Pular para o conteúdo principal

Duas bandas, duas performances. Por Leonardo Cima.


Nesse mês de julho tivemos a honra de poder disponibilizar pelo nosso selo duas apresentações de duas das mais interessantes bandas do cenário local. Incluídas na série Bootlegs Originals, do SoteroRec, a Célula Mekânika e a Jato Invisível registraram com muita competência e felicidade as suas respectivas performances em cima do palco como elas são, extraindo muito bem todas as suas nuances sonoras e atmosfera que costumam gerar em suas aparições. A espontaneidade e a paixão pela música ainda é o grande combustível para bandas como essas, e como é bom ter um gavador ligado na hora em que elas se encontram em ação.

No dia 03/07, chegou o Máquinas Trabalhando, do recém reativado Célula Mekânika, duo formado por integrantes da veterana banda Modus Operandi, Henrique Letárgico e David Vértigo, guitarra e sintetizador, respectivamente. Os dois dividem as programações e os vocais. Segundo trabalho da sua discografia, ele foi gravado ao vivo no evento Quintal do Rock, em 08/03/2020, às vésperas da iminente quarentena e traz no seu repertório canções do seu disco de estréia e mais duas inéditas, que mantêm a expressão caótica das letras e o ambiente sonoro vertiginoso que a dupla se propõe a causar com seu synth-punk cortante.

Falha no Sistema abre a sequência de sete faixas em meio a vozes robóticas anunciando a necessidade de reiniciar e subverter o sistema por conta deste ter se tonado obsoleto. Logo, em um forte looping, guitarras distorcidas e batidas tecno invadem os tímpanos com Eu Vomito Você e Prisões, mais dançante, não menos agressiva e com um refrão marcante, mantém o clima da sua antecessora. Em A Positivo os ânimos se resfriam, porém a tensão não se afasta nessa faixa que é quase um mantra industrial, Auto Exorcismo é sombria e frenética e, em sua letra, põe para fora todo o peso daquilo que incide na cabeça dos seus autores. Imagens e D.E.M. são as duas faixas inéditas que aqui sequenciam a parte final do disco, com a primeira tendo uma veia melódica épica ao longo de seus sete minutos e a segunda, mais rápida, em um genuíno synth-punk direto e reto.




Dia 17/07 foi a vez da Jato Invisível ter o seu disco ao vivo lançado. Uma das melhores bandas da atual cena baiana, ela mostra em Electric Night Live/Live at Brooklyn Pub Criativo toda a força e desenvoltura que suas performances costumam ter pelos palcos da Bahia. Neste registro de 09/11/2019, no hoje extinto Brooklyn Pub Criativo, o quarteto formado por Sioux Costa (vocal), Alex Costa (baixo), Alex Anjos (guitarra) e Greick Sequela (bateria) assina um pos-punk objetivo sem firulas, em uma noite inspirada, tocando os hits de sua carreira e alguns covers.

Ao longo das dez faixas do bootleg, a Jato Invisível manteve incansavelmente a energia das suas composições de ponta a ponta. Filme de Suspense dá inicio ao seu set list já empolgando, com dois minutos e meio de um rock visceral e certeiro, uma boa porta de entrada para, justamente, quem gosta de um impacto sonoro como esse, Pós-escrito segura essa vibração e como uma boa faixa sequencial prepara a chegada de Se Vira, mais reflexiva e não menos objetiva em som e ideia. Veiculando Neuroses tranquiliza um pouco mais os ânimos, ainda se mantendo muito expressiva como em sua versão original. Conflito de Interesses surge envolvente e groovada, enquanto Esperar Sentado mais intensa e sensível. Presença certa no repertório da banda, Remédio é um punk rock veloz, de punch forte e arrebatador, que não perde a sua força. Os covers de Immigrant Song (Led Zeppelin) e Me Perco (As Mercenárias) casaram muito bem com as canções autorais da JI e não se afastaram da sonoridade do grupo. Seria Interessante (Viver!) encerra a sequência fazendo justiça ao que veio antes dela, com aceleração e distorção na medida certa e agitada ainda com fôlego para mais gig!




Comentários

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…