Pular para o conteúdo principal

Garimpos virtuais. Por Leonardo Cima.

Para quem gosta de musica, garimpar novos sons e novas áreas é sempre uma tarefa prazerosa na qual pode se passar horas e horas madrugada adentro, conferindo bandas, selos e discos. O processo na descoberta de novidades sonoras varia de pessoa para pessoa, claro, cada um tem seu método, desde achar uma capa interessante e a partir dali deixar a própria curiosidade desbravar todo o universo da banda, conferindo seus demais trabalhos, os outros grupos com os quais se relaciona, selo que faz parte, cena que está inserida e por aí vai. Uma coisa vai levando a outra. O caminho inverso também acontece e os conjuntos mais engajados conseguem atravessar o país, mesmo que virtualmente.


As coletâneas também têm o seu papel de importância na apresentação de bandas e é por uma delas que faço a minha primeira indicação dessa matéria. Nordeste em Chamas vol. 1 talvez seja a ação mais significativa da cena independente brasileira neste ano de 2020, uma compilação épica que reúne 101 bandas de todos os estados do Nordeste, em 101 faixas. São 31 representantes da Bahia, 5 de Alagoas, 11 do Ceará, 7 do Maranhão, 7 da Paraíba, 21 de Pernambuco, 9 do Piauí, 5 do Rio Grande do Norte e 5 de Sergipe. Todas elas mostram a firmeza que a nossa região tem em termos de som e posicionamento político, com a força do punk rock, hard core, crossover e do metal, passando pelas demais variações destes gêneros. A iniciativa foi idealizada e posta em prática por Jone Luis, integrante da Jacau, banda da cidade de Itabuna-BA também inclusa na seleção, e foi lançada pelo selo Tocaia com uma tiragem de 1.250 unidades físicas, que se esgotou rapidamente. Também foi criado o streaming Tocaia (em app ou site) para abrigar a coletânea e toda e qualquer banda independente que desejar subir suas musicas no serviço, é só contactar o Jone nas redes sociais da Jacau para saber como realizar a inclusão no streaming. Não é exagero algum dizer que este já é um marco do underground não só regional, mas também nacional, que impactou muita gente e muita banda de diversos lugares do país. Já no aguardo do segundo volume.

Ouça Nordeste em Chamas vol. 1 e conheça o selo Tocaia aqui: tocaiaselo.com



Do chat inbox do perfil do Soterorock lá no Facebook, chegou ate a mim, direto do Rio Grande do Sul, uma mensagem dos rapazes da banda Carlos Mherelov, a minha segunda indicação. Formado em meados de 2019 e, desde então, lançando singles com frequência periódica, o som do quinteto gaúcho possui uma forte influencia do blues, além de beber da fonte do punk rock. As variações de gêneros em suas canções são interessantes e trazem temas sobre questões sociais e políticas em seus textos de forma contundente e direta, sem rodeios. Ao todo, a banda já disponibilizou cinco singles. São eles: Vagando Pelas Ruas, um southern rock de andamento arrastado e bem inspirado, com letra e incidência poética sobre o descaso social que muito se encontra pelo país, E o Cavalo Deu o Coice, um hard rock competente de refrão grudento e com boa presença do sax, com uma crítica aos esquemas políticos sujos e imundos investidos pela direita, No Clima, que conta a história de um trabalhador brasileiro que se revolta com seu chefe depois que este o julgou injustamente por chegar atrasado no seu trabalho, em decorrência de uma forte chuva, tudo conduzido por um rock e um slide guitar seguros. Completam a lista mais dois temas instrumentais, com Brejeiro, uma versão punk rock para a composição do Ernesto Nazareth e a balada Chuva, que traz a guitarra em uma performance principal.

Ouça Carlos Mherelov aqui: https://open.spotify.com/artist/6UG01djhuFLpfIvnTeC5AW?si=lO4twrXLSGuXJiiDZVVgOg



A terceira indicação é de uma banda de lá de Curitiba, o quarteto de punk rock Cigarras. Formada só por mulheres, a Cigarras também transita bastante pela surf music e um pouco pelo rockabilly, porém sempre dentro de uma linguagem garageira suja e veloz, daquelas que empolga a cada audição investida. O seu primeiro EP e os dois primeiros singles já indicavam essa direção em sua sonoridade e este mais recente trabalho homônimo traz contornos mais viscerais em sua musica, com faixas mais rápidas e diretas. Das cinco musicas nele, três são inéditas. Bicho Morto e Fritando na Trajano ganharam aqui roupagens mais nervosas e cortantes, assim como as demais composições. Horizontal abre a sequencia com guitarras de ska e distorções, anunciando a atmosfera que o disco proporciona para o ouvinte, Sexy Cola é uma canção grudenta e sem refrão, com riff igualmente pegajoso e ainda consegue ser dançante. Fechando o disco, Xurumen é uma porrada punk veloz e de fôlego único. A Cigarras não se restringe a linguagem underground e consegue chegar a ouvidos diversos com facilidade e traz um texto sobre relacionamentos de maneira inteligente e com ótimas sacadas bem humoradas. Certamente, aqui consta um dos dez minutos mais divertidos que você pode aproveitar ouvindo uma obra musical. Este também é o primeiro trabalho do conjunto a ter uma mídia física. O EP Cigarras foi disponibilizado em um vinil de 7", em tiragem limitada, pelo selo curitibano Zoom Discos, que por sua vez possui um catálogo com várias outras bandas independentes da cena paranaense. Todas com material físico disponível. Tem muita banda interessante por lá, que vale a pena o tempo no garimpo! Se você ainda não foi até o site deles, está perdendo tempo.

Ouça Cigarras aqui: https://open.spotify.com/album/7yOKeu5i9uRMnBBvgDpIjO?si=_UaUX9TcTkSmEK6R3b3sVg

Conheça a Zoom Discos aqui: https://zoomdiscos.minestore.com.br/


Comentários

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso