Pular para o conteúdo principal

Coluna OCADEL: A Maldição de Sarnath (H.P. Lovecraft). Por Leonardo Cima.


A Coluna OCADEL está novamente de volta ao Portal SoteroRock, trazendo o melhor da cultura pop mundial. Para quem está acessando esse espaço pela primeira vez, a coluna em questão trata de assuntos para além do que estamos acostumados a tratar aqui: música feita fora da Bahia, livros, séries, quadrinhos e filmes, enfim, tudo o que alimenta o gosto pessoal da gente por aqui, seja de dentro, ou de fora, do acervo d'O Caça-discos e Livros.

A matéria dessa vez traz um livro do H.P. Lovecraft, um dos principais autores de terror do século passado e grande influencia para vários outros grandes escritores do gênero. Tão influente e bastante requisitado também entre os leitores, que o antigo dono desse exemplar pensou e repensou antes de aceitar me vende-lo para agora se encontrar no estoque do OCADEL. A Maldição de Sarnath (editora Iluminuras, 224 páginas, 1998) é uma coletânea com vinte de seus contos e traz muito do que o fez referencia na vertente literária que o tornou famoso: o horror cósmico, o perigo da presença de entidades ancestrais, o pavor do desconhecido e a inquietude da imprevisibilidade do desfecho de uma história.

Porém, para além desses aspectos recorrentemente citados, há um outro que se percebe com frequência ao longo dessa compilação que, até então, é pouco falado nas pautas lovecraftianas (ao menos eu nunca vi), que é a solidão que recai sobre os seus protagonistas. Por mais que existam tantos outros personagens secundários que tenham importância dentro dos eventos, sempre cabe somente ao agente principal da trama carregar o peso invisível, gelado e muitas vezes pessimista da solitude. Esse isolamento fornece mais imersão ao leitor, uma imersão quase que claustrofóbica para dentro do universo criado pelo Lovecraft, que amplia a tensão e a angústia na experiência da leitura, além do medo que vem antes de saber o que está por vir ao virar a próxima página. Sensacional demais!

Esta edição de mais de duas décadas não possui extras, tem um bom trabalho de tradução do Celso Mauro Paciornik e há nela dois pontos interessantes, que são dois trabalhos colaborativos do H.P. Lovecraft com outros autores, um com o Kenneth Sterling, escritor e bem sucedido médico, e o outro com Harry Houdini, ele mesmo, o escapologista.

Das vinte histórias, citarei apenas algumas e SEM SPOILERS, para que a sua experiência de leitura não seja estragada caso um dia você venha a ler esse livro. No conto A Maldição de Sarnath é mostrado que tomar a terra dos outros e profanar os seus símbolos pode custar um preço muito alto para quem o faz. Em Hypnos, uma proposital e inevitável bad trip em decorrência do uso de uma droga alucinógena, para desvendar um mistério cósmico, tem um desfecho intrigante. Do Além, certamente, é uma das historias mais arrepiantes nessa coletânea, tem a sua trama se desenvolvendo em torno do resultado de um experimento metafísico feito pelo amigo cientista do narrador. Os Gatos de Ulthar mostra como, de maneira assombrosa e cruel, os gatos se tornaram seres sagrados nessa cidade.

Em A Cidade Sem Nome a sede humana em desvendar algo que está literalmente enterrado, esquecido e maldito, pode levar a algo reveladoramente sinistro de dentro das entranhas de um lugar, em uma jornada impulsionada pela curiosidade e pela coragem (depois transformada em pavor, claro!). Esse conto mostra bem o aspecto da solidão dos protagonistas citado antes. Em parceria com Kenneth Sterling, Lovecraft mergulha na ficção cientifica na história Nas Muralhas de Eryx, onde, além de mostrar o personagem principal em apuros em uma missão a um planeta distante, deixa a mensagem de que não se deve subestimar a inteligência de outros seres/indivíduos só por serem diferentes.

É dentro de atmosferas como as desses contos citados, que A Maldição de Sarnath conduz o seu leitor na sua navegação. O universo do H.P. Lovecraft é hábil, criativo e rico em detalhes, um mundo inteiro pode ser desbravado nessas páginas. Para quem nunca teve contato com a sua obra, essa pode ser uma boa leitura introdutória e até mesmo quem está mais familiarizado com os escritos do autor, vai aproveitar bem a jornada.

Você encontra A Maldição de Sarnath em: www.ocadel.com.br

Comentários

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um