito e mente, do bem e do mal que habitam dentro do ser humano.

SRP - Sobre o som do sexteto, percebi que vocês transitam pelo pos-punk, o gótico, o indie dos anos 1980/1990. Falem sobre as suas composições.

E4P - Nossas maiores influências são o pós punk, synthpop, gótico, e bandas nacionais anos 80 (com algumas pitadas dos anos 90). Nossas letras são em português, e os temas passeiam entre conflitos emocionais, frustrações, angustias, tristezas e amores.
O processo de criação é bem democrático: normalmente começa com arranjos de Davi e Bruno, que posteriormente são completados por David, Henrique e Dgerson, além da participação de Aline nos vocais.

SRP - Como vocês bem sabem, a cena local é um campo difícil e árduo de se empreender, muito por conta da estrutura oferecida por ela, como poucas casas que abrigam o gênero em suas pautas, para ficar em apenas um exemplo. Quais os desafios que o grupo, enquanto "novato" espera enfrentar no cenário?

E4P - Justamente encontrar uma boa estrutura para apresentarmos nossa sonoridade, seja com bons equipamentos, seja com respeito aos músicos. O que queremos é tocar, e muito! (rs).

SRP - De tempos em tempos, algum especialista musical sempre vem a público decretar a morte do rock, ou dizer o quanto ele está velho e ultrapassado e, ao mesmo tempo, anunciar a grande novidade semanal. O que vocês acham disso, o rock ainda tem fôlego para se segurar?

E4P - Nenhum estilo musical "morre"... o que acontece é que existem períodos cíclicos, altos e baixos. E mesmo assim temos sub estilos no rock que aparecem de formas diferentes: o metal sempre está em voga, mesmo o black metal, enquanto o punk rock ou o blues tiveram breves períodos de sucesso, mas voltaram ao underground. Iggy Pop, Rolling Stones, Ozzy Osbourne estão aí para provar que o rock é imortal!

SRP - Falando um pouco mais sobre a cena local, que se mantem efervescente mesmo em momentos de entresafra, me digam, o que de mais positivo e negativo vocês enxergam nela?

E4P - Negativo: poucos espaços com uma estrutura bacana, que permita ao músico e até mesmo ao público apreciar tudo de forma agradável, sem contar que o público hoje em dia e mais virtual que real (rs)! Positivo: bandas e estilos voltando com força total, com muita variedade para todos os gostos: do blues (Chocolate com  Blues) ao punk rock (Detrito Humano) e até o industrial (Célula Mekânika). Tem muita coisa boa rolando, basta sair da frente do celular/computador e curtir.

SRP - Para encerrar, eis mais um espaço para deixarem um recado direto para os nossos leitores. Fiquem a vontade!

E4P - Agradecemos ao espaço e à iniciativa deste evento e comunicamos que até o final do ano a Entre 4 Paredes vai lançar seu primeiro EP, fiquem ligados!

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção. Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia. Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, ess

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava