Pular para o conteúdo principal

Duas bandas, duas performances. Por Leonardo Cima.


Nesse mês de julho tivemos a honra de poder disponibilizar pelo nosso selo duas apresentações de duas das mais interessantes bandas do cenário local. Incluídas na série Bootlegs Originals, do SoteroRec, a Célula Mekânika e a Jato Invisível registraram com muita competência e felicidade as suas respectivas performances em cima do palco como elas são, extraindo muito bem todas as suas nuances sonoras e atmosfera que costumam gerar em suas aparições. A espontaneidade e a paixão pela música ainda é o grande combustível para bandas como essas, e como é bom ter um gavador ligado na hora em que elas se encontram em ação.

No dia 03/07, chegou o Máquinas Trabalhando, do recém reativado Célula Mekânika, duo formado por integrantes da veterana banda Modus Operandi, Henrique Letárgico e David Vértigo, guitarra e sintetizador, respectivamente. Os dois dividem as programações e os vocais. Segundo trabalho da sua discografia, ele foi gravado ao vivo no evento Quintal do Rock, em 08/03/2020, às vésperas da iminente quarentena e traz no seu repertório canções do seu disco de estréia e mais duas inéditas, que mantêm a expressão caótica das letras e o ambiente sonoro vertiginoso que a dupla se propõe a causar com seu synth-punk cortante.

Falha no Sistema abre a sequência de sete faixas em meio a vozes robóticas anunciando a necessidade de reiniciar e subverter o sistema por conta deste ter se tonado obsoleto. Logo, em um forte looping, guitarras distorcidas e batidas tecno invadem os tímpanos com Eu Vomito Você e Prisões, mais dançante, não menos agressiva e com um refrão marcante, mantém o clima da sua antecessora. Em A Positivo os ânimos se resfriam, porém a tensão não se afasta nessa faixa que é quase um mantra industrial, Auto Exorcismo é sombria e frenética e, em sua letra, põe para fora todo o peso daquilo que incide na cabeça dos seus autores. Imagens e D.E.M. são as duas faixas inéditas que aqui sequenciam a parte final do disco, com a primeira tendo uma veia melódica épica ao longo de seus sete minutos e a segunda, mais rápida, em um genuíno synth-punk direto e reto.




Dia 17/07 foi a vez da Jato Invisível ter o seu disco ao vivo lançado. Uma das melhores bandas da atual cena baiana, ela mostra em Electric Night Live/Live at Brooklyn Pub Criativo toda a força e desenvoltura que suas performances costumam ter pelos palcos da Bahia. Neste registro de 09/11/2019, no hoje extinto Brooklyn Pub Criativo, o quarteto formado por Sioux Costa (vocal), Alex Costa (baixo), Alex Anjos (guitarra) e Greick Sequela (bateria) assina um pos-punk objetivo sem firulas, em uma noite inspirada, tocando os hits de sua carreira e alguns covers.

Ao longo das dez faixas do bootleg, a Jato Invisível manteve incansavelmente a energia das suas composições de ponta a ponta. Filme de Suspense dá inicio ao seu set list já empolgando, com dois minutos e meio de um rock visceral e certeiro, uma boa porta de entrada para, justamente, quem gosta de um impacto sonoro como esse, Pós-escrito segura essa vibração e como uma boa faixa sequencial prepara a chegada de Se Vira, mais reflexiva e não menos objetiva em som e ideia. Veiculando Neuroses tranquiliza um pouco mais os ânimos, ainda se mantendo muito expressiva como em sua versão original. Conflito de Interesses surge envolvente e groovada, enquanto Esperar Sentado mais intensa e sensível. Presença certa no repertório da banda, Remédio é um punk rock veloz, de punch forte e arrebatador, que não perde a sua força. Os covers de Immigrant Song (Led Zeppelin) e Me Perco (As Mercenárias) casaram muito bem com as canções autorais da JI e não se afastaram da sonoridade do grupo. Seria Interessante (Viver!) encerra a sequência fazendo justiça ao que veio antes dela, com aceleração e distorção na medida certa e agitada ainda com fôlego para mais gig!




Comentários

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida