Pular para o conteúdo principal

Coluna OCADEL: Kind of Blue - Miles Davis e o álbum que reinventou a música moderna (Richard Williams). Por Leonardo Cima.


Procurando abranger um pouco mais os temas que gostamos de abordar aqui no site, damos início a uma nova coluna no Portal Soterorock. Dessa vez, olhamos para o mercado editorial, e para a cultura pop, e abrimos espaço para expormos as nossas impressões sobre algumas das nossas leituras, sejam elas de livros ou quadrinhos, e para as nossas maratonas de séries e filmes, que contenham os mais variados assuntos. A leitura e as películas, assim como a música, são algumas de nossas paixões e a Coluna OCADEL chega para preencher esse espaço há tempos por aqui esperado.

Então, com as considerações feitas, a obra escolhida para essa estréia é o livro Kind of Blue - Miles Davis e o álbum que reinventou a música moderna (2011), do inglês Richard Williams, e publicado no Brasil pela editora Casa da Palavra. Em tempos de quarentena, uma maratona de leitura ganha força quando se têm livros esperando que você acesse cada um deles e o único trabalho que se tem nessas horas, talvez, é a escolha de por onde começar. Este livro estava na minha estante há pouquíssimo tempo e, pelo fato de eu querer me reaproximar um pouco mais do universo do jazz, ele acabou furando a fila de tantos outros que estavam me aguardando. Ao final, a experiência deixou um clima estranho, carregado de certa frustração misturado a ótimas informações adquiridas.

É tudo uma questão de expectativa! Com o livro possuindo um título desses, a primeira coisa que você espera dele, mesmo não sendo longo (264 páginas), é que o mesmo provoque, ao menos, uma sensação de imersão, ou que seja, de fato, simplesmente imersivo na obra referenciada em si! E não é exatamente isso o que acontece aqui! É bastante comum em uma biografia de disco, o autor dedicar a primeira metade do seu livro para o período no qual o artista maturou o álbum, que fez com que ele desse corpo ao conjunto de músicas que se tornou tão influente para tantas pessoas. Isso é importante e aqui, ele o começa dedicando os dois primeiros capítulos para o seu primeiro contato com o Kind of Blue e o segundo à relação da humanidade com a cor azul ao longo das eras. Nos seguintes, Williams cobre cerca de dez anos da carreira do trompetista, mostra bem a sinergia musical do Davis com o pianista, produtor e compositor Gil Evans e de como essa relação deságua no seu desempenho em discos desse período, como em Birth of the Cool e Porgy and Bess, traz como ele já procurava, em obras anteriores, chegar ao som que alcançou, maturando bem as suas ideias e as colocando em prática ao lado de instrumentistas escolhidos minuciosamente pelo próprio músico, cada um para cada tipo de som por ele desejado.

Cita também a importância da dinâmica executada pelo Miles na gravação da trilha sonora do filme Ascensor para o Cadafalso, sem deixar de lado uma passagem sobre uma espécie de zeitgeist ocorrido no jazz naquela época e absorvido pela geração beatnik. Isso até ele chegar no capítulo ápice do livro, no qual, enfim, ele trata o Kind of Blue em um faixa a faixa detalhado, porém sem avançar muito além disso, referenciando brevemente a estrutura física da igreja e de como ela pôde incidir na sonoridade do álbum.

Na segunda metade do livro, quando se espera algo mais sobre o álbum, o autor decide investir em uma outra direção, deixando para traz o protagonismo do Miles Davis e do seu disco, e seguindo por um caminho no qual quase apagou ambas presenças, preferindo enfatizar como eles reverberaram na música depois do seu ano de lançamento, falando sobre outros artistas. É bastante compreensível e louvável o fato do Richard Williams não subestimar a inteligência do leitor, quando resolve não citar recorrentemente a influencia do Miles sobre estes trabalhos posteriores, porém, nessa altura, o assunto tratado já é outro. Ou outros!

Valendo-se de sua experiência profissional como jornalista musical, Williams traça as trajetórias das carreiras do John Coltrane e do Bill Evans em seus grupos, quarteto e trio, respectivamente, no pós gravação e turnê do Kind of Blue, escreve sobre como o Velvet Underground se formou, investindo tempo e estudo na musica minimalista a mesclando com a então novidade musical da sua época (o rock!), traz à luz um pouco do processo criativo do James Brown, valoriza a busca pelo som ambiente do inventivo Brian Eno e destaca o surgimento das gravadoras ECM e Rune Grammofon, em uma curadoria de sensibilidade, mostrando a face europeia do jazz. Esta última é, certamente, uma das passagens mais interessantes desta "segunda parte" do livro, juntamente com as de Coltrane e Evans. Todos esses capítulos são facilmente aptos a serem revisitados para leituras de consulta.

Se por um lado Kind of Blue - Miles Davis e o álbum que reinventou a música moderna desaponta com o não devido mergulho que o seu título sugere, por outro, a quantidade de informações encontradas nas páginas compensa, de certa maneira, o leitor ou a leitora, desde que esta seja uma pessoa curiosa e disposta a pesquisar posteriormente cada músico, canção, disco e estilo citados nas linhas e entrelinhas do livro. Linguagens de técnicas musicais mais rebuscadas, utilizadas recorrentemente pelo escritor ao longo da sua obra, podem cansar a leitura (caso você não esteja familiarizado com tais termos), contra a informação do tipo como o Kind of Blue teve a velocidade do seu andamento alterada para mais lenta no lado A do vinil, em uma das suas prensagens há anos atrás, são pormenores que traduzem bem a essência desse registro. Um bom e interessante exercício de leitura e pesquisa musical.

Comentários

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso