Pular para o conteúdo principal

Garimpos virtuais. Por Leonardo Cima.

Para quem gosta de musica, garimpar novos sons e novas áreas é sempre uma tarefa prazerosa na qual pode se passar horas e horas madrugada adentro, conferindo bandas, selos e discos. O processo na descoberta de novidades sonoras varia de pessoa para pessoa, claro, cada um tem seu método, desde achar uma capa interessante e a partir dali deixar a própria curiosidade desbravar todo o universo da banda, conferindo seus demais trabalhos, os outros grupos com os quais se relaciona, selo que faz parte, cena que está inserida e por aí vai. Uma coisa vai levando a outra. O caminho inverso também acontece e os conjuntos mais engajados conseguem atravessar o país, mesmo que virtualmente.


As coletâneas também têm o seu papel de importância na apresentação de bandas e é por uma delas que faço a minha primeira indicação dessa matéria. Nordeste em Chamas vol. 1 talvez seja a ação mais significativa da cena independente brasileira neste ano de 2020, uma compilação épica que reúne 101 bandas de todos os estados do Nordeste, em 101 faixas. São 31 representantes da Bahia, 5 de Alagoas, 11 do Ceará, 7 do Maranhão, 7 da Paraíba, 21 de Pernambuco, 9 do Piauí, 5 do Rio Grande do Norte e 5 de Sergipe. Todas elas mostram a firmeza que a nossa região tem em termos de som e posicionamento político, com a força do punk rock, hard core, crossover e do metal, passando pelas demais variações destes gêneros. A iniciativa foi idealizada e posta em prática por Jone Luis, integrante da Jacau, banda da cidade de Itabuna-BA também inclusa na seleção, e foi lançada pelo selo Tocaia com uma tiragem de 1.250 unidades físicas, que se esgotou rapidamente. Também foi criado o streaming Tocaia (em app ou site) para abrigar a coletânea e toda e qualquer banda independente que desejar subir suas musicas no serviço, é só contactar o Jone nas redes sociais da Jacau para saber como realizar a inclusão no streaming. Não é exagero algum dizer que este já é um marco do underground não só regional, mas também nacional, que impactou muita gente e muita banda de diversos lugares do país. Já no aguardo do segundo volume.

Ouça Nordeste em Chamas vol. 1 e conheça o selo Tocaia aqui: tocaiaselo.com



Do chat inbox do perfil do Soterorock lá no Facebook, chegou ate a mim, direto do Rio Grande do Sul, uma mensagem dos rapazes da banda Carlos Mherelov, a minha segunda indicação. Formado em meados de 2019 e, desde então, lançando singles com frequência periódica, o som do quinteto gaúcho possui uma forte influencia do blues, além de beber da fonte do punk rock. As variações de gêneros em suas canções são interessantes e trazem temas sobre questões sociais e políticas em seus textos de forma contundente e direta, sem rodeios. Ao todo, a banda já disponibilizou cinco singles. São eles: Vagando Pelas Ruas, um southern rock de andamento arrastado e bem inspirado, com letra e incidência poética sobre o descaso social que muito se encontra pelo país, E o Cavalo Deu o Coice, um hard rock competente de refrão grudento e com boa presença do sax, com uma crítica aos esquemas políticos sujos e imundos investidos pela direita, No Clima, que conta a história de um trabalhador brasileiro que se revolta com seu chefe depois que este o julgou injustamente por chegar atrasado no seu trabalho, em decorrência de uma forte chuva, tudo conduzido por um rock e um slide guitar seguros. Completam a lista mais dois temas instrumentais, com Brejeiro, uma versão punk rock para a composição do Ernesto Nazareth e a balada Chuva, que traz a guitarra em uma performance principal.

Ouça Carlos Mherelov aqui: https://open.spotify.com/artist/6UG01djhuFLpfIvnTeC5AW?si=lO4twrXLSGuXJiiDZVVgOg



A terceira indicação é de uma banda de lá de Curitiba, o quarteto de punk rock Cigarras. Formada só por mulheres, a Cigarras também transita bastante pela surf music e um pouco pelo rockabilly, porém sempre dentro de uma linguagem garageira suja e veloz, daquelas que empolga a cada audição investida. O seu primeiro EP e os dois primeiros singles já indicavam essa direção em sua sonoridade e este mais recente trabalho homônimo traz contornos mais viscerais em sua musica, com faixas mais rápidas e diretas. Das cinco musicas nele, três são inéditas. Bicho Morto e Fritando na Trajano ganharam aqui roupagens mais nervosas e cortantes, assim como as demais composições. Horizontal abre a sequencia com guitarras de ska e distorções, anunciando a atmosfera que o disco proporciona para o ouvinte, Sexy Cola é uma canção grudenta e sem refrão, com riff igualmente pegajoso e ainda consegue ser dançante. Fechando o disco, Xurumen é uma porrada punk veloz e de fôlego único. A Cigarras não se restringe a linguagem underground e consegue chegar a ouvidos diversos com facilidade e traz um texto sobre relacionamentos de maneira inteligente e com ótimas sacadas bem humoradas. Certamente, aqui consta um dos dez minutos mais divertidos que você pode aproveitar ouvindo uma obra musical. Este também é o primeiro trabalho do conjunto a ter uma mídia física. O EP Cigarras foi disponibilizado em um vinil de 7", em tiragem limitada, pelo selo curitibano Zoom Discos, que por sua vez possui um catálogo com várias outras bandas independentes da cena paranaense. Todas com material físico disponível. Tem muita banda interessante por lá, que vale a pena o tempo no garimpo! Se você ainda não foi até o site deles, está perdendo tempo.

Ouça Cigarras aqui: https://open.spotify.com/album/7yOKeu5i9uRMnBBvgDpIjO?si=_UaUX9TcTkSmEK6R3b3sVg

Conheça a Zoom Discos aqui: https://zoomdiscos.minestore.com.br/


Comentários

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…