Pular para o conteúdo principal

Vigor stoner sem impedimentos. Por Leonardo Cima.



Diretamente da cidade de Perth, na Austrália, na semana que se iniciou o carnaval, foi lançado Doom, o trabalho de estreia da novíssima banda Black Diamond Lake. Super trio com forte influencia de stoner rock, a Black Diamond Lake possui em sua formação o baterista Dimmy "Demolition Man" Drummer (ex The Honkers e ex Vendo 147) assumindo o posto no instrumento, além do Barry Malice-Son (vocal e guitarra) e Mark Linkhorn (guitarra).

Este single contém duas faixas que vão bem além do gênero stoner citado acima, dialogando bastante com o rock clássico, dentre outros estilos que ajudam a dar corpo à musica encontrada aqui. Peso, som arrastado, psicodelismo lisérgico ligado aos sons ecoados do Rancho de La Luna dão um tom denso à característica do conjunto, que não deixa de lado momentos mais empolgantes nas suas composições mostradas aqui.

Na faixa título, encontramos o grupo arriscando bem com as possibilidades sonoras vindas de suas respectivas vivencias no mundo da música. Mais lenta e visceral, Doom se conecta aos sons de bandas da cena de New Orleans dos anos 1990 em seu ataque de guitarras, misturada à acidez lisérgica de um grunge obscuro, promovendo mudanças interessantes no andamento da canção ao longo de sua duração. A inclusão da percussão na faixa indica o contato com a musica brasileira de raiz, mostrando não haver preconceito ou restrições a determinados estilos quanto ao que se pode experimentar em sua própria musica.

Em When You Gonna Let Your Hair Down é onde o trio mostra o seu potencial total, em uma faixa mais enérgica, veloz e objetiva. Com bons riffs de guitarra e bateria sólida, o diálogo do trio com o blues rock setentista se faz mais presente, dando vazão ainda maior ao stoner em sua música, lembrando bandas como Kyuss. A rouquidão do vocalista aqui, pontua ainda mais esse aspecto e que não passe despercebido o solo de guitarra cheio de sensibilidade e vigor. A música funciona muito bem em par com sua faixa irmã e gruda fácil no ouvido.

Diferente de suas bandas conterrâneas surgidas nos últimos dez anos, como o Tame Impala, por exemplo, a Black Diamond Lake se afasta bastante dessa áurea psicodélica sessentista contida nesses grupos e entrega uma proposta sonora que segue um caminho oposto a este, prezando mais pelo peso, por guitarras de presença massiva e por uma bateria raivosa. Não foi nem preciso a presença de um baixo para dar um grave especial na sonoridade realizada pelo trio. Sem restrições, é para se ouvir em alto e bom som!

Comentários

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…