Pular para o conteúdo principal

Duas bandas, duas performances. Por Leonardo Cima.


Nesse mês de julho tivemos a honra de poder disponibilizar pelo nosso selo duas apresentações de duas das mais interessantes bandas do cenário local. Incluídas na série Bootlegs Originals, do SoteroRec, a Célula Mekânika e a Jato Invisível registraram com muita competência e felicidade as suas respectivas performances em cima do palco como elas são, extraindo muito bem todas as suas nuances sonoras e atmosfera que costumam gerar em suas aparições. A espontaneidade e a paixão pela música ainda é o grande combustível para bandas como essas, e como é bom ter um gavador ligado na hora em que elas se encontram em ação.

No dia 03/07, chegou o Máquinas Trabalhando, do recém reativado Célula Mekânika, duo formado por integrantes da veterana banda Modus Operandi, Henrique Letárgico e David Vértigo, guitarra e sintetizador, respectivamente. Os dois dividem as programações e os vocais. Segundo trabalho da sua discografia, ele foi gravado ao vivo no evento Quintal do Rock, em 08/03/2020, às vésperas da iminente quarentena e traz no seu repertório canções do seu disco de estréia e mais duas inéditas, que mantêm a expressão caótica das letras e o ambiente sonoro vertiginoso que a dupla se propõe a causar com seu synth-punk cortante.

Falha no Sistema abre a sequência de sete faixas em meio a vozes robóticas anunciando a necessidade de reiniciar e subverter o sistema por conta deste ter se tonado obsoleto. Logo, em um forte looping, guitarras distorcidas e batidas tecno invadem os tímpanos com Eu Vomito Você e Prisões, mais dançante, não menos agressiva e com um refrão marcante, mantém o clima da sua antecessora. Em A Positivo os ânimos se resfriam, porém a tensão não se afasta nessa faixa que é quase um mantra industrial, Auto Exorcismo é sombria e frenética e, em sua letra, põe para fora todo o peso daquilo que incide na cabeça dos seus autores. Imagens e D.E.M. são as duas faixas inéditas que aqui sequenciam a parte final do disco, com a primeira tendo uma veia melódica épica ao longo de seus sete minutos e a segunda, mais rápida, em um genuíno synth-punk direto e reto.




Dia 17/07 foi a vez da Jato Invisível ter o seu disco ao vivo lançado. Uma das melhores bandas da atual cena baiana, ela mostra em Electric Night Live/Live at Brooklyn Pub Criativo toda a força e desenvoltura que suas performances costumam ter pelos palcos da Bahia. Neste registro de 09/11/2019, no hoje extinto Brooklyn Pub Criativo, o quarteto formado por Sioux Costa (vocal), Alex Costa (baixo), Alex Anjos (guitarra) e Greick Sequela (bateria) assina um pos-punk objetivo sem firulas, em uma noite inspirada, tocando os hits de sua carreira e alguns covers.

Ao longo das dez faixas do bootleg, a Jato Invisível manteve incansavelmente a energia das suas composições de ponta a ponta. Filme de Suspense dá inicio ao seu set list já empolgando, com dois minutos e meio de um rock visceral e certeiro, uma boa porta de entrada para, justamente, quem gosta de um impacto sonoro como esse, Pós-escrito segura essa vibração e como uma boa faixa sequencial prepara a chegada de Se Vira, mais reflexiva e não menos objetiva em som e ideia. Veiculando Neuroses tranquiliza um pouco mais os ânimos, ainda se mantendo muito expressiva como em sua versão original. Conflito de Interesses surge envolvente e groovada, enquanto Esperar Sentado mais intensa e sensível. Presença certa no repertório da banda, Remédio é um punk rock veloz, de punch forte e arrebatador, que não perde a sua força. Os covers de Immigrant Song (Led Zeppelin) e Me Perco (As Mercenárias) casaram muito bem com as canções autorais da JI e não se afastaram da sonoridade do grupo. Seria Interessante (Viver!) encerra a sequência fazendo justiça ao que veio antes dela, com aceleração e distorção na medida certa e agitada ainda com fôlego para mais gig!




Comentários

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso