Pular para o conteúdo principal

Soterorock Entrevista: Entre 4 Paredes.



Em mais uma ação relacionada à quarta edição do Soterorock Sessions, o Portal Soterorock reativou o seu espaço de entrevistas. Antes chamado Mais uma Cara do Rock Baiano, agora o Soterorock Entrevista traz uma conversa que tivemos com a Entre 4 Paredes, banda novata na cena, porém formada por músicos com longa experiência no cenário. Aqui, foi falado sobre a origem do sexteto, as suas expectativas, sua música e influências. Coloque a sua música predileta para escutar, acompanhe o nosso bate papo e não se esqueça: a quarta edição do Soterorock Sessions acontece neste sábado, dia 25/05, às 19:00 horas, no Buk Porão e com entrada a R$10,00.

Soterorockpolitano - Como foi o processo de formação da Entre 4 Paredes? A banda é formada por musicos experientes na cena, como foi juntar todos nessa nova empreitada?

Entre 4 Paredes - Não foi complicado!! Pois já éramos conhecidos, amigos e ex integrantes de bandas um pouco conhecidas no cenário, então pensamos nas pessoas certas para levar o trabalho da Entre 4 Paredes adiante. Nosso maior problema, no inicio da formação, foi encontrar um baterista. A banda foi formada em 2017 por Dark, primeiro baterista da Modus Operandi, e Bruno ex baixista da Almas Mortas. Agregam também Davi (Fantasma) Torres, ex Almas Mortas, e Aline, nos backing vocais, junto com o baterista Rafael, que logo em seguida foi substituído por Rogério. Inicialmente, a banda carregava o nome de Quarto do Medo, chegando a fazer um show de estreia no Buk Porão. Por motivos pessoais, o vocalista Dark optou por sair da banda na qual foram convidados a participar do grupo David Vertigo (tecladista) e Henrique Letárgico (vocal e guitarra base), ambos integrantes da Modus Operandi, e com afinidades similares para levar o trabalho adiante. A banda optou por mudar o nome para Entre 4 Paredes, pois, apesar de carregar muitas músicas do trabalho anterior, tínhamos a plena convicção que a sonoridade não seria a mesma. Atualmente a formação é: Bruno (baixo), Henrique Letárgico (vocais e guitarra base), Davi Fantasma (guitarra solo), Aline (backing vocal), David Vertigo (teclado) e Djerson (bateria).

SRP - Vendo a logo de vocês, dá a entender que o nome da banda se refere a questões psicológicas do ser humano. Estou certo, ou há mais significado além desse? Ou estou enganado?

E4P - O logo representa a inquietação do ser humano em seu estado mental, e onde guardamos todos os tipos de sentimentos e segredos, onde tudo acontece. Prisão pra alguns e casa para outros. Sobre o intimismo, a reflexão do eu, do espírito e mente, do bem e do mal que habitam dentro do ser humano.

SRP - Sobre o som do sexteto, percebi que vocês transitam pelo pos-punk, o gótico, o indie dos anos 1980/1990. Falem sobre as suas composições.

E4P - Nossas maiores influências são o pós punk, synthpop, gótico, e bandas nacionais anos 80 (com algumas pitadas dos anos 90). Nossas letras são em português, e os temas passeiam entre conflitos emocionais, frustrações, angustias, tristezas e amores.
O processo de criação é bem democrático: normalmente começa com arranjos de Davi e Bruno, que posteriormente são completados por David, Henrique e Dgerson, além da participação de Aline nos vocais.

SRP - Como vocês bem sabem, a cena local é um campo difícil e árduo de se empreender, muito por conta da estrutura oferecida por ela, como poucas casas que abrigam o gênero em suas pautas, para ficar em apenas um exemplo. Quais os desafios que o grupo, enquanto "novato" espera enfrentar no cenário?

E4P - Justamente encontrar uma boa estrutura para apresentarmos nossa sonoridade, seja com bons equipamentos, seja com respeito aos músicos. O que queremos é tocar, e muito! (rs).

SRP - De tempos em tempos, algum especialista musical sempre vem a público decretar a morte do rock, ou dizer o quanto ele está velho e ultrapassado e, ao mesmo tempo, anunciar a grande novidade semanal. O que vocês acham disso, o rock ainda tem fôlego para se segurar?

E4P - Nenhum estilo musical "morre"... o que acontece é que existem períodos cíclicos, altos e baixos. E mesmo assim temos sub estilos no rock que aparecem de formas diferentes: o metal sempre está em voga, mesmo o black metal, enquanto o punk rock ou o blues tiveram breves períodos de sucesso, mas voltaram ao underground. Iggy Pop, Rolling Stones, Ozzy Osbourne estão aí para provar que o rock é imortal!

SRP - Falando um pouco mais sobre a cena local, que se mantem efervescente mesmo em momentos de entresafra, me digam, o que de mais positivo e negativo vocês enxergam nela?

E4P - Negativo: poucos espaços com uma estrutura bacana, que permita ao músico e até mesmo ao público apreciar tudo de forma agradável, sem contar que o público hoje em dia e mais virtual que real (rs)! Positivo: bandas e estilos voltando com força total, com muita variedade para todos os gostos: do blues (Chocolate com  Blues) ao punk rock (Detrito Humano) e até o industrial (Célula Mekânika). Tem muita coisa boa rolando, basta sair da frente do celular/computador e curtir.

SRP - Para encerrar, eis mais um espaço para deixarem um recado direto para os nossos leitores. Fiquem a vontade!

E4P - Agradecemos ao espaço e à iniciativa deste evento e comunicamos que até o final do ano a Entre 4 Paredes vai lançar seu primeiro EP, fiquem ligados!

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso