Pular para o conteúdo principal

Explosão e caos sonoro. Por Leonardo Cima.



Na última quarta feira de cinzas (26/02), os selos do Portal Soterorock, o SoteroRec e OCADISCOS, fizeram o seu mais novo lançamento, o Warm Up Big Bands - Soterorock Sessions 5, da banda soteropolitana Malgrada. Este foi também o segundo disco incluso na nossa série de bootlegs, a Bootlegs Originals, que possui a proposta de disponibilizar apresentações das bandas locais no mesmo esquema dos discos ao vivo não oficiais de grupos internacionais, bastante populares nos anos 1990.


Sem overdubs e com qualidade de som e performance, esse formato permite ao ouvinte escutar a banda gravada como ela é em ação em cima do palco, em um recorte dentro da sua carreira, de maneira desnuda, sincera e honesta. E o que você vai encontrar neste trabalho do trio baiano (se já o escutou, provavelmente você concorde com o que escreverei adiante) não é menos do que energia e intensidade em suas composições, uma entrega digna de ser apreciada por mais e mais vezes.


O show foi captado na noite do feriado de sete de setembro, na Bardos Bardos, dentro do evento de aquecimento para o Big Bands de 2019, o Warm Up Big Bands, apresenta: Soterorock Sessions 5. Toda a atmosfera do lugar favoreceu cada banda que se apresentou naquele dia, o que fez com que os rapazes da Malgrada (ainda com sua formação original) se sentissem mais à vontade em sua vez de tocar. Neste momento, ao assumirem seus respectivos lugares, tudo foi plugado e ajustado com rapidez, porém sem pressa, mas dentro de uma dinâmica que foi favorável para o seu desempenho. Daí para a primeira musica e da primeira musica em diante o trio parou pouco de tocar suas músicas, só para pegar um breve fôlego, falar o necessário com muito bom humor e seguir em frente sem cansaço.


Ao longo das onze faixas do seu setlist, a Malgrada fez um som grunge competente, com sonoridade forte, em um repertório de canções coerentes, convicta e segura do que se propõe a fazer. As quatro musicas do seu ótimo EP de estreia, o All Chaos are Inside (2018), aparecem aqui muito bem distribuídas ao longo da apresentação, intercaladas a cada duas composições inéditas, que mostram um caminho mais sólido dentro dos sons vindos de Seattle, porém apontando para além dessa influência, flertando com o post-hardcore e com o punk rock. Há até uma cover do Green Day (She) ao final deste show. Se percebe aqui também as performances seguras e virtuosas de cada um dos três músicos, com o baterista Breno Pires partindo pra cima do seu instrumento com viradas insanas, sem medo de ser feliz, com o então baixista Marcus Azevedo segurando a cozinha com seu baixo distorcido e com seus backing vocais raivosos, e com o frontman João Marques dosando bem os momentos distintos dos seus vocais e dando brilho aos acordes distorcidos da sua guitarra. Tudo isso com uma boa dose de velocidade sempre presente em gigs como essa, o que torna a coisa mais empolgante.


Se você ainda não conhece o som da Malgrada de perto, esse é um ótimo registro para o fazer, de certa maneira, pois dá para entrar em sintonia com a banda diante da execução impecável dessas musicas encontradas aqui. Não se esquecendo que será muito bom você poder comparecer no próximo show dos rapazes, prestigia-los in loco faz bem para todos, público, banda e cena.


Por hora, este disco terá apenas formato digital!

Comentários

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…