Pular para o conteúdo principal

Explosão e caos sonoro. Por Leonardo Cima.



Na última quarta feira de cinzas (26/02), os selos do Portal Soterorock, o SoteroRec e OCADISCOS, fizeram o seu mais novo lançamento, o Warm Up Big Bands - Soterorock Sessions 5, da banda soteropolitana Malgrada. Este foi também o segundo disco incluso na nossa série de bootlegs, a Bootlegs Originals, que possui a proposta de disponibilizar apresentações das bandas locais no mesmo esquema dos discos ao vivo não oficiais de grupos internacionais, bastante populares nos anos 1990.


Sem overdubs e com qualidade de som e performance, esse formato permite ao ouvinte escutar a banda gravada como ela é em ação em cima do palco, em um recorte dentro da sua carreira, de maneira desnuda, sincera e honesta. E o que você vai encontrar neste trabalho do trio baiano (se já o escutou, provavelmente você concorde com o que escreverei adiante) não é menos do que energia e intensidade em suas composições, uma entrega digna de ser apreciada por mais e mais vezes.


O show foi captado na noite do feriado de sete de setembro, na Bardos Bardos, dentro do evento de aquecimento para o Big Bands de 2019, o Warm Up Big Bands, apresenta: Soterorock Sessions 5. Toda a atmosfera do lugar favoreceu cada banda que se apresentou naquele dia, o que fez com que os rapazes da Malgrada (ainda com sua formação original) se sentissem mais à vontade em sua vez de tocar. Neste momento, ao assumirem seus respectivos lugares, tudo foi plugado e ajustado com rapidez, porém sem pressa, mas dentro de uma dinâmica que foi favorável para o seu desempenho. Daí para a primeira musica e da primeira musica em diante o trio parou pouco de tocar suas músicas, só para pegar um breve fôlego, falar o necessário com muito bom humor e seguir em frente sem cansaço.


Ao longo das onze faixas do seu setlist, a Malgrada fez um som grunge competente, com sonoridade forte, em um repertório de canções coerentes, convicta e segura do que se propõe a fazer. As quatro musicas do seu ótimo EP de estreia, o All Chaos are Inside (2018), aparecem aqui muito bem distribuídas ao longo da apresentação, intercaladas a cada duas composições inéditas, que mostram um caminho mais sólido dentro dos sons vindos de Seattle, porém apontando para além dessa influência, flertando com o post-hardcore e com o punk rock. Há até uma cover do Green Day (She) ao final deste show. Se percebe aqui também as performances seguras e virtuosas de cada um dos três músicos, com o baterista Breno Pires partindo pra cima do seu instrumento com viradas insanas, sem medo de ser feliz, com o então baixista Marcus Azevedo segurando a cozinha com seu baixo distorcido e com seus backing vocais raivosos, e com o frontman João Marques dosando bem os momentos distintos dos seus vocais e dando brilho aos acordes distorcidos da sua guitarra. Tudo isso com uma boa dose de velocidade sempre presente em gigs como essa, o que torna a coisa mais empolgante.


Se você ainda não conhece o som da Malgrada de perto, esse é um ótimo registro para o fazer, de certa maneira, pois dá para entrar em sintonia com a banda diante da execução impecável dessas musicas encontradas aqui. Não se esquecendo que será muito bom você poder comparecer no próximo show dos rapazes, prestigia-los in loco faz bem para todos, público, banda e cena.


Por hora, este disco terá apenas formato digital!

Comentários

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida