Pular para o conteúdo principal

Explosão e caos sonoro. Por Leonardo Cima.



Na última quarta feira de cinzas (26/02), os selos do Portal Soterorock, o SoteroRec e OCADISCOS, fizeram o seu mais novo lançamento, o Warm Up Big Bands - Soterorock Sessions 5, da banda soteropolitana Malgrada. Este foi também o segundo disco incluso na nossa série de bootlegs, a Bootlegs Originals, que possui a proposta de disponibilizar apresentações das bandas locais no mesmo esquema dos discos ao vivo não oficiais de grupos internacionais, bastante populares nos anos 1990.


Sem overdubs e com qualidade de som e performance, esse formato permite ao ouvinte escutar a banda gravada como ela é em ação em cima do palco, em um recorte dentro da sua carreira, de maneira desnuda, sincera e honesta. E o que você vai encontrar neste trabalho do trio baiano (se já o escutou, provavelmente você concorde com o que escreverei adiante) não é menos do que energia e intensidade em suas composições, uma entrega digna de ser apreciada por mais e mais vezes.


O show foi captado na noite do feriado de sete de setembro, na Bardos Bardos, dentro do evento de aquecimento para o Big Bands de 2019, o Warm Up Big Bands, apresenta: Soterorock Sessions 5. Toda a atmosfera do lugar favoreceu cada banda que se apresentou naquele dia, o que fez com que os rapazes da Malgrada (ainda com sua formação original) se sentissem mais à vontade em sua vez de tocar. Neste momento, ao assumirem seus respectivos lugares, tudo foi plugado e ajustado com rapidez, porém sem pressa, mas dentro de uma dinâmica que foi favorável para o seu desempenho. Daí para a primeira musica e da primeira musica em diante o trio parou pouco de tocar suas músicas, só para pegar um breve fôlego, falar o necessário com muito bom humor e seguir em frente sem cansaço.


Ao longo das onze faixas do seu setlist, a Malgrada fez um som grunge competente, com sonoridade forte, em um repertório de canções coerentes, convicta e segura do que se propõe a fazer. As quatro musicas do seu ótimo EP de estreia, o All Chaos are Inside (2018), aparecem aqui muito bem distribuídas ao longo da apresentação, intercaladas a cada duas composições inéditas, que mostram um caminho mais sólido dentro dos sons vindos de Seattle, porém apontando para além dessa influência, flertando com o post-hardcore e com o punk rock. Há até uma cover do Green Day (She) ao final deste show. Se percebe aqui também as performances seguras e virtuosas de cada um dos três músicos, com o baterista Breno Pires partindo pra cima do seu instrumento com viradas insanas, sem medo de ser feliz, com o então baixista Marcus Azevedo segurando a cozinha com seu baixo distorcido e com seus backing vocais raivosos, e com o frontman João Marques dosando bem os momentos distintos dos seus vocais e dando brilho aos acordes distorcidos da sua guitarra. Tudo isso com uma boa dose de velocidade sempre presente em gigs como essa, o que torna a coisa mais empolgante.


Se você ainda não conhece o som da Malgrada de perto, esse é um ótimo registro para o fazer, de certa maneira, pois dá para entrar em sintonia com a banda diante da execução impecável dessas musicas encontradas aqui. Não se esquecendo que será muito bom você poder comparecer no próximo show dos rapazes, prestigia-los in loco faz bem para todos, público, banda e cena.


Por hora, este disco terá apenas formato digital!

Comentários

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso