Pular para o conteúdo principal

A cidade baixa e mais um de seus frutos sonoros. Por Leonardo Cima.



A cidade baixa sempre apronta das suas. Ela é uma das várias regiões da cidade de Salvador que possui as suas próprias características peculiares, seja no seu ambiente, atmosfera ou sons. A penísula itapagipana realmente parece um universo à parte dentro da capital baiana e sempre no quesito sons ela não deixa de fornecer novidades dos mais diversos gêneros, principalmente dentro do rock e suas ramificações. É papo de riqueza produtiva nesse sentido, de fato, e negar isso é vacilo. Muita gente já se referiu à ela como a "Irlanda" de Salvador, a"Seattle" de Salvador, a "Perth" de Salvador. Entendo, mas a cidade baixa fica em Salvador, não em outro lugar. Ela é apenas soteropolitana mesmo, faz parte de um todo, contribui para a pluralidade da cena e ajuda a fazer (e a ser) simplesmente Salvador!

Referências a país e cidades à parte, o fato é que mais uma interferência artística da CBX surgiu neste mais recente domingo (02/08/2020). Lançado pelo nosso selo, SoteroRec, o O Homem do Futuro é o trabalho de estreia do cantor e compositor Hugo Maha e traz consigo uma mistura de diversas referências em meio a abordagens interessantes e um tanto quanto inusitadas, sem temer o risco e oferecendo uma proposta distinta da sua sonoridade a cada passo dado dentro deste seu primeiro EP.

O disco abre com a faixa título, um rock cheio de balanço, groove e swing, com uma guitarra expressiva em sua intro e uma linha de baixo saltitante. Uma atmosfera alegre e dançante, com altíssimo potencial radiofônico e pronta para figurar em trilhas sonoras de novelas igualmente ensolaradas, tudo isso em meio a um texto filosófico/psicodélico. Na segunda faixa já há uma quebra desse clima, com uma versão fantasmagórica/radioheadiana para Like a Stone, do Audioslave. Uma releitura pessoal e intimista ao piano, com arranjo de cordas e com um caráter um pouco mais low-fi, construindo um outro ambiente sonoro. Na sequência, a instrumental Cidade Vazia faz um passeio por caminhos mais eletrônicos, sobre calçadas de batidas programadas tão ligeiras quanto os rastros deixados pela movimentação apressada das pessoas dentro de uma grande metrópole. Encerrando o EP, com o desabafo amoroso em sua letra, Ideia Boa mantêm a vibe de programação da sua antecessora, porém de uma forma mais minimalista, com efeitos de teclado fazendo textura sobre a batida e arranjos em falsetes vocais em cascata!

Tendo executado e produzido o seu debut no melhor estilo one man band, o Hugo Maha em seu O Homem do Futuro consegue chegar a uma unidade sonora precisa, ao mesmo tempo em que pode soar diferente ao longo das suas quatro faixas. As boas melodias de voz, mesmo que parecendo simples, demonstram sensibilidade em suas construções e aplicações, combinando bem com as suas composições. A sofisticação expressa na capa do disco complementa o seu conceito, que mescla o low-fi e o requinte de maneira hábil, como os bons frutos da cidade baixa costumam fazer!

Comentários

Aurélio disse…
Sem duvidas a cidade baixa é um encubadora sonora!
Soterorock disse…
Com certeza, Aurélio. Sempre há coisas boas da CBX!

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção. Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia. Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, ess

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava